Em Nablus estava o Sumo Sacerdote Abisha b. Phinhas no cargo, após sua morte em 1961, ocupou o cargo de Sumo Sacerdote ‘Amram b. Yehsaaq.

Ambos os sumo sacerdotes dirigiam ambas as comunidades em Nablus [Shechem] em Samaria e em Holon, Israel em sabedoria e dignidade, guiando a vida religiosa de ambos.

A comunidade desenvolvida em Holon em sua vida cotidiana dirigida pelo chefe Yefet b. Abraão Tsedaka que em cada Páscoa no Monte Gerizim, graças ao fato de que os samaritanos de Holon permitidos pelos dois países Israel e Jordânia para celebrar a Páscoa, ele relatou aos Sumos Sacerdotes sobre problemas tradicionais sob sua liderança e consultados por eles em qualquer caso, embora era raro.

Yefet Tsedaka relatou logo depois de cada Páscoa ao Presidente de Israel Yitzhaq Ben-Zvi sobre a visita da Comunidade de Holon ao Monte Gerizim.

Ben-Zvi, o patrono não oficial dos samaritanos em Israel, confiou a seu amigo pessoal, Yefet Tsedaka, a melhor cooperação entre eles para promover o status da comunidade em Israel.

Eles cooperaram na construção do primeiro bairro samaritano em Israel em 1955, após 3 anos de esforços constantes.

Então Ben-Zvi ajudou Yefet e os samaritanos de Holon a construírem a primeira Sinagoga Samaritana em Israel que a sua bênção foi em fevereiro de 1963 após 11 anos de esforços.

Sob a presidência de Ben-Zvi, os samaritanos de Holon tornaram-se parte integrante da Sociedade de Israel.

Ben-Zvi estava envolvido em cada questão e também abriu um escritório especial em seu escritório para lidar com assuntos samaritanos.

Em Nablus, a liderança samaritana preservou um excelente relacionamento com o rei Hussein da Jordânia e com seus ministros do escritório real.

Ele comprou um pedaço de terra no topo do Monte Gerizim e doou para os samaritanos para a sua vida durante a Páscoa e suas celebrações religiosas.

Ele doou quantias consideráveis ​​para melhorar o estado precário da comunidade samaritana em Nablus.

Hussein também permitiu que os samaritanos de Nablus se mudassem para morar em Israel sob o acordo de cessar-fogo entre a Jordânia e Israel da unificação familiar.

22 samaritanos de Nablus se juntaram a seus parentes em Holon durante esse período.

Em 1958, decidiu o Sumo Sacerdote Abisha b. Phinhas (que foi Sumo Sacerdote nos anos 1943-1961) uma decisão histórica tradicional de considerar uma incubadora como uma continuação de um útero materno para permitir a circuncisão no oitavo dia após a criança ser libertada da incubadora para manter o mandamento de circuncidar todos os machos no oitavo dia após o seu nascimento.

Desde então, tornou-se um precedente para qualquer outro caso.

Em 1964, sob o Sumo Sacerdote ‘Amram b. Yehsaaq (que foi Sumo Sacerdote de 1961-1980) os samaritanos de Nablus construíram a primeira sinagoga dos tempos modernos no Monte Gerizim grande o suficiente para conter todos os samaritanos durante a semana da Páscoa.

Na Páscoa de 1966 e 1967, a administração jordaniana mudou sua atitude em relação aos samaritanos em Israel, não permitindo que seus jovens passassem a fronteira para fazer a Páscoa com seus irmãos no Monte Gerizim.

Era como uma ameaça ao futuro de toda a comunidade no que diz respeito a fazer a Páscoa no Monte Gerizim.

Este era o estado dos samaritanos na véspera do início de junho de 1967.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Fotos: Sumo Sacerdote Abisha, Sumo Sacerdote ‘Amram, Yefet Tsedaka. Yitzhaq Ben-Zvi, rei Hussein