Tempos Antigos

Israelitas Samaritanos se tornaram um grupo de pessoas independentes apenas após o fim do século IV AEC, enquanto ocorria a mesma coisa com os Israelitas Judeus na Terra de Israel.

Até então as duas comunidades do povo de Israel eram chamadas de Israelitas.

Todos os esforços que foram feitos para unir as diferentes comunidades do povo de Israel para serem um povo unido com a mesma tradição e sob uma bandeira foram fracassados.

Dentro dos israelitas do sul havia no momento de Alexandre o Grande, o império grego muitas seitas diferentes.

Eventualmente, uma delas conquistou as outras e tornou-se o que chamamos de “judaísmo normativo” que consagrou a Montanha do Templo de Jerusalém que fora construída por Zorobabel e por Josué, o Sacerdote.

Isso levou as palavras para a separação total dos Israelitas do Norte, principalmente na região de Samaria – Os antepassados ​​dos Israelitas Samaritanos em torno do mais antigo lugar escolhido – o Monte Gerizim, a Montanha da Bênção Devarim(Deut) 11:29-30.

Devarim(Deut) 11:29-30.

כט והיה כי יביאך יהוה אלהיך אל הארץ אשר אתה בא שמה לרשתה–ונתתה את הברכה על הר גרזים ואת הקללה על הר עיבל

29- E será que, quando o Shehmaa teu Eloowwem te introduzir na terra, a que vais para possuí-la, então pronunciarás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal.

Na verdade, são Israelitas que receberam o nome grego dos Samaritanos, e os especialistas preferiram chamá-los de samaritanos para diferenciá-los dos judeus.

Durante os períodos persa e grego, os Israelitas Samaritanos se organizaram e se estabeleceram no topo da montanha escolhida onde desenvolveram a grande cidade de Luza, cujo centro era o Lugar Sagrado – o lugar onde todos os israelitas samaritanos faziam uma peregrinação três vezes por ano e oferecido o sacrifício da Páscoa, costumes que nunca cessaram.

Ao contrário dos testemunhos e praticas judaicas realizados pela grande polêmica entre judeus e samaritanos, o último nunca construiu um prédio do templo no monte Gerizim, assim como não há nenhuma fonte samaritana que testemunhou sobre a construção de um templo no monte Gerizim.

A cidade de Luza foi destruída no ano 113 AEC pelo rei Hasmoneano judeu João Hircano  יוחנן הרקנוס, Yohanan Hyrcanus.
Naquela época, o quarto século AEC, o número de samaritanos israelitas foi estimado em cerca de 800 mil pessoas.

Houve também períodos de paz e guerra entre as duas entidades – judeus e samaritanos – sob domínio dos gregos e dos romanos pagãos.

O número dos Israelitas Samaritanos aumentou durante esse períodos até o final do segundo século EC, para a situação, e a região de Samaria tornou-se muito pequena para conter todos eles.

Nos mesmos períodos, a comunidade judaica na Terra de Israel diminuiu devido aos terríveis resultados da Revolta Bar Kokhba – שמעון בר כוכבא.

Muitas áreas judaicas foram negligenciadas e abandonadas pela maioria dos judeus que deixaram a Terra de Israel para seus novos centros no exílio.

Nas cidades e as terras negligenciadas estabeleceram-se pelos samaritanos israelitas que expandiram seus territórios de Samaria para cidades na costa do mar e em muitas aldeias.

Este fato levantou o velho ódio entre judeus e samaritanos.

O número dos Israelitas Samaritanos duplicou-se se aproximando um milhão e meio de pessoas no final do século III, quando Roma adotou o cristianismo como a religião do Império Romano.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm.