O abate clandestino

O abate de carneiros faz parte do judaísmo em todo mundo ?

Será que rabinos e judeus em todos lugares do mundo matam carneiros para celebrar a festa de Pessach(Pascoa)?

Essa desculpa tem sido utilizada por alguns.

Com esse argumento, famílias inteiras e pessoas desinformadas tem sido expostas ao grave perigo ao consumir um animal abatido de forma inapropriada, sem fiscalização e sem o amparo legal para tal prática.

Mas será que pelo menos eles tem o amparo “religioso”?

Será que a religião judaica determina que todo judeu mate um carneiro para celebrar a saída do povo hebreu do Egito?

Será que eles fazem sacrifícios de carneiros durante o Pessach(pascoa)?

A Torá ordena matar carneiros na pascoa aqui no Brasil?

Vamos olhar mais de perto, comparar e tentar compreender o que está acontecendo no Brasil.


Devarim (deut) 12:13

יג השמר לך פן תעלה עלתיך בכל מקום אשר תראה 

13- Guarda-te, que não ofereças os teus holocaustos em todo o lugar que vires;


A prática Judaica

Judeus são detidos por tentar sacrificar animais no Monte do Templo

Essa foi a noticia estampada no site Ynet News.

A notícia comprova que sacrifícios de Pessach “são proibidos” em Jerusalém:

Rafael Morris sendo preso após tentar abater carneiros em Jerusalém.

Faltando poucos dias para a Páscoa, sete ativistas judeus foram detidos em Jerusalém, acusados de planejar o sacrifício de um animal no Monte do Templo.

Todos os envolvidos estavam em casa, mas seu líder, Rafael Morris, estava em outro local, tendo sido capturado posteriormente.

O porta-voz da polícia detalhou haver provas de que os jovens, ligados ao movimento “Retorno ao Monte do Templo”, queriam fazer o que seria o primeiro sacrifício pascal no local desde a destruição do Segundo Templo, no ano 70.

Fonte: Roi Yanovsky | Publicado em 09/04/2017, 13:49 – Ynet News


A prática Israelita Samaritana.

Como os Israelitas Samaritanos festejam a Páscoa no Monte Gerizim próximo a Cisjordânia

Os membros da religião samaritana realizaram o tradicional sacrifício da Páscoa no monte Gerizim, como fazem todos os anos, próximo a cidade de Nablus, na Cisjordânia.

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

Nas fotos acima, Israelitas Samaritanos realizam o sacrifício da pascoa, ritual celebrado no Sagrado Monte Gerizim o mesmo monte usado quando os Israelitas entraram a terra prometida, vivenciando a mesma prática registrada no texto bíblico que relata o ato quando passaram o Jordão com Yehoshua Ben Num até os dias de hoje.


O que diz a Torá ?

  • Tal prática tem o aval da Torá?
  •  O que a Torá determina ?

A Torá não autoriza o sacrifício (abate) indiscriminado.

Ou seja, a religião Israelita não sustenta a ideia de se fazer sacrifícios em qualquer lugar.

Festa de Pessach (Pascoa), eis o fundamento:

[box type=”shadow”]

Devarim(Deut) 16:1-2

  א שמור את חדש האביב ועשית פסח ליהוה אלהיך כי בחדש האביב הוציאך יהוה אלהיך ממצרים–לילה

ב וזבחת פסח ליהוה אלהיך צאן ובקר במקום אשר יבחר יהוה לשכן שמו שם

1- Guarda o mês de Abibe, e celebra a páscoa ao Shehmaa teu Elowweem; porque no mês de Abibe o Shehmaa teu Elowweem te tirou do Egito, de noite.

2- Então sacrificarás a páscoa ao Senhor teu Deus, das ovelhas e das vacas, no lugar que o Shehmaa escolher para ali fazer habitar o seu nome.

[/box]

Muita atenção aos dois versos seguintes:

[box type=”shadow”]
Devarim(Deut) 16:5-6 

ה לא תוכל לזבח את הפסח באחד שעריך אשר יהוה אלהיך נתן לך

ו כי אם אל המקום אשר יבחר יהוה אלהיך לשכן שמו–שם תזבח את הפסח בערב כבוא השמש מועד צאתך ממצרים

5- Não poderás sacrificar a páscoa em nenhuma das tuas portas que te dá o Shehmaa teu Elowweem;

6- Senão no lugar que escolher o Shehmaa teu Elowweem, para fazer habitar o seu nome, ali sacrificarás a páscoa à tarde, ao pôr do sol, ao tempo determinado da tua saída do Egito.

[/box]

Os textos acima apresentados demonstram que  não se pode sacrificar em qualquer lugar.

O abate ou sacrifício só poderia ocorrer no lugar escolhido pelo Criador para ali habitar o Seu Nome.

A Torá aponta o local escolhido para habitar o seu Nome, o Monte Gerizim, conforme a descrito ao passar o rio Jordão, o mesmo local utilizado desde a época de Mooshe até os dias de hoje.

A tradição judaica com outros costumes, aponta para Jerusalém como sendo o local escolhido.

De qualquer maneira, as duas práticas Israelitas não determinam que o Brasil seja o local escolhido para habitar o Nome divino!

Portanto o sacrifício (abate) de carneiros para comemoração do Pessach (pascoa) é uma prática que vai contra os mandamentos da Torá determina!

A Torá nos alerta contra a pratica de sacrificar(abater) carneiros para festa de Pessach em qualquer local.

Vejam:
[box type=”shadow”]
Devarim(Deut) 16:5-6

ה לא תוכל לזבח את הפסח באחד שעריך אשר יהוה אלהיך נתן לך

5- Não poderás sacrificar a páscoa em nenhuma das tuas portas que te dá o Shehmaa teu Elowweem;
[/box]

Ninguém no Brasil tem autoridade para matar carneiros para a festa de Pessach (pascoa).

Quem pratica isso desonra o Nome do Sagrado, e escarnece os mandamentos da Torá!

Não encontramos no mundo inteiro nem um rabino ou verdadeiro judeu matando carneiros para o Pessach!

Esta  “modinha de brasileiros” demonstra irresponsabilidade, imperícia, desconhecimento, tanto da lei divina(Torá) como também da lei brasileira.


O CRIME DO ABATE CLANDESTINO DE CARNEIROS NO BRASIL

O sacrifício de animais exige muito mais do que “sangue frio”.

É preciso cumprir exigências legais.

Isso tudo para garantir que “aquele que abate o animal”, tenha sido treinado, habilitado e esteja autorizado pelas entidades competentes junto a vigilância sanitária.

Isso tudo para garantir que o animal tenha o um abate mais “humano”, com o menor sofrimento possível.

Exige-se também que as instalações estejam de acordo com os padrões exigidos de higiene, que o animal esteja saudável e apto para o abate, e que o animal possua o carimbo de Inspeção Federal ou seja, o carimbo do S.I.F. no animal que será abatido.

Esse carimbo garante que são respeitados os cuidados e o cumprimento das regras de saneamento para abate de animal que será utilizado para consumo humano!


S.I.F. ?

O Serviço de Inspeção Federal, também conhecido pela sigla S.I.F., é um sistema de controle do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil que avalia a qualidade na produção de alimentos de origem animal comestíveis ou não comestíveis.

Os fiscais verificam se o produto atende aos requisitos mínimos de qualidade para consumo, tais como a acidez no leite e a possibilidade de animais terem sido vendidos sem abate, ou seja, que já chegaram mortos ao abatedouro.

Os produtos aprovados recebem um selo de aprovação do S.I.F.


O S.I.F. fiscaliza

São sujeitas à fiscalização prevista em lei:

  • Os animais destinados à matança, seus produtos, subprodutos e matérias primas;
  • o pescado e seus derivados;
  • o leite e seus derivados;
  • o ovo e seus derivados;
  • o mel e cera de abelha e seus derivados.

O Serviço de Inspeção Federal – S.I.F. – atesta a qualidade sanitária dos produtos de origem animal oferecidos aos brasileiros e a milhares de consumidores em todo o mundo.

Matar carneiros para consumo humano sem a devida autorização sanitária é crime.

É necessário autorização legal para o abate junto ao governo brasileiro, selo de inspeção federal para então fazer uso do animal abatido no consumo humano, quem ignora estas leis comete crime contra a saúde publica.

É necessário um ambiente adequado

O abate não pode ser feito por pessoas destreinadas, matando um animal no meio de uma área que mais se parece com um quintal, aberto, sem as condições mínimas de higiene.

Também o seu preparo não pode ser feito na metade de um tambor de óleo usado e reaproveitado!

Manuseio e preparo insalubre.

 

Não bastasse o abate insalubre, seu preparo também realizado sem a higiene necessária, transformando seu consumo literalmente em um ato de fé, pois realmente é preciso muita coragem para consumi-lo.

Temos portanto um quadro onde:

  • O animal não tem o selo S.I.F.
  • Não há garantia de procedência do animal abatido
  • Não há fiscalização de sua origem, garantindo a saúde do animal
  • Não há treinamento apropriado para realização do abate.
  • O animal não tem portanto um abate humanizado com a redução máxima de seu sofrimento.
  • O local não é adequado para realização do ato do abate.
  • O local também não possui os apetrechos necessários para seu preparo visando o consumo humano.

Afirmar ser um “ato religioso” desobriga o cumprimento da lei brasileira que combate o abate clandestino ?

Certamente que não!


A Lei Brasileira

O abate clandestino é crime!

Decreto-Lei nº 28/84 de 20-01-1984

CAPÍTULO II – Dos crimes contra a economia e contra a saúde pública
SECÇÃO II – Dos crimes em especial
SUBSECÇÃO I – Crimes contra a saúde pública
———-

Artigo 22.º – (Abate clandestino)
    1 – Quem abater animais para consumo público:
a) Sem a competente inspecção sanitária;
b) Fora de matadouros licenciados ou recintos a esse efeito destinados pelas autoridades competentes; ou
c) De espécies não habitualmente usadas para alimentação humanas;

Será punido com prisão até 3 anos e multa não inferior a 100 dias.
2 – Com a mesma pena será punido quem adquirir, para consumo público, carne dos animais abatidos nos termos do número anterior ou produtos com ela fabricados.
3 – Havendo negligência, a pena será de prisão até 1 ano e multa não inferior a 50 dias.
4 – A condenação pelos crimes previstos neste artigo implica sempre a perda dos animais abatidos ou dos respectivos produtos.
5 – A sentença será publicada.

fonte http://bdjur.almedina.net/item.php?field=node_id&value=1311415

A Lei Federal

“Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa. Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal”

Animal doméstico: são aqueles animais que através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e melhoramento zootécnico tornaram-se domésticas, possuindo características biológicas e comportamentais em estreita dependência do homem, podendo inclusive apresentar aparência diferente da espécie silvestre que os originou.

  • Exemplos: gato, cachorro, cavalo, vaca, búfalo, carneiro, porco, galinha, pato, marreco, peru, avestruz, codorna-chinesa, perdiz-chucar, canário-belga, periquito-australiano, abelha-européia, escargot, manon, mandarim, agapornis, entre outros.

artigo 32 e 37 da Lei 9.605/1998.
“Não é crime o abate de animal, quando realizado em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família; para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente autorizado pela autoridade competente; por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão competente”.

A Delegacia do Meio Ambiente, esclarece que o quando autuados em flagrante delito pela prática de crime contra as relações de consumo, nos termos do artigo 7º, inciso IX, da Lei 8137/90, obtém uma pena de detenção de dois a cinco anos ou multa”.

Sendo crime inafiançável, os infratores quando presos, são encaminhados de imediato a carceragem, para posteriormente serem apresentados em audiência de custódia.


[box type=”shadow”]

Conclusão

Esta prática fere tanto a Torá enquanto código religioso, portanto deixamos aqui nosso ato de repudio.

O abate de carneiros para Pessach(pascoa) não é pratica religiosa judaica!

[/box]

Em caso de dúvidas o que fazer ?

Se você é judeu consulte…

[box type=”shadow”]

Nem a FISESP como também nenhuma de suas entidades filiadas realizam sacrifícios de carneiros no Pessach(Pascoa).

www.fisesp.org.br/

[/box]

[box type=”shadow”]

Confirmado:

Judeus não fazem sacrifícios no Brasil e em nenhum outro lugar no mundo.

www.conib.org.br/

[/box]

Karaitas – consultem o Decano, autorizado para ensinar karaitas na América Latina.

[box type=”shadow”]
Daniel ben Immanuel (haKoheleth)

Decano do Departamento Latino
decano.ujc@kjuonline.com

Karaitas não realizam abates rituais.

[/box]

Mais informações junto a UJK – A única universidade Karaita no mundo.

[box type=”shadow”]

UJKUniversidade Judaica Karaita

decano.ujc@kjuonline.com ou texiankaraite@gmail.com

Estudantes da UJK não fazem sacrifícios matando carneiros.

[/box]

Karaitas devem consultar gratuitamente o Beit Din (Tribunal karaita) em Israel

[box type=”shadow”]

THE UNIVERSAL KARAITE JUDAISM

p.o.box 101, RAMLA 72100, TEL :08-9249104

karaite@bezeqint.net

Judeus karaitas não fazem sacrifícios na festa do Pessach(Pascoa)

[/box]

O lugar escolhido…

O Monte Gerizim! 

[box type=”shadow”]

Devarim(deut.)11:29-32

כט והיה כי יביאך יהוה אלהיך אל הארץ אשר אתה בא שמה לרשתה–ונתתה את הברכה על הר גרזים ואת הקללה על הר עיבל
ל הלא המה בעבר הירדן אחרי דרך מבוא השמש בארץ הכנעני הישב בערבה–מול הגלגל אצל אלוני מרה
לא כי אתם עברים את הירדן לבא לרשת את הארץ אשר יהוה אלהיכם נתן לכם וירשתם אתה וישבתם בה
לב ושמרתם לעשות את כל החקים ואת המשפטים אשר אנכי נתן לפניכם היום

29- E será que, quando o Shehmaa teu Elowweem te introduzir na terra, a que vais para possuí-la, então pronunciarás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal.

30- Porventura não estão eles além do Jordão, junto ao caminho do pôr do sol, na terra dos cananeus, que habitam na campina defronte de Gilgal, junto aos carvalhais de Moré?

31- Porque passareis o Jordão para entrardes a possuir a terra, que vos dá o Shehmaa teu Elowweem; e a possuireis, e nela habitareis.

32- Tende, pois, cuidado em cumprir todos os estatutos e os juízos, que eu hoje vos proponho

[/box]

O lugar escolhido.

[box type=”shadow”]

Devarim (Deut) 27

א ויצו משה וזקני ישראל את העם לאמר שמר את כל המצוה אשר אנכי מצוה אתכם היום
ב והיה ביום אשר תעברו את הירדן אל הארץ אשר יהוה אלהיך נתן לך–והקמת לך אבנים גדלות ושדת אתם בשיד
ג וכתבת עליהן את כל דברי התורה הזאת–בעברך למען אשר תבא אל הארץ אשר יהוה אלהיך נתן לך ארץ זבת חלב ודבש כאשר דבר יהוה אלהי אבתיך לך
ד והיה בעברכם את הירדן תקימו את האבנים האלה אשר אנכי מצוה אתכם היום בהר עיבל ושדת אותם בשיד
ה ובנית שם מזבח ליהוה אלהיך מזבח אבנים לא תניף עליהם ברזל
ו אבנים שלמות תבנה את מזבח יהוה אלהיך והעלית עליו עולת ליהוה אלהיך
ז וזבחת שלמים ואכלת שם ושמחת לפני יהוה אלהיך
ח וכתבת על האבנים את כל דברי התורה הזאת–באר היטב {ס}
ט וידבר משה והכהנים הלוים אל כל ישראל לאמר הסכת ושמע ישראל היום הזה נהיית לעם ליהוה אלהיך
י ושמעת בקול יהוה אלהיך ועשית את מצותו ואת חקיו אשר אנכי מצוך היום {ס}

1- E deram ordem, Mooshe e os anciãos, ao povo de Israel, dizendo: Guardai todos estes mandamentos que hoje vos ordeno;

2- Será, pois, que, no dia em que passares o Jordão à terra que te der o Shehmaa teu Elowweem, levantar-te-ás umas pedras grandes, e as caiarás.

3- E, havendo-o passado, escreverás nelas todas as palavras desta lei, para entrares na terra que te der o Shehmaa teu Elowweem, terra que mana leite e mel, como te falou o Shehmaa Elowweem de teus pais.

4- Será, pois, que, quando houveres passado o Jordão, levantareis estas pedras, que hoje vos ordeno, no monte Gerizim, e as caiarás.

5- E ali edificarás um altar ao Shehmaa teu Elowweem, um altar de pedras; não alçarás instrumento de ferro sobre elas.

6- De pedras brutas edificarás o altar do Shehmaa teu Elowweem; e sobre ele oferecerás holocaustos ao Shehmaa teu Elowweem.

7- Também sacrificarás ofertas pacíficas, e ali comerás perante o Senhor teu Deus, e te alegrarás.

8- E naquelas pedras escreverás todas as palavras desta lei, exprimindo-as nitidamente.

9 Falou mais Mooshe, juntamente com os sacerdotes levitas, a todo o Israel, dizendo: Guarda silêncio e ouve, ó Israel! Hoje vieste a ser povo do Shehmaa teu Elowweem.

10- Portanto obedecerás à voz do Shehmaa teu Elowweem, e cumprirás os seus mandamentos e os seus estatutos que hoje te ordeno.

[/box]

KARAITAS NÃO MATAM CARNEIROS!

EM NENHUM LUGAR DO MUNDO, ABSOLUTAMENTE NENHUM GRUPO JUDAICO KARAITA VERDADEIRO REALIZA ABATE DE CARNEIROS PARA A FESTA DO PESSACH(Pascoa).

Verdadeiros Judeus e Karaitas tem algo em comum… NÃO ABATEM CARNEIROS PARA O PESSACH!

O abate clandestino fere as leis brasileiras, portanto, DENUNCIE!

[box type=”shadow”]

FUNDAMENTOXERRO

O grande erro desses brasileiros é não terem quem realmente lhes ensine a Torá!

E por desconhecer a Torá fazem as coisas “segundo seus próprios olhos“.

Devarim(Deut) 12:5-8

ה כי אם אל המקום אשר יבחר יהוה אלהיכם מכל שבטיכם לשום את שמו שם–לשכנו תדרשו ובאת שמה
ו והבאתם שמה עלתיכם וזבחיכם ואת מעשרתיכם ואת תרומת ידכם ונדריכם ונדבתיכם ובכרת בקרכם וצאנכם
ז ואכלתם שם לפני יהוה אלהיכם ושמחתם בכל משלח ידכם אתם ובתיכם–אשר ברכך יהוה אלהיך
ח לא תעשון–ככל אשר אנחנו עשים פה היום איש כל הישר בעיניו

5- Mas o lugar que o Shehmaa vosso Elowweem escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis.

6- E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e os vossos votos, e as vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das vossas ovelhas.

7- E ali comereis perante o Shehmaa vosso Elowweem, e vos alegrareis em tudo em que puserdes a vossa mão, vós e as vossas casas, no que abençoar o Shehmaa vosso Elowweem.

8- Não fareis conforme a tudo o que hoje fazemos aqui, cada qual tudo o que bem parece aos seus olhos.

O verso 8 revela exatamente a realidade dos que “desconhecem a Torá” e que querem fazer “cada qual tudo o que bem parece aos seus olhos“.

Mas o verso 5 revela que não se pode fazer isso em qualquer local

5- Mas o lugar que o Shehmaa vosso Elowweem escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis.
[/box]

[box type=”shadow”]

Quem participa:

  • Faz o animal sofrer.
  • Põe em risco sua saúde. 
  • Desrespeita o animal.
  • Comete crime contra a saúde pública.
  • Transgride contra a Torá.

DENUNCIE

DISQUE 190.

[/box]

Curso de hebraico

Aprenda a “ler e escrever” o hebraico!

Exemplo da letra Beit, ensinada no curso de hebraico nível 1

 

Ensino de qualidade

  • Clique aqui e saiba como funciona um curso livre.

Você aprenderá:

  • Introdução a história do surgimento da lingua hebraica
  • Apresentação e reconhecimento visual de cada letra
  • O nome de cada letra
  • Sua pronuncia de cada letra
  • O valor numérico de cada letra
  • Ler e Escrever na sua forma escrita quadrática (letras quadradas) e sua forma cursiva (escrita manuscrita)

Este módulo é muito importante por ser o primeiro passo no aprendizado do idioma hebraico.

Turma presencial do curso de hebraico nível 1

==>>Confira aqui o caderno de exercícios de um de nossos estudantes<<==.

Um curso sem custo, mantido por doações!

Teólogos participando do curso de hebraico nível 1.

Faça sua doação em qualquer valor…

E receba o acesso a todas aulas do curso de hebraico nível 1.

Sua doação garante o acesso ao curso!





Quer mais ?

==>> Clique aqui e assista 4 aulas do curso de hebraico ! <<==

Desejamos a todos um bom curso.

Abraços e Shalom.

Isaias profetiza um deus “sátiro pagão”!

Seria Isaías, um falso profeta?
 
Não é a toa que Isaias não seja entre os guardiões da Torá como um dos profetas da Torá.
 
Alguém já se perguntou o real motivo pelo qual Isaías e seu livro ficam de fora de nossa atenção?
 
Simples… basta ler sua história…
Uma simples leitura demonstra que o livro de Isaías não pode ser caracterizado como um profeta de Israel!Vejamos o texto onde vemos profecias falsas contra a Babilônia, anunciando que ela nunca será habitada novamente.

 
Isaías 13:19,20
 
יט והיתה בבל צבי ממלכות תפארת גאון כשדים כמהפכת אלהים את סדם ואת עמרה
כ לא תשב לנצח ולא תשכן עד דור ודור ולא יהל שם ערבי ורעים לא ירבצו שם
 
19- E babilônia, o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus, será como Sodoma e Gomorra, quando Deus as transtornou.
 
20- Nunca mais será habitada, nem nela morará alguém de geração em geração; nem o árabe armará ali a sua tenda, nem tampouco os pastores ali farão deitar os seus rebanhos.
 
Como falso profeta, Isaias erradamente profetizou que “feras iriam viver nos palácios babilônicos e sátiros dançarão lá”, mas estranhamente isso nunca aconteceuisso nunca chegou a acontecer!
 
Isaías 13:21,22
 
כא ורבצו שם ציים ומלאו בתיהם אחים ושכנו שם בנות יענה ושעירים ירקדו שם
כב וענה איים באלמנותיו ותנים בהיכלי ענג וקרוב לבוא עתה וימיה לא ימשכו
 
21- Mas as feras do deserto repousarão ali, e as suas casas se encherão de horríveis animais; e ali habitarão os avestruzes, e os sátiros pularão ali.
 
22- E os animais selvagens das ilhas uivarão em suas casas vazias, como também os chacais nos seus palácios de prazer; pois bem perto já vem chegando o seu tempo, e os seus dias não se prolongarão.
 

Satiros ?

Vocês sabem o que é um Sátiro???

Satiro
Satiro, uma divindade grega.
 
O Satiro é uma divindade da mitologia grega!
 

Sim… é isso mesmo!

Na mitologia dos povos gregos, os sátiros, em grego, Σάτυροι, Sátyroi.

Os Satitos são divindades menores da natureza com o aspecto de homens com cauda e orelhas de asno ou cabrito, pequenos chifres na testa, narizes achatados, lábios grossos, barbas longas.
 
Normalmente eram-lhes consagrados o pinho e a oliveira e apesar de serem divinos, não eram imortais.
 
Viviam nos campos e bosques e tinham freqüentes relações sexuais com as ninfas (principalmente as Mênades, que a eles se juntavam no cortejo de Dionísio).
 
Portanto, pergunto… por que é que Isaias está profetizando que Sátiros iriam popular a Babilônia?
 
Ninguém irá me convencer que Isaias é um profeta do Eterno!
 
Não!!!
O Eterno iria falar que “satiros” pulariam no templo destruido da Babilônia?
 
Que ligação há entre o Elowwen de Israel e os Satiros da mitologia dos povos gregos?
 
NÃO HÁ NENHUMA LIGAÇÃO!

Vejamos mais uma falsa profecia, cujo cumprimento nunca ocorreu!
O rio do Egito (provavelmente o Nilo) secará. Isto nunca aconteceu. 
Isaías 19:5-7
ה ונשתו מים מהים ונהר יחרב ויבש
ו והאזניחו נהרות דללו וחרבו יארי מצור קנה וסוף קמלו
ז ערות על יאור על פי יאור וכל מזרע יאור ייבש נדף ואיננו
5- E secarão as águas do mar, e o rio se esgotará e ressequirá.
6- Também os rios exalarão mau cheiro e se esgotarão e secarão os canais do Egito; as canas e os juncos murcharão.

7- A relva junto ao rio, junto às ribanceiras dos rios, e tudo o que foi semeado junto ao rio, secará, será arrancado e não subsistirá.
Antes de qualquer julgamento, vou apresentar um link que apresenta o atual rio nilo!

Clique aqui para ver o Rio Nilo

Rio Nilo
Rio Nilo

É visivel que a profecia de Isaias não se cumpriu, pois vemos o rio Nilo, lindo, azul, navegavel, cheio de vida!
Vejamos mais uma falsa profecia de Isaias…

Isaías 19:5-7

יז והיתה אדמת יהודה למצרים לחגא כל אשר יזכיר אתה אליו יפחד–מפני עצת יהוה צבאות אשר הוא יועץ עליו  {ס}
17- E a terra de Judá será um espanto para o Egito; todo aquele a quem isso se anunciar se assombrará, por causa do propósito do Senhor dos Exércitos, que determinou contra eles.

Mas estranhamente, em toda a história de Israel, Judá nunca, em nenhum momento invadiu o Egito!
O atual Egito tem uma população de 97.974.138 pessoas!

O Egito é um país do nordeste da África, numa região predominantemente desértica, que inclui também a península do Sinai, na Ásia, o que o torna um Estado transcontinental.

Com uma área de cerca de 1.001.450 km², o Egito limita-se a oeste com a Líbia, a sul com o Sudão e a leste com a Faixa de Gaza e Israel.

O litoral norte é banhado pelo mar Mediterrâneo e o litoral oriental pelo mar Vermelho. A península do Sinai é banhada pelos golfos de Suez e de Acaba.

Portanto as “palavras de Isaias” mais uma vez não se cumprem!

Entre outras falsas profecias temos uma onde ele afirma que cinco cidades falariam a lingua de canaã, mas isso nunca aconteceu!

Isaías 19:18


יח ביום ההוא יהיו חמש ערים בארץ מצרים מדברות שפת כנען ונשבעות ליהוה צבאות  עיר ההרס יאמר לאחת  {ס}
18- Naquele tempo haverá cinco cidades na terra do Egito que falarão a língua de Canaã e farão juramento ao Senhor dos Exércitos; e uma se chamará: Cidade de destruição.

No verso 19 vemos uma profecia muito estranha, onde eles afirmam que haveria um templo no Egito!

Entretanto essa fato que seria de extrema importancia, nunca ocorreu!

Historicamente falando, a Torá nunca foi importante na cultura egipcia

 

Mas o judaísmo nunca foi uma religião importante no Egito.

Vejam esses outros textos

Isaías 19:18

 יח ביום ההוא יהיו חמש ערים בארץ מצרים מדברות שפת כנען ונשבעות ליהוה צבאות  עיר ההרס יאמר לאחת  {ס}
 יט ביום ההוא יהיה מזבח ליהוה בתוך ארץ מצרים ומצבה אצל גבולה ליהוה
 כ והיה לאות ולעד ליהוה צבאות בארץ מצרים  כי יצעקו אל יהוה מפני לחצים וישלח להם מושיע ורב והצילם
 כא ונודע יהוה למצרים וידעו מצרים את יהוה ביום ההוא ועבדו זבח ומנחה ונדרו נדר ליהוה ושלמו

 18- Naquele tempo haverá cinco cidades na terra do Egito que falarão a língua de Canaã e farão juramento ao Senhor dos Exércitos; e uma se chamará: Cidade de destruição.

19- Naquele tempo o Senhor terá um altar no meio da terra do Egito, e uma coluna se erigirá ao Senhor, junto da sua fronteira.

20- E servirá de sinal e de testemunho ao Senhor dos Exércitos na terra do Egito, porque ao Senhor clamarão por causa dos opressores, e ele lhes enviará um salvador e um protetor, que os livrará.

21- E o Senhor se dará a conhecer ao Egito, e os egípcios conhecerão ao Senhor naquele dia, e o adorarão com sacrifícios e ofertas, e farão votos ao Senhor, e os cumprirão.

Podemos ver claramente que esses versos profetizados por Isaias preveem uma aliança entre entre o Egito, Israel e Assíria.

Entretanto históricamente nunca aconteceu tal aliança de paz!

A impossibilidade do cumprimento das palavras de Isaias está entre outros fatores, no simples fato de que a Assíria não existe mais.

A civilização Assíria. O povos assírios estão entre os mais proeminentes daqueles que floresceram na Antiga Mesopotâmia, isto é, na região situada entre os rios Tigre e Eufrates, onde hoje se encontram Iraque e Síria.

Portanto nunca se cumprirá tal profecia de Isaias!

Isaías 19:23-24

 כג ביום ההוא תהיה מסלה ממצרים אשורה ובא אשור במצרים ומצרים באשור ועבדו מצרים את אשור  {ס}
כד ביום ההוא יהיה ישראל שלישיה למצרים ולאשור  ברכה בקרב הארץ
כה אשר ברכו יהוה צבאות לאמר  ברוך עמי מצרים ומעשה ידי אשור ונחלתי ישראל  {ס}

23- Naquele dia haverá estrada do Egito até à Assíria, e os assírios virão ao Egito, e os egípcios irão à Assíria; e os egípcios servirão com os assírios.

24- Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra.

25- Porque o Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança.

“O sacerdote e o profeta erram por causa da bebida forte.” Não se pode mais confiar num profeta bêbedo. [Is 28:7]

 

O que dizer do disparate das palavras preconceituosa de Isaias, um verdadeiro xenofóbico?

 

Isaías 52:1

 א עורי עורי לבשי עזך ציון  לבשי בגדי תפארתך ירושלם עיר הקדש–כי לא יוסיף יבא בך עוד ערל וטמא

1- Desperta, desperta, veste-te da tua fortaleza, ó Sião; veste-te das tuas roupas formosas, ó Jerusalém, cidade santa, porque nunca mais entrará em ti nem incircunciso nem imundo.

Essas foram as falsas profecias feitas por Isaias, um falso profeta, preconceituoso e xenofóbico.

Por essas e demais palavras que falsamente ele proferiu em nome do Criador é que não o consideramos como profeta de Israel, muito embora ele seja assim considerado por nossos irmãos da casa de judá.

Lição nº 41– O ciclo do Shabat e Festas – O Ano Novo Hebreu e a Páscoa

O Ano Novo Hebreu e a Páscoa

Na Torá, Êxodo, 12: 2 lemos: “Este mês é para você, o chefe dos meses, primeiro dos meses do ano.”
05
Êxodo, 12: 1:2 

א ויאמר יהוה אל משה ואל אהרן בארץ מצרים לאמר
ב החדש הזה לכם ראש חדשים  ראשון הוא לכם לחדשי השנה

1- E falou o Shehmaa a Mooshe e a Aharon na terra do Egito, dizendo:

2- Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.

A versão tradicional judaica da Torá diz que “Cabeça dos meses”, sem “O” mas a continuação do verso, “Primeiro dos Meses do Ano” não deixa dúvidas de que este é o Ano Novo Hebraico original, como é claro de Levítico capítulo 23 que a Páscoa é a primeira festa depois do sábado.

Vaikra Leviticos 23:4-5

ד אלה מועדי יהוה מקראי קדש אשר תקראו אתם במועדם
ה בחדש הראשון בארבעה עשר לחדש–בין הערבים  פסח ליהוה

4- Estas são as solenidades do Shehmaa, as santas convocações, que convocareis ao seu tempo determinado:

5- No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do Shehmaa.

Por isso, o mês da primavera é o primeiro mês do ano.

Um mandamento especial requer manter o Mês da primavera – Devarim (Deuteronômio) 16: 1 no momento certo.

Devarim(Deuteronomio) 16:1

א שמור את חדש האביב ועשית פסח ליהוה אלהיך  כי בחדש האביב הוציאך יהוה אלהיך ממצרים–לילה

1- Guarda o mês de Abibe, e celebra a páscoa ao Shehmaa teu Eloowwen; porque no mês de Abibe o Shehmaa teu Eloowwen te tirou do Egito, de noite.

A primavera é o primeiro talo verde de trigo ou cevada. Seu crescimento antes do crescimento dos frutos é o sinal do começo da estação da primavera.

O mandamento é manter o mês da primavera em sua data de vencimento, porque todas as festas do ano são festivais agrícolas.

Portanto, salvar o mês da primavera corresponde ao início do crescimento das plantas da primavera.

Nossos sábios planejaram o ano civil de acordo com as estações do ano.

Os primeiros quatorze dias do mês são os dias do mês da primavera, na terra de Israel.

Portanto, o ano é entrelaçado uma vez a cada três anos, em média, adicionando um mês inteiro ao calendário para coincidir com o ano solar até o ano lunar, para que a nova primavera seja sempre na primavera.

Na véspera do primeiro dia do mês da Primavera, os samaritanos israelitas se reúnem nas sinagogas do Monte Gerizim e Holon para uma oração especial com um hino central em louvor do Mês da Primavera, como uma introdução à festa da Páscoa e da Páscoa. celebração do sacrifício.

No final da oração, os adoradores recitam as bênçãos um do outro na bênção do Ano Novo: “Todo ano você é bem-estar”.

As crianças vêm à sinagoga com velas decoradas com flores.

Após o serviço, uma refeição festiva é realizada em cada casa.

Este é um sinal da abertura do evento principal do ano.

Todos os dias dos primeiros quatorze dias do primeiro mês do ano, rezamos na sinagoga à noite e de manhã.

A alegria está crescendo nas casas dos israelitas samaritanos, em direção ao clímax dos eventos – o sacrifício da Páscoa.

A questão é por que os judeus marcam o Ano Novo no início do sétimo mês do ano hebraico, e não como a lógica dita – no primeiro mês do ano?

A origem da mudança é o começo do primeiro milênio EC, quando a polêmica entre os judeus israelitas e os samaritanos israelitas atingiu seu ápice às vezes com derramamento de sangue.

Naquela época, o judaísmo criou uma tendência a fazer regulamentações para diferenciar os judeus dos samaritanos israelitas.

Desde então, o judaísmo marcou o primeiro dia do ano hebraico, ao contrário de toda a lógica, no início do sétimo mês, Tishrey em seu calendário.

Cerca de dois meses antes da Páscoa, guardamos a farinha especial para assar o pão sem fermento. No décimo dia do primeiro mês, os samaritanos israelitas partem para os rebanhos de ovelhas e cabras nas proximidades do monte Gerizim e escolhem uma ovelha ou bode para sacrifício no primeiro décimo quarto dia do primeiro mês.

Eles examinam as ovelhas ou cabras, que são machos com até um ano de idade, sem ferida, pesando em média 35 kg.

As crianças e os meninos são encarregados de vigiar as ovelhas e os bodes, alimentando-os e regando-os, e principalmente evitando que sejam feridos.

No pátio do sacrifício no Monte Gerizim, a Páscoa deveria ser sacrificada apenas no Lugar Escolhido de Shemaa e em nenhum outro lugar.

Os preparativos começam para o sacrifício da Páscoa no décimo quarto dia do primeiro mês do ano.

Empilhando os troncos das oliveiras, porque a queima da oliveira é mais lenta que outras árvores e produz muito calor.

Os adoradores também trazem arbustos secos especiais. Eles são acesos pela primeira vez para que o fogo se agarre aos troncos e o calor suba em cada um dos fornos do sacrifício.

Cerca de cinco a seis horas antes do sacrifício, a ação já é evidente na área do altar, os fogos são acesos nas covas redondas e profundas, com cerca de três metros de profundidade, cujas paredes são pedras completas dispostas uma ao lado da outra.

Do lado dos fornos, os arbustos e os troncos são aquecidos até as nove da noite.

Cerca de meia hora antes do pôr do sol, todos os samaritanos israelitas estão em pé ao redor do altar, cavados no chão, na forma de um longo canal feito de pedras inteiras.

No seu final há um poço circular no qual é colocada uma rede de ferro, debaixo de um forte fogo queimando, queimando todas as partes proibidas das ovelhas e o restante da refeição no final do evento depois da meia-noite.

Quando a oração do sacrifício começa, um número de mulheres e homens passa entre os adoradores com pratos trançados, cheios de pedaços de pão sem fermento e ervas amargas distribuídas a cada adorador. Cada família compra um ou dois cordeiros de acordo com o tamanho da família.

As ovelhas e cabras são levadas ao altar da oração de abertura do sacrifício, os sacrificadores aguardam o Sumo Sacerdote que anuncia a abertura do sacrifício lendo o primeiro parágrafo do capítulo 12. no livro de Êxodo:

“E você deve salvar o sacrifício até o décimo quarto dia deste mês: e toda a congregação de Israel deve matá-lo entre os pores do sol”.

Shemlot (Êxodo) 12:1-2

א ויאמר יהוה אל משה ואל אהרן בארץ מצרים לאמר
ב החדש הזה לכם ראש חדשים  ראשון הוא לכם לחדשי השנה

1- E falou o SShehmaar a Mooshe e a Aharon na terra do Egito, dizendo:
2- Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.

Quando o Sumo Sacerdote diz a palavra “abatido”, eles rapidamente matam as ovelhas, checam se a matança foi bem feita, e então removem as peles das ovelhas, removem as partes proibidas e as entregam às crianças que se apressam a colocá-las no queimando altar.Eles limpar as ovelhas do lado de fora e dentro com água.

Cada cordeiro foi colocado em uma vara de madeira com cerca de 3 metros de comprimento.

Todos os bastões são colocados perto das covas por duas horas até que o sangue das ovelhas seja absorvido pelo sal.

Cada cordeiro é coberto com uma malha fina de metal para manter as partes internas, fígado, pulmões e coração dentro do corpo de ovelha.

A perna dianteira direita de cada ovelha é amarrada a cada cordeiro.

Todo o processo é acompanhado por um grande canto dos capítulos 12 a 15 – a história do Êxodo do Egito.

Os gritos de “Declaramos e dizemos que não há outro El apenas um” são cantados continuamente até que as ovelhas sejam mordidas nos galhos.

Devarim (Deuteronomio) 4:35

לה אתה הראת לדעת כי יהוה הוא האלהים  אין עוד מלבדו
 
35- A ti te foi mostrado para que soubesses que o Shehmaa é Elowwen; nenhum outro há senão ele.

Às nove horas da noite, os matadouros se reúnem perto dos poços bem aquecidos.

Colocando cerca de dez ovelhas em cada cova.

As pontas dos paus estão fora da superfície dos poços. os adoradores colocam uma pesada malha de ferro em cada cova, segurando as extremidades dos bastões para colocá-los no forno.

Coloque rapidamente um tecido molhado de Yuta nas extremidades dos gravetos. Na tela coloca rapidamente uma mistura de água, sujeira e arbustos.

O calor enorme dos poços faz com que a mistura seja uma peça que bloqueia a boca do poço, sufoca o fogo e as ovelhas estão assando do calor das pedras do poço e queimando brasas dos troncos no fundo de cada poço.

Os adoradores continuam sentados no canteiro cantando canções até que as ovelhas sejam retiradas do interior das covas à meia-noite. Eles removem qualquer cordeiro assado do bastão em uma grande tigela de madeira com alças para levar o cordeiro assado até as casas onde eles comerão o sacrifício.

Eles cantam uma canção especial sobre o Êxodo com grande entusiasmo.

O Sumo Sacerdote abençoa os sacrifícios.

A maioria leva da carne para comer em suas casas.

Poucas pessoas permanecem para comer no pátio dos altares.

O sacrifício da Páscoa é a execução perfeita do primeiro sacrifício feito pelos israelitas quando eles deixaram o Egito.

Eles comem o sacrifício apressadamente, porque os israelitas apressadamente sairam do Egito.

Eles têm o cuidado de não quebrar ossos da ovelha ou do bode enquanto comem o sacrifício.

Tudo o que resta de comer o sacrifício é trazido para o altar para queimá-lo até o início da manhã após o evento por volta das 2 da manhã.

A festa da Páscoa está então completa.

Se o sacrifício acontecer na sexta-feira, a oração e o sacrifício começam ao meio-dia e todo o processo é concluído até o pôr do sol, antes do início do sábado.

A carne restante é mantida no fundo da sinagoga até a noite de sábado e depois queimada no altar onde o fogo é aceso quando o sábado termina. Milhares de visitantes vêm de todo o mundo para assistir ao sacrifício.

Muitos deles seguem o processo do sacrifício com grande entusiasmo. Para muitos deles, é claro que este é o sacrifício original da Páscoa, que reconstrói o Êxodo do Egito.

Dezenas de jornalistas e fotógrafos fotografam o processo de sacrifício sob todos os ângulos.

Logo suas impressões digitadas e fotografias chegam às páginas dos jornais em todo o mundo e nas páginas da web.Benyamim TsedakaFoto:

Ori Orhof – 2011

Lição nº 40 – O ciclo do Shabat e Festas – O SHABAT

O SHABAT

Shemáa nomeou Mooshe que a primeira festa é o Shabat, então a festa deve ser guardada como o Shabat, para a guardar como um dia santo.

Shemot (Exodo) 20:7-11

ז זכור את יום השבת לקדשו
ח ששת ימים תעבד ועשית כל מלאכתך
ט ויום השביעי–שבת ליהוה אלהיך  לא תעשה כל מלאכה אתה ובנך ובתך עבדך ואמתך ובהמתך וגרך אשר בשעריך
י כי ששת ימים עשה יהוה את השמים ואת הארץ את הים ואת כל אשר בם וינח ביום השביעי על כן ברך יהוה את יום השבת–ויקדשהו  {ס}
יא כבד את אביך ואת אמך–למען יארכון ימיך על האדמה אשר יהוה אלהיך נתן לך  {ס}

7- Não tomarás o nome do Shehmaa teu Eloowwen em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.

8- Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.

9- Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.

10- Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.

11- Porque em seis dias fez o Shehmaa os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Shehmaa o dia do Shabat, e o santificou.

Depois vem as sete festas da Torá Vaykrá(Levítico) 23.

Por isso, todas as Festas devem ser guardadas (mantidas) da mesma forma que os israelitas-samaritanos observam o Shabat.

No entanto, os sumos sacerdotes permitiam um procedimento ligeiramente diferente em uma festa, se não se aplicasse no Shabat.

O sábio glorioso Amram Dareh do terceiro século EC, um dos maiores sábios, escreveu sobre o Shabat em aramaico:

– “Do Shabat , não há uma festa como esta, que possua a santidade do seu mérito”. (Amram Dareh  – Século 3 da EC)

Por exemplo:

Se a peregrinação ao Monte Gerizim não se aplica no Shabat, é possível com toda a nossa vontade aproveitar todos os meios de transporte para realizar a peregrinação.

Alcançar o transporte só para a peregrinação e retornar imediatamente após a peregrinação às casas, a fim de manter a festa como observamos no Shabat

Os samaritanos israelitas são muito cuidadosos com a observância do Shabat.

O mandamento “Sente-se cada um e ninguém se afasta de seu lugar no Shabat”, interpretado por nossos antepassados, que a intenção deste mandamento é a área dos vivos onde vivem os israelitas samaritanos.

Nos primeiros dias, eles deixavam uma lâmpada de óleo queimando até que fosse extinta.

Desde a invenção da eletricidade, no entanto, a luz foi deixada no pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol do Shabat, porque é impossível passar o Shabat sem luz, também para não passar o mandamento de não dar obstáculo diante de um cego.

05Devarim (Deuteronomio) 27:18

יח ארור משגה עור בדרך ואמר כל העם אמן  {ס}

18- Maldito aquele que fizer que o cego erre de caminho. E todo o povo dirá: Amém. 

Caso contrário, no escuro, um caso de emergência poderia se transformar em desastre.

Sob a luz, lemos a porção do Shabat e comemos as refeições do sábado.

Os encontros sexuais no Shabat e nos feriados são proibidos de modo a não serem impuros e a permanecer puros durante todo o Shabat e a festa.

Com exceção da luz, todos os aparelhos elétricos são desligados no Shabat e nos feriados, então a mídia eletrônica é desligada.

Na véspera do Shabat nós comemos comida quente e durante o Shabat nós comemos uma rica seleção de saladas da cozinha israelita samaritana, uma tradição de cerca de 4000 anos.

Nós não dirigimos nenhum tipo de transporte no Shabat, não fumamos cigarros ou narguile.

O Shabat é um dia de descanso total.

Apenas em caso de emergência deve-se fazer tudo o que for necessário para salvar vidas.

No Shabat sete orações são recitadas,:

  • Seis orações são feitas na sinagoga
  • A sétima é a leitura da porção da Torá do sábado, que é realizada em pequenos grupos nas casas, a fim de permitir que cada pessoa leia sua parte na rodada de sentado no chão.

É assim que nós, os Israelitas Samaritanos, nos tornamos o povo do livro.

  • Na sexta-feira à noite, duas orações estão conectadas.
  • No sábado pela manhã duas orações, uma na sigoga e a segunda nas casas;
  • Ao meio-dia, há duas orações.
  • No sábado à noite, uma oração pela separação do Shabat.

No sábado e nos feriados, roupas especiais são usadas:

  • As homens usam vestes e roupas brancas.
  • As mulheres usam suas melhores roupas.

É assim que o caráter especial do sábado é preservado.

As orações são dedicadas à observância do Shabat .

Aqueles que se comportam como estrangeiros ao não guardar o Shabat são advertidos várias vezes porque a Torá exige a morte de quem transgride o Shabat.

Hoje, o Tribunal do Estado não permite isso.

Por isso, é levado o castigo de exclusão da comunidade.

Esses casos são muito poucos e não acrescentam tranquilidade à comunidade.

Resumindo, os samaritanos israelitas se afastados de seus trabalhos por 24 horas e se dedicam à guarda do Shabat.

Ao visitar lugares fora dos limites da comunidade, geralmente ficam em um hotel ou quarto dentro da casa de seus anfitriões, da noite de sexta até ao término do Shabat , na noite do sábado.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Lição nº 39 – O ciclo de vida – A Morte

A morte

Quando um samaritano israelita morre

Os samaritanos israelitas na Terra Santa têm dois cemitérios, o principal perto do bairro de Kiryat Luza, o monte Gerizim, e o segundo, em Kiryat Shaul, Tel Aviv, perto do cemitério militar.

O primeiro cemitério foi inaugurado em 1964 quando eles pararam de enterrar no cemitério em Nablus e o segundo foi inaugurado oficialmente em 1954, durante o período de desconexão política entre as duas partes da comunidade em 1948-1967.

Apenas alguns foram enterrados no segundo cemitério.

A maioria dos mortos na comunidade está enterrada no Monte Gerizim.

Os cemitérios são organizados e atendidos pelos comitês comunitários no Monte Gerizim e Holon.

Quando um samaritano israelita morre, mesmo antes de ser enterrado, seja homem ou mulher, primeiro será lida toda a Torá ao lado do corpo dos mortos, imediatamente depois que ele falecer.

É lido Gênesis 1: 1 até o final do capítulo 31 no livro de Devarim (Deuteronomio).

Então, alguns parentes lavam o cadáver e o envolvem em uma mortalha de tecido de algodão e o colocam em um caixão de madeira.

Na conclusão da leitura da Torá, eles declaram lamentos, e então os jovens carregam o caixão dos mortos sobre seus ombros.

Então eles lêem o Poema de Mooshe  em Devarim (Deuteronômio) 32:1-38, e durante a cobertura do sepulcro com cimento, eles terminam de ler a Torá até o fim Devarim (Deuteronômio) 34:12.

Depois de uma breve oração, o Sacerdote mais velho faz uma oração em memória dos mortos.

Se não houver nenhum sacerdote entre os enlutados, o homem mais velho  se encarrega fazer uma reza, uma oração com texto pre-escritoem que se menciona o nome do falecido, o nome do pai e o nome da sua casa, com os melhores votos de que seu espírito habite no céu (paraiso) para sempre.

O Sumo Sacerdote não entra no cemitério.

Ele espera do lado de fora na sala de recepção até o final da cerimônia e, em seguida, com todos os membros da comunidade conforta os presentes.

O caixão é colocado dentro da sepultura que foi cavada naquele dia, e os mortos estão deitados de costas com o rosto voltado para a direção do monte Gerizim.

Depois de colocar o caixão no túmulo, colocando uma cobertura de lajes de concreto sobre a estrutura da tumba e, em seguida, o solo sobre as placas de concreto.

Depois de sete dias, até antes de chegar a trinta dias, uma lápide simples é colocada com o nome do falecido.

É praticado o Luto pelos mortos durante sete dias, onde todas as noites e todas as manhãs as pessoas se reúnem na casa dos falecidos e rezam em sua memória.

Lamentadores escrevem lamentações em memória dos mortos e cantam nessas reuniões.

Algumas pessoas vão à sepultura no aniversário da morte da pessoa, mas geralmente rezam no cemitério pelos mortos na véspera do Pessach e na véspera do Dia da Expiação (Yom haKippur) e também mais três vezes no ano após a peregrinação ao Monte Gerizim.

Qualquer um que tocar os mortos enquanto lava seu corpo e levar o caixão para o túmulo deve ser imerso em água para se purificar.

Eles são impuros até a noite.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Lição nº 38 – O ciclo de vida – Divórcio

O Divórcio05

O número de divórcios entre a comunidade israelita-samaritana é muito pequeno, no século 20 e no século 21, o número de divórcios é menor que o número dos dedos em ambas as mãos.

Um quadro semelhante foi visto nos séculos 18 e 19, quando a causa do divórcio era a incapacidade da mulher conceber, e então o homem divorciado se casaria com outra mulher de dentro da comunidade para lhe dar um sucessor.

Comparado com o tamanho da comunidade com 200 almas no século 18 e 810 almas no presente, o número de divórcios entre a comunidade israelita dos samaritanos não é pequeno.

A Torá estabelece vários motivos para o divórcio:

  1. A desonra de um dos cônjuges contra o seu cônjuge,
  2. O adultério de um dos cônjuges.

Desde que os samaritanos israelitas começaram a se casar com mulheres de fora da comunidade, uma terceira razão foi acrescentada:

3. O desajuste da mulher ao estilo de vida tradicional de seu marido.

Neste caso, a mulher de fora da comunidade não está disposta a aceitar o veredicto do Sumo Sacerdote, então o casal recorre à decisão do Tribunal de Paz do Governo.

Mas a maioria dos divórcios foi realizada pelo Sumo Sacerdote nos últimos séculos.

Às vezes ele decide em favor do marido divorciado e às vezes em favor do divorciado, geralmente pagando uma multa.

Às vezes, o alto valor da multa faz com que o casal se una e tente viver juntos novamente.

No final, o divórcio é uma questão que o israelita samaritano e a comunidade tentam evitar porque o divórcio tem um impacto sério no relacionamento intercomunitário, mesmo que o divórcio não viole os mandamentos da Torá.

Quando não há escolha, o processo de divórcio é realizado.

O casal que está prestes a se divorciar vem para o Sumo Sacerdote.

Eles apresentam suas acusações um contra o outro.

O Sumo Sacerdote exige que ambos voltem depois de um ano.

Eles devem tentar se reconciliar.

Às vezes, a proposta do Sumo Sacerdote os leva ao cancelamento da exigência de divórcio, mas geralmente não há reconciliação porque o assunto vem do controle do casal e passa para o controle de seus parentes, cuja intervenção impede a possibilidade de reconciliação.

O casal então retorna ao Sumo Sacerdote e o informa de sua forte vontade de se divorciar, porque todas as tentativas de reconciliação entre eles não produziram um resultado positivo.

O Sumo Sacerdote escreve o Escritura de Divórcio em um formato fixo, incluindo os nomes do homem divorciado e da divorciada.

A parte culpada no divórcio é determinada pelo Sumo Sacerdote.

O Sumo Sacerdote assina a Escritura de Divórcio que será entregue ao marido que a entrega à mulher.

O divórcio está então formalizado… para o desalento de muitos na comunidade israelita samaritana.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Inventaram a linhagem matrilinear

Foi dentro do judaísmo rabinico que se inventou a idéia da linhagem matrilinear judaica!

É comum a afirmação dentro dos bastidores judaicos de que Judeu é todo “filho de mãe judia ou mesmo todo aquele for que convertido ao judaísmo”.

Estabelecem isso como se fosse uma “FORMULA MAGICA” para determinar o atual Israel!

Mas o Eterno nunca afirmou isso em usa bendita Torá!

Sim…a Torá não confirma essa ideia de “linhagem matrilinear“!

Até mesmo o Talmud, no texto da Mishnah, dentro do tratado Kidushin 3:12, afirma que o filho de mãe gentia é como ela, ou seja, não judeu.

O Talmud (Kidushin 68b) chega a questionar como saber se esta lei se aplica a qualquer não-judeu, já que o versículo da Torá se refere a povos canaanitas, e ele mesmo responde, com base no próprio verso: “ele desviará teu filho de Mim (Deus)”, implicando que todos os que o fizerem estão incluídos.

Mesmo o a Torá e o talmud sendo contrários a ideia da matrilinealidade, a ortodoxia, contornou sua própria literatura talmudica e inventou um mandamento onde o judeu é tão somente o nascido de um ventre judeu!

Mas, reparem… essa idéia (ou invenção) rabinica é muito recente!

Foi em 1319, quando aldeias de judeus foram atacadas, ocorrendo ali muitos estupros, portanto trata-se de uma Halakhah (lei, mandamento) medieval!

Então os rabinos tiveram uma idéia… eles inventaram uma nova lei, um novo mandamento!

Sim…. exatamente isso… Esse foi um dos maiores erros cometidos contra a Torá!

Eles criaram uma Halakhah que não iria prejudicar a vida judaica dos BASTARDOS oriundos dos estupros ocorridos!

O judeu e historiador, Flávio Josefo afirmaou que o filho de casamentos mistos, ou seja, de casamentos de judeus e gentias estariam gerando algo como “meio-judeu”!

Filon de Alexandria segue mais a Torá ao afirmar que o filho do judeu com não-judeu é um “nothos” (bastardo), independente do ser o gentio o pai ou a mãe.

Foi por conta disso que os rabinos inventaram um mandamento!

Dessa forma eles não seriam excluidos, não seriam execrados pela comunidade, mas seriam agora tratados como um israelita, com todos os seus direitos.

Mas esse mandamento inventado por rabinos vai diretamente contra a Torá:

Devarim (Deut) 23:2

ב לא יבא פצוע דכא וכרות שפכה בקהל יהוה {ס}

2 – Nenhum bastardo entrará na congregação do Shehmaa; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do Shehmaa.

Foi pensando assim, que rabinos inventaram um mandamento, que embora se demonstre a clemencia humana, também demonstra como podem ser duramente desobedientes e obstinados ao desafiar o mandamento do Eterno escrito na Torá!

Pois de acordo com a Torá, o filho de estupro seria certamente expulso do convívio social dentro da Congregação de Israel.

Eles tentaram com isso preservar as pessoas e estabilizar uma situação terrível de estrupo.

Usam como desculpa para isso um texto da Torá… Deuteronômio 7:3,4 onde o Eterno ordena que, em Canaã, os homens não deverão se casar com mulheres gentias, de outros povos, para que seus filhos não se desviem, saindo do judaísmo; que o filho de moça israelita com gentio é judeu; já filho de judeu com gentia, não o é; o texto diz que será filho “dela”, isto é, não judeu.

Mas uma leitura mais apropriada do texto demonstra que a proibição de se unir a outros povos não era com relação a toda mulher estrangeira, mas sim com 10 povos especificamente.

Os 10 povos proibidos pelo próprio Eterno de se unir ao povo de Israel!

Esses povos hoje não mais existem, pois todos esses povos foram extintos ao longo da história…

Eis a lista:

  1. Cananeus
  2. Emoreus
  3. Hiteus
  4. Jebuseus
  5. Iveus
  6. Periseus
  7. Gigarseus
  8. Amonitas
  9. Moabitas
  10. Amalequitas

Vamos agora verificar isso tudo dentro da Torá!

A Torá prova isso, as 7 nações proibidas de se unir a Israel estão em Devarim 7

  • Heteus
  • Girgaseus
  • Amorreus
  • Cananeus
  • Perizeus
  • Heveus
  • Jebuseus

Os 7 povos proibido pelo Criador na Torá:

Devarim(Deut) 7:1-5

א כי יביאך יהוה אלהיך אל הארץ אשר אתה בא שמה לרשתה ונשל גוים רבים מפניך החתי והגרגשי והאמרי והכנעני והפרזי והחוי והיבוסי–שבעה גוים רבים ועצומים ממך
ב ונתנם יהוה אלהיך לפניך–והכיתם  החרם תחרים אתם לא תכרת להם ברית ולא תחנם
ג ולא תתחתן בם  בתך לא תתן לבנו ובתו לא תקח לבנך
ד כי יסיר את בנך מאחרי ועבדו אלהים אחרים וחרה אף יהוה בכם והשמידך מהר
ה כי אם כה תעשו להם–מזבחתיהם תתצו ומצבתם תשברו ואשירהם תגדעון ופסיליהם תשרפון באש
ו כי עם קדוש אתה ליהוה אלהיך  בך בחר יהוה אלהיך להיות לו לעם סגלה מכל העמים אשר על פני האדמה
ז לא מרבכם מכל העמים חשק יהוה בכם–ויבחר בכם  כי אתם המעט מכל העמים

1- Quando o Shehmaa teu Elowween te houver introduzido na terra, à qual vais para a possuir, e tiver lançado fora muitas nações de diante de ti, os heteus, e os girgaseus, e os amorreus, e os cananeus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus, sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu;

2- E o Shehmaa teu Elowween as tiver dado diante de ti, para as ferir, totalmente as destruirás; não farás com elas aliança, nem terás piedade delas;

3- Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos;

4- Pois fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do Shehmaa se acenderia contra vós, e depressa vos consumiria.

5- Porém assim lhes fareis: Derrubareis os seus altares, quebrareis as suas estátuas; e cortareis os seus bosques, e queimareis a fogo as suas imagens de escultura.

Não há para com esses povos (Já extintos) nenhum ato de misericórdia ou complacencia!

O 8º e 9º povo proibido pelo Criador na Torá:

Devarim(Deut) 23:3 

ג לא יבא ממזר בקהל יהוה  גם דור עשירי לא יבא לו בקהל יהוה  {ס}

3- Nenhum amonita nem moabita entrará na congregação do Shehmaa ; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do Shehmaa eternamente.

 

O 10º povo proibido pelo Criador na Torá:

Devarim(Deut) 20:16-18

טז רק מערי העמים האלה אשר יהוה אלהיך נתן לך נחלה–לא תחיה כל נשמה
יז כי החרם תחרימם החתי והאמרי הכנעני והפרזי החוי והיבוסי–כאשר צוך יהוה אלהיך
יח למען אשר לא ילמדו אתכם לעשות ככל תועבתם אשר עשו לאלהיהם וחטאתם ליהוה אלהיכם  {ס}
 
16- Porém, das cidades destas nações, que o Shehmaa teu Elowween te dá em herança, nenhuma coisa que tem fôlego deixarás com vida.

17- Antes destruí-las-ás totalmente: aos heteus, e aos amorreus, e aos cananeus, e aos perizeus, e aos heveus, e aos jebuseus, como te ordenou o Shehmaa teu Elowween.

18- Para que não vos ensinem a fazer conforme a todas as suas abominações, que fizeram a seus deuses, e pequeis contra o Shehmaa vosso Elowween.

Quanto aos Amalequitas temos a seguinte ordem descrita na Torá!

Devarim(Deut) 25:17-19

יז זכור את אשר עשה לך עמלק בדרך בצאתכם ממצרים
יח אשר קרך בדרך ויזנב בך כל הנחשלים אחריך–ואתה עיף ויגע ולא ירא אלהים
יט והיה בהניח יהוה אלהיך לך מכל איביך מסביב בארץ אשר יהוה אלהיך נתן לך נחלה לרשתה–תמחה את זכר עמלק מתחת השמים לא תשכח  {פ}

17-  Lembra-te do que te fez Amaleque no caminho, quando saías do Egito;

18- Como te saiu ao encontro no caminho, e feriu na tua retaguarda todos os fracos que iam atrás de ti, estando tu cansado e afadigado; e não temeu a Shehmaa .

19-8- Será, pois, que, quando o Shehmaa teu Elowween te tiver dado repouso de todos os teus inimigos em redor, na terra que o Shehmaa teu Elowween te dá por herança, para possuí-la, então apagarás a memória de Amaleque de debaixo do céu; não te esqueças.

De acordo com a Torá, a linhagem de Israel é sempre patrilinear!

Podemos ver através da Torá que a linhagem sempre foi patrilinear!

Veja a prova disso!

Bamidbar (Números) 1:44-46

מד אלה הפקדים אשר פקד משה ואהרן ונשיאי ישראל–שנים עשר איש איש אחד לבית אבתיו היו
מה ויהיו כל פקודי בני ישראל לבית אבתם מבן עשרים שנה ומעלה כל יצא צבא בישראל
מו ויהיו כל הפקדים–שש מאות אלף ושלשת אלפים וחמש מאות וחמשים

44- Estes foram os contados, que contaram Moisés e Arão, e os príncipes de Israel, doze homens, cada um era pela casa de seus pais.

45- Assim foram todos os contados dos filhos de Israel, segundo a casa de seus pais, de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra em Israel;

46- Todos os contados eram seiscentos e três mil e quinhentos e cinqüenta.

A prática patrilinear já era comum na região do Oriente Médio, mesmo antes da Tora ser entregue!

Veja:

Bereshit (Gên) 34:8-10

ח וידבר חמור אתם לאמר שכם בני חשקה נפשו בבתכם–תנו נא אתה לו לאשה
ט והתחתנו אתנו בנתיכם תתנו לנו ואת בנתינו תקחו לכם
י ואתנו תשבו והארץ תהיה לפניכם–שבו וסחרוה והאחזו בה

8 – Então falou Hamor com eles, dizendo: A alma de Siquém, meu filho, está enamorada da vossa filha; dai-lha, peço-vos, por mulher;

9- E aparentai-vos conosco, dai-nos as vossas filhas, e tomai as nossas filhas para vós;

10- E habitareis conosco; e a terra estará diante de vós; habitai e negociai nela, e tomai possessão nela.

Fica muito claro a Patrilinealidade na Torá!

Mas e a Matrilinealidade ?

Onde está na Torá ?

Isso simplesmente não existe na Torá!

Trata-se apenas de mais um mandamento rabinico seguido hoje dentro do judaismo, mas sem fundamento dentro da Torá.

Lição nº 37 – O ciclo de vida – Consentimento, noivado, casamento

Consentimento, noivado, casamento

Na segunda metade do século XIX, os samaritanos israelitas estavam em uma crise de existência.

Entre as aproximadamente 190 pessoas que permaneceram de um milhão e meio no quinto século EC, a proporção de homens solteiros para mulheres solteiras era de três homens para uma mulher.

Os sumos sacerdotes do período fizeram todos os esforços para encorajar o estabelecimento de uma família.

Nenhuma viúva ficou sozinha por muito tempo porque eles imediatamente casaram elas com um solteiro solteiro para conseguir que sua semente continuasse sua família.

Havia um número de mulheres bem conhecidas que eram casadas com três ou quatro maridos, um por um, um após a morte do outro.

A luta pela existência foi forte.

A situação nesta matéria só mudou na segunda metade do século XX e na primeira metade do século XXI.

A comunidade duplicou-se mais de cinco vezes desde 1919, quando contava 141 pessoas até hoje, quando a brecha entre a comunidade aumentou para 810 [abril de 2018].

Os homens solteiros permitidos pelos Sumos Sacerdotes se casaram fora da comunidade e o número de nascimentos de meninos e meninas começou a se equilibrar com uma ligeira vantagem para as meninas recentemente.

Nos últimos cinquenta anos, é claro que existem dois tipos de casamento na comunidade:

  1. Casamentos intercomunitários;
  2. Casamento com moças de fora da comunidade.

No primeiro padrão matrimonial, o casamento intercomunitário, há três estágios de apego:

  1. Consentimento.
  2. Noivado.
  3. Casamento.
  1. Consentimento: Os pais do filho vêm para os pais da filha com uma delegação distinta de seus parentes chefiada por um número de patriarcas. Os pais do filho solicitam o consentimento dos pais da filha para casar com a filha. Eles chamam a garota e pedem seu consentimento na presença do padre sênior. Se ela responder afirmativamente, o padre sênior os santifica com passagens bem conhecidas da Torá. Se ela disser não, toda a conexão é cancelada.
  2. Noivado: A cerimônia é conduzida pelo padre sênior, o pai da menina, ou por seu superior de livre e espontânea vontade, se ela não tiver um pai, o próprio companheiro. O padre sênior envia duas testemunhas para a menina que pergunta se ela quer o companheiro. Se ela responde afirmativamente, os três chefes da cerimônia estão unidos em suas mãos certas em um ato de aliança. O padre sênior lê para o companheiro, sentença por sentença os termos do casamento e o parágrafo de Gênesis, 2: 21-24, sobre Adão e Eva, até que Shehmaa criou Eva da costela de Adão. Então a moça noiva se junta a seu futuro marido. O noivado é válido e só pode ser cancelado por divórcio.
  3. Casamento: Após os participantes homenagearem o casal cantando um longo poema sobre a importância do casamento e elogiando a Noiva e o noivo, o Sacerdote Sênior canta a Escritura de Casamento que contém três condições que se aplicam ao marido e uma condição que se aplica a a esposa. O marido deve fornecer a mulher sua comida, vestimentas e ajudar com as crianças. A mulher deve obedecer ao marido e ouvi-lo. É raro que as esposas cumpram essa condição.

A parte tradicional da cerimônia de casamento terminou.

2. Casamento com moças de fora da comunidade

O rapaz sai à procura de uma moça / mulher fora da comunidade, seja no país ou no exterior. A conexão é criada. Eles se apaixonam e decidem se casar.

A moça / mulher passa por um curto período de adaptação, no qual ela aprende a manter a tradição como toda mulher israelita samaritana. Então o casal chega ao Sumo Sacerdote para pedir seu consentimento.

O Sumo Sacerdote pergunta à moça / mulher se ela sabe o que é exigido dela e a orienta a observar os mandamentos da Torá.

Após o consentimento do Sumo Sacerdote, as etapas do noivado e do casamento acontecem como qualquer casal regular, outra família foi estabelecida entre o povo samaritano israelita.

Entre 1969 e 2018, cerca de cinquenta desses casamentos foram aprovados.

No caso de um casamento ter falhado, o divórcio está sob o veredicto do tribunal civil, porque o divorciado não aceitaria o veredicto do Sumo Sacerdote.

 Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Lição nº 36 – O ciclo de vida – Conclusão da leitura da Torá

Conclusão da leitura da Torá

O segundo passo no ciclo de vida da criança israelita dos samaritanos, e o primeiro para a menina israelita-samaritana, é a conclusão da leitura da Torá.

Todo pai israelita-samaritano leva seu filho muito jovem, depois de seus primeiros passos, segurando sua mão esquerda e levando-o à sinagoga, depois que ele a carregou em seus ombros pela metade da estrada.

Assim, em toda oração, na noite de sábado e no sábado ao meio-dia, o ouvido sensível da criança se acostuma ao canto especial, enquanto brinca com os colegas na sinagoga.

Quando os filhos atingem a idade de cinco anos, o pai leva o filho ou filha para o samaritano no centro comunitário no Monte Gerizim ou em Holon.

O professor elogia as crianças e começa a ensinar-lhes a leitura da Torá na antiga escrita hebraica.

Primeiro eles aprendem as letras do alfabeto em hebraico antigo, depois palavras de uma sílaba, depois palavras de duas e três sílabas, quatro sílabas, cinco sílabas.

Então frases curtas da Torá, sentenças mais longas e depois o professor vai ensinar uma passagem.

Primeiro, as crianças recitam os versículos iniciais de cada leitura, de Deuteronômio 32: 3-4.

Porque eu proclamo o Nome de Shemama
e atribuir grandeza ao nosso Eloowwem,
Então, o trabalho dele é perfeito
Porque todos os seus caminhos são justos
Nosso El age com Fidelidade e injustiça,
Justo e reto é Ele.

Os versos iniciais são concluídos com bênçãos:

Bendito seja nosso Eloowwem para sempre!

Bendito seja o seu nome para sempre!

O professor começa e lê a primeira passagem de Gênesis:

“No princípio, Eloowwem criou os céus e a terra”.

As crianças repetem até terminarem a passagem inteira, os cinco primeiros versos da Torá.

É o suficiente para eles fazerem a primeira lição, e então memorizam a leitura:

“Mooshe ordenou-nos uma Torá, uma posse da Assembléia de Yaahqob, abençoado Eloowwem deu para nós, Abençoado seja nosso Eloowwem para sempre! Bendito seja o Seu nome para sempre!”

Assim, as crianças continuam a leitura de todas as passagens da Torá durante um ano inteiro, com a metade do tempo em que as crianças leem Gênesis.

Depois disso, eles estão acostumados a ler diariamente e durante o segundo semestre eles leem o resto dos quatro livros de Torá.

No final da leitura da Torá, as crianças aprendem de cor a bênção de Mooshe até o final da Torá que estão em Devarim(Deut) 33-34.

Eles vão recitar a bênção em voz festiva para os celebrantes que vieram especialmente para a cerimônia para se alegrar na alegria dos filhos e seus pais.

O Sumo Sacerdote abençoa a criança, dá-lhe um presente e assim faz todos os convidados.

No sábado de manhã após a cerimônia, as crianças cantarão seu passatempo da porção desta semana.

Na sexta-feira à noite, o pai recitará a passagem com a criança, para que a recite depois da oração da manhã de sábado, sem erros para o prazer dos outros leitores da porção.

O segundo estágio do ciclo de vida da tradição samaritana terminou.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

 

Lição nº 35 – O ciclo de vida – Nascimento e circuncisão

Não há maior alegria para os israelitas samaritanos do que o nascimento de uma criança na comunidade, um menino ou uma menina.

Essa alegria é compreensível à luz do fato de que há apenas cem anos, o número de membros da comunidade caiu para o ponto mais baixo de sua história, 141 pessoas, 80 homens e 61 pessoas.

Muitos especialistas da época [1919] juntaram-se aos muitos que previam o fim da comunidade, as tribos, Libi, Yoosef e Binyaamem.

Mas Shemala ouviu o choro fraco do seu povo.

Em 1919 foi um ponto de virada para melhor.

O Mandato Britânico começou a se estabelecer na Terra de Israel e ficou feliz em ajudar aqueles que o viram como o último remanescente do “Bom Samaritano”.

Mesmo uma imigração judaica iluminada e mais aberta, com um coração mais sensível à situação de outros, levou alguns dos líderes da comunidade judaica a ajudar os samaritanos israelitas com arranjos de dinheiro e empregos.

A comunidade começou a se recuperar, o número de crianças cresceu, a taxa de nascimentos aumentou e algumas meninas judias se casaram com jovens samaritanos.

A melhoria de suas condições sociais e econômicas levou os samaritanos de um estado de aniquilação a um estado de fertilidade.

No ano de 1919 – 141 almas.
No ano de 1935 – 235 almas.
No ano de 1948 – 250 almas.
No ano de 1967 – 400 almas.
No ano de 2018 – 810 almas.

Os samaritanos israelitas observam a Torá, segundo a qual o filho deve ser circuncidado no oitavo dia de seu nascimento sem demora.

O princípio do “oitavo dia” foi mantido em 1958, quando gêmeos samaritanos foram colocados em uma incubadora.

Neste caso, o sumo sacerdote determinou que, uma vez que a incubadora substitui o útero de uma mãe, deve ser contada dias depois de os gêmeos terem sido removidos da incubadora.

Os samaritanos israelitas estão felizes com o nascimento de uma filha, que no futuro expandirá a unidade familiar.

Em sua alegria pelo nascimento de um filho, eles se preparam para a cerimônia de circuncisão.

Como isso é uma mitzvá, não há necessidade de um convite especial.

Um mohel fora da comunidade ou um médico é convidado a realizar a circuncisão.

O público se reúne e começa com uma música especial, no final da qual o sinal é dado ao circuncidador e ele realiza a circuncisão.

Naquele momento, o Sumo Sacerdote pergunta o nome do filho circuncidado e o pai nomeia em voz alta o recém-nascido.

O Sumo Sacerdote deseja ao filho que Shemama o mantenha.

A alegria atinge seu clímax, e então toda a multidão caminha até a mãe da criança e lhe dá presentes em dinheiro.

Mesas são montadas com alimentos para deleite dos convidados.

Foi assim que uma criança do sexo masculino foi adicionada à comunidade.

Cada nova criança aumenta o conhecimento de que a comunidade está se recuperando de seus dias mais difíceis.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm