Lição n° 3 – Os oito parágrafos da criação do mundo.

Vamos ler os oito parágrafos da criação do mundo a partir do Livro do Gênesis. Recitamos isso no início de cada oração, durante a semana, Shabat e Festivais.
Primeiro em hebraico moderno, então em hebraico antigo em roteiro fonético; Em seguida, traduziu para o inglês; Em seguida, traduziu para o português.
O texto original em hebraico está de acordo com a versão da Torá que está nas mãos dos samaritanos israelitas.

O israelita samaritanos

Benyamim Tsedaka

בראשית פרק א

א בְּרֵאשִׁית, בָּרָא אֱלֹהִים, אֵת הַשָּׁמַיִם, וְאֵת הָאָרֶץ. ב וְהָאָרֶץ, הָיְתָה תֹהוּ וָבֹהוּ, וְחֹשֶׁךְ, עַל-פְּנֵי תְהוֹם; וְרוּחַ אֱלֹהִים, מְרַחֶפֶת עַל-פְּנֵי הַמָּיִם. ג וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי אוֹר; וַיְהִי-אוֹר. ד וַיַּרְא אֱלֹהִים אֶת-הָאוֹר, כִּי-טוֹב; וַיַּבְדֵּל אֱלֹהִים, בֵּין הָאוֹר וּבֵין הַחֹשֶׁךְ. וַיִּקְרָא אֱלֹהִים לָאוֹר יוֹם, וְלַחֹשֶׁךְ קָרָא לָיְלָה; וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם אֶחָד.

Baarashet Baaraa Eloowwem it ashshaamem wit aares. Waares ayyaataa tehoo ubegoo waashek ‘al faanee toohm urooh Eloowwem amrah’efaat ‘al faanee ammem. uyaaoomer Eloowwem yaaee orr uyaaee orr, uyehreh Eloowwem it aa’or kee tob, uyabdel Eloowwem bin aa’or ubin aashehk. uyiqra Eloowwem la’or yom ulaashek qaaraa leela. Uyaee ereb uyaaee behqar yom ‘ahd.

Genesis 1

1- In the beginning, Eloowwem created the heavens, and the earth.

2- In the land was like chaos, and the darkness upon the face of the depth; And the spirit of Eloowwem, manouvring on the face of the waters.

3- And Eloowwem said, Let there be light; and there was a light.

4- And Eloowwem saw the light, that it was good; And Eloowwem distinguished between the light and a night.And Eloowwem called to the light a day, and to the darkness of the night; And there was an evening and a morning, one day.

Gênesis 1

1- No início, Eloowwem criou os céus e a terra.

2- Na terra era como o caos, e a escuridão sobre a face da profundidade; E o espírito de Eloowwem, manouvring no rosto das águas.

3 E Eloowwem disse: que haja luz; E houve luz.

4 E Eloowwem viu a luz, que era boa; E Eloowwem distinguiu entre a luz e a noite. E Eloowwem chamou a luz de dia e à escuridão de noite; E houve uma noite e uma manhã, um dia.

ו וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי רָקִיעַ בְּתוֹךְ הַמָּיִם, וִיהִי מַבְדִּיל, בֵּין מַיִם לָמָיִם. ז וַיַּעַשׂ אֱלֹהִים, אֶת-הָרָקִיעַ, וַיַּבְדֵּל בֵּין הַמַּיִם אֲשֶׁר מִתַּחַת לָרָקִיעַ, וּבֵין הַמַּיִם אֲשֶׁר מֵעַל לָרָקִיעַ; וַיְהִי-כֵן. ח וַיִּקְרָא אֱלֹהִים לָרָקִיעַ, שָׁמָיִם; וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם שֵׁנִי.

Uyaaoomer Eloowwemyaaee aeqee aftok ammem uyaaee mabdel bin mem almem. Uyahsh Eloowwem it aarkee, uyabdel bin ammem eshhar mitteht kaarkee ubin ammem eshaar miyahl laarkee, uyaaee kan. Uyikra Eloowwem laarkee shaamem. Uyaaee ereb uyaaee behqar yom shehnee.

6- And Eloowwem said, There shall be a sky in the midst of the waters, and I shall separate it, between water and water.

7- And Eloowwem made the sky, and separated between the waters which were below the ground, and between the waters up to the sky; And it had been.

8- And Eloowwem called to the firmament, the heaven; And there was an evening and there was a morning, a second day.

 

6- E Eloowwem disse: haverá um céu no meio das águas, e eu a separarei, entre água e água.

7- E a Eloowwem fez o céu, e separou-se entre as águas que estavam abaixo do solo, e entre as águas até o céu; E foi assim.

8- E Eloowwem chamou o firmamento, o céu; E houve uma noite e houve uma manhã, um segundo dia.

ט וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יִקָּווּ הַמַּיִם מִתַּחַת הַשָּׁמַיִם אֶל-מָקוֹם אֶחָד, וְתֵרָאֶה, הַיַּבָּשָׁה; וַיְהִי-כֵן. י וַיִּקְרָא אֱלֹהִים לַיַּבָּשָׁה אֶרֶץ, וּלְמִקְוֵה הַמַּיִם קָרָא יַמִּים; וַיַּרְא אֱלֹהִים, כִּי-טוֹב. יא וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, תַּדְשֵׁא הָאָרֶץ דֶּשֶׁא עֵשֶׂב מַזְרִיעַ זֶרַע, ועֵץ פְּרִי עֹשֶׂה פְּרִי לְמִינוֹ, אֲשֶׁר זַרְעוֹ-בוֹ עַל-הָאָרֶץ; וַיְהִי-כֵן. יב וַתּוֹציא הָאָרֶץ דֶּשֶׁא עֵשֶׂב מַזְרִיעַ זֶרַע, לְמִינֵהוּ, וְעֵץ עֹשֶׂה-פְּרִי אֲשֶׁר זַרְעוֹ-בוֹ, לְמִינֵהוּ; וַיַּרְא אֱלֹהִים, כִּי-טוֹב. יג וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם שְׁלִישִׁי.

Uyaaoomer Eloowwem yiqqaaboo ammem mitteht ashshaamem almaaqom ‘ahd utirraaee ayyabbaasha uyaaee kan. Uyikra Eloowwem alyabbaasha aares, walmaqwaa ammem qaaraa yaammem. uyehreh Eloowwem kee tob.uyaaoomer Eloowwem tedehshee aares deshah esheb mazreeg zerah, wis feeree ‘aashe feeree alminoo eshaar zehrahoo boo ‘al aares, uyaaee kan. utoosee aares deshah esheb mazree zerah alminehoo. Wis ‘ahshee feeree eshaar zerahoo boo alminehoo, uyehreh Eloowwem kee tob, uyaaee ereb uyaaee behqar yom shehleeshee.

9- And Eloowwem said, Let the waters come from under heaven to one place, and see, the earth; And it had been.

10-  And Eloowwem called to the land the earth, and to the water of the sea was called seas; And Eloowwem saw it is good..

11- And Eloowwem said, The land shall be plowed, and the land shall be sown with sowing of seed, and the fruit of my fruit shall be my fruit wherein the seed shall flow upon the land. And it had been.

12- And the land shall be made a heifer, a sown of sowing seed and a tree of the fruit of the fruit wherein they sown, to fill it; And Eloowwem saw it is good.

13- And there was an evening and a morning, a third day.

9- E Eloowwem disse: As águas venham do céu para um lugar, e veja a terra; E foi assim.

10- E Eloowwem chamou a terra da terra, e às águas do mar se chamavam mares; E Eloowwem viu que é bom…

11- E Eloowwem disse: A terra será lavrada, e a terra será semeada com semeadura de semente, e o fruto do meu fruto será o meu fruto em que a semente fluirá sobre a terra. E foi assim.

12- E a terra será feita uma novilha, semeada de semeadura e uma árvore do fruto do fruto onde semearam, para preenchê-la; Elowwem viu que era bom.

13- E houve uma noite e uma manhã, um terceiro dia.

יד וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי מְאורות בִּרְקִיעַ הַשָּׁמַיִם, להאיר על הארץ ולְהַבְדִּיל בֵּין הַיּוֹם וּבֵין הַלָּיְלָה; וְהָיוּ לְאותות וּלְמוֹעֲדִים, וּלְיָמִים וְשָׁנִים. טו וְהָיוּ לִמְאוֹרות בִּרְקִיעַ הַשָּׁמַיִם, לְהָאִיר עַל-הָאָרֶץ; וַיְהִי-כֵן. טז וַיַּעַשׂ אֱלֹהִים, אֶת-שְׁנֵי הַמְּאורות הַגְּדֹלִים: אֶת-הַמָּאוֹר הַגָּדֹל, לְמֶמְשֶׁלֶת הַיּוֹם, וְאֶת-הַמָּאוֹר הַקָּטֹן לְמֶמְשֶׁלֶת הַלַּיְלָה, וְאֵת הַכּוֹכָבִים. יז וַיִּתֵּן אֹתָם אֱלֹהִים, בִּרְקִיעַ הַשָּׁמָיִם, לְהָאִיר עַל-הָאָרֶץ. יח וְלִמְשֹׁל בַּיּוֹם וּבַלַּיְלָה, וּלְהַבְדִּיל, בֵּין הָאוֹר וּבֵין הַחֹשֶׁךְ; וַיַּרְא אֱלֹהִים, כִּי-טוֹב. יט וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם רְבִיעִי.

Uyaaoomer Eloowwem yaaee maaoorot barqee ashshmem laaer ‘al aares ulaabdel bin ayyom ubin alleelah. Waayyoo lootot walmoowwadem walyaamem ushehnem. Waayyoo almaaoorot barqee ashshaamem laaer ‘al aares uyaaee kan. uyahsh Eloowwem it shehnee ammaaoorot aggaadallem, it ammaaor aggaadol almamshaalaat ayyom wit ammaaor aqqaataan almamshalaat alleelah wit akkookaabem. uyitten ootimma Eloowwem barkee ashshaamem laaer ‘al aares ulehmshaal bayyom uballeelah, ulaabdel bin aaoo ubin aashek. yehreh Eloowwem kee tob, uyaaee ereb uyaaee behqar yom rehbee.

14. And Eloowwem said, There shall be lights in the firmament of the heavens, to shine upon the earth, and to be scattered between the day and the night; And they became signs and times, and days and years.

15. And they shall be cast upon the heavens’ heavens, that they may be light upon the earth; And it had been.

16. And Eloowwem made the two great lights: the great light, the reign of the day, and the small light for the night and the stars.

17. And Eloowwem shall give them, in the firmament of heaven, to light upon the earth.

18. And the day before and the night, and the day of the light, between the light and the darkness; And Eloowwem saw that it is good.

19. And there was an evening, and there was a morning, a fourth day.

 

14. E Eloowwem disse: haverá luzes no firmamento dos céus, para resplandecer sobre a terra e espalhar-se entre o dia e a noite; E eles se tornaram sinais e tempos, e dias e anos.

15. E serão lançados sobre os céus, para que sejam luz sobre a terra; E foi assim.

16. E Eloowwem fez as duas grandes luzes: a grande luz, o reinado do dia e a pequena luz para a noite e as estrelas.

17. E Eloowwem lhes dará, no firmamento do céu, a luz sobre a terra.

18. E o dia anterior e a noite, e o dia da luz, entre a luz e a escuridão; E Eloowwem viu que é bom.

19. E houve uma noite, e houve uma manhã, um quarto dia.

כ וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים–יִשְׁרְצוּ הַמַּיִם, שֶׁרֶץ נֶפֶשׁ חַיָּה; וְעוֹף יְעפֵף עַל-הָאָרֶץ, עַל-פְּנֵי רְקִיעַ הַשָּׁמָיִם. כא וַיִּבְרָא אֱלֹהִים, אֶת-הַתַּנִּינִים הַגְּדֹלִים; וְאֵת כָּל-נֶפֶשׁ הַחַיָּה הָרֹמֶשֶׂת אֲשֶׁר שָׁרְצוּ הַמַּיִם לְמִינֵיהֶם, וְאֵת כָּל-עוֹף כָּנָף לְמִינֵהוּ, וַיַּרְא אֱלֹהִים, כִּי-טוֹב. כב וַיְבָרֶךְ אֹתָם אֱלֹהִים, לֵאמֹר: פְּרוּ וּרְבוּ, וּמִלְאוּ אֶת-הַמַּיִם בַּיַּמִּים, וְהָעוֹף יִרבה בָּאָרֶץ. כג וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם חֲמִישִׁי.

Uyaaoomer Eloowwem yishrehsoo ammem shehres naafesh ‘ayyaah uoof yahffef ‘al aares ‘al faanee arqee ashshmem. uyibraa Eloowwem it attaaneen nem aggaadallem wit kal naafesh ‘aayyaa eshar shaaraasoo ammem alminiyimma, wit kal oof kaanef alminehoo/ uyehreh Eloowwem kee tob. Uyehbarrek ootimma Eloowwem limor: Fehroo urehboo umehlaaoo it ammem bayyamem waoof yirbee baares, yehreh Eloowwem kee tob, uyaaee ereb uyaaee behqar yom Emishee.

20. As Eloowwem said: “The water shall flow the soul of life.” And it shall be scattered over the earth, on the face of the firmament of the heavens. 21. And Eloowwem created the big crocodiles; And all the souls of the living which the water desired to their right, and all – flying wing to appoint him, and Eloowwem saw it is good. 22. And Eloowwem blessed them, saying: Be fruitful and multiply, and fill the water with the seas, and the multitude shall multiply in the land. 23. And it shall be evening, and it shall be morning, a fifth day.

20. Como Eloowwem disse: “A água fluirá a alma da vida”. E será espalhado sobre a terra, sobre a face do firmamento dos céus.

21. E Eloowwem criou os grandes crocodilos; E todas as almas dos vivos que a água desejava à sua direita, e a ala voadora para nomeá-lo, e Eloowwem viu que era bom.

22. E Eloowwem os abençoou, dizendo: Ferva e multiplica, e enche a água com os mares, e a multidão se multiplicará na terra.

23. E será tarde, e será manhã, quinto dia.

כד וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, תּוֹציא הָאָרֶץ נֶפֶשׁ חַיָּה לְמִינָהּ, בְּהֵמָה וָרֶמֶשׂ וְחַיְת האֶרֶץ, לְמִינָהּ; וַיְהִי-כֵן. כה וַיַּעַשׂ אֱלֹהִים אֶת-חַיַּת הָאָרֶץ לְמִינָהּ, וְאֶת-הַבְּהֵמָה לְמִינָהּ, וְאֵת כָּל-רֶמֶשׂ הָאֲדָמָה לְמִינֵהוּ; וַיַּרְא אֱלֹהִים, כִּי-טוֹב. כו וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, נַעֲשֶׂה אָדָם בְּצַלְמֵנוּ וכִּדְמוּתֵנוּ; וְיִרְדּוּ בִדְגַת הַיָּם וּבְעוֹף הַשָּׁמַיִם, וּבַבְּהֵמָה וּבְכָל-הָאָרֶץ, וּבְכָל-הָרֶמֶשׂ הָרֹמֵשׂ עַל-הָאָרֶץ. כז וַיִּבְרָא אֱלֹהִים אֶת-הָאָדָם בְּצַלְמוֹ, בְּצֶלֶם אֱלֹהִים בָּרָא אֹתוֹ: זָכָר וּנְקֵבָה, בָּרָא אֹתָם. כח וַיְבָרֶךְ אֹתָם, אֱלֹהִים, וַיֹּאמֶר לָהֶם אֱלֹהִים פְּרוּ וּרְבוּ וּמִלְאוּ אֶת-הָאָרֶץ, וְכִבְשׁוהָ; וּרְדוּ בִּדְגַת הַיָּם, וּבְעוֹף הַשָּׁמַיִם, וּבְכָל החַיָּה, הָרֹמֶשֶׂת עַל-הָאָרֶץ. כט וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, הִנֵּה נָתַתִּי לָכֶם אֶת-כָּל-עֵשֶׂב זריעַ זֶרַע אֲשֶׁר עַל-פְּנֵי כָל-הָאָרֶץ, וְאֶת-כָּל עֵץ אֲשֶׁר-בּוֹ פְרִי-עֵץ, זרֵיעַ זָרַע: לָכֶם יִהְיֶה לְאָכְלָה. ל וּלְכָל-חַיַּת הָאָרֶץ וּלְכָל-עוֹף הַשָּׁמַיִם וּלְכֹל הרמֵשׂ עַל-הָאָרֶץ, אֲשֶׁר-בּוֹ נֶפֶשׁ חַיָּה, אֶת-כָּל-יֶרֶק עֵשֶׂב לְאָכְלָה; וַיְהִי-כֵן. לא וַיַּרְא אֱלֹהִים אֶת-כָּל-אֲשֶׁר עָשָׂה, וְהִנֵּה-טוֹב מְאֹד; וַיְהִי-עֶרֶב וַיְהִי-בֹקֶר, יוֹם הַשִּׁשִּׁי

Uyaaoomer Eloowwem toosee aards naafesh ‘ayyaa almina, bimmah urehmesh wayyaat Aires almina uyaaee kan. Uyahsh Eloowwem it ‘ayyaat aares almina wit abbimma almina wit kal remesh aadaamaa alminehoo. Uyereh Eloowwem ki tob. Uyaaoomer Eloowwem, nehshshee aadam afsaalaamaanoo ukaademootaanoo, uyirdoo afdeget ayyaam uboof ashshaamem ubabimma wafkal aares ufkal arrehmesh arroomesh ‘al aares. uyibra Eloowwem it aadaam afsaalaamoo, afsaalaam Eloowwem baaraa ootoo zaakaar unaaqaabah baaraa otimma. uyehbarrek ootimma Eloowwem uyaaoomer lehmma Eloowwem, feroo urehboo umelaaoo it aares ukehbaashoowwa, urehdoo afdeget ayyaam uboof ashshamem wafkal arraamshet ‘al aares. Uyaoomer Elloowwen inna natattee laakimma it kal esheb zaaree zerah eshar ‘al faanee kal aares wit kal eess eshar boo feeree eess zaaree zehrah, laakimma yehyyee laakaalah. Walkal ‘ayyat aares walkal oof ashshmem walkal arrehmesh ‘al aares, eshar boo naafesh ‘ayyaa’ it kal yereq esheb laakaalah, uyaaee kan. uyehreh Eloowwem it kal eshaar ‘ahsha wenna tob me’od, uyaaee ereb uyaaee behqar yom ashshishshee.

24. And Eloowwem said, Let the earth give life to the kzins, in the land, and the earth, and the life of the land, to its right;And yes.

25. And so did Eloowwem make the animals of the land to their kinds, and the beast to its kinds, and all the earth of the land to his right hand; And Eloowwem saw it is good.

26. And Eloowwem said, Let us make man in our own image and in our qualities; And he went down to the fish in the sea, and over the birds of the sky, and in the earth, and in all the land, and in all the animals that was grazing on the land.

27. And Eloowwem created the man in his own image, in his image, in image of Eloowwem he created him: Male and female he created them. 28. And Eloowwem blessed them, and Eloowwem said to them, “Be fruitful and multiply, and fill the land, and conquer it.” And control the fish of the sea, and in the birds in the sky, and throughout the life, and all the animals that are on the earth.

29. And Eloowwem said, I have given unto you all the seed of the seed that is on the face of all the land, and all the tree which is in it a seed of seed: for you shall be the food.

30. And to all the animals of the land, and to all the birds over the earth, and to all the land on the land, wherewith the life of the beast on the land will be for you to eat; And it had been.

31. And Eloowwem saw all that he had done, that is very good; And there was evening and there was a morning, the sixth day.

24. E Eloowwem disse: Que a terra dê vida aos kzins, na terra, e a terra, e a vida da terra, à sua direita, e sim.

25. E assim fez Eloowwem fazer os animais da terra para os seus tipos, e o animal para os seus tipos, e toda a terra da terra à sua direita; Elowwem viu que era bom.

26. E Eloowwem disse: façamos o homem à nossa imagem e nas nossas qualidades; E desceu ao peixe no mar, e sobre os pássaros do céu, e sobre a terra, e sobre toda a terra e sobre todos os animais que estavam pastando na terra.

27. E Eloowwem criou o homem à sua imagem, em sua imagem, em imagem de Eloowwem, ele o criou: homem e mulher ele os criou.

28. E Eloowwem os abençoou, e Eloowwem disse-lhes: “Fiquem frutíferos e multipliquem, e preencham a terra e conquistem”. E controle os peixes do mar, e nos pássaros no céu, e durante toda a vida, e todos os animais que estão na terra.

29. E Eloowwem disse: Eu concedei a você toda a semente da semente que está sobre a face de toda a terra, e toda a árvore que nele há semente de semente; porque você será o alimento.

30. E a todos os animais da terra e a todas as aves sobre a terra, e a toda a terra na terra, com a qual a vida da besta na terra será para você comer; E foi assim.

31. E a Eloowwem viu tudo o que tinha feito, que é muito bom; E houve uma noite e houve uma manhã, o sexto dia.

Chapter two:

1. And the heavens and the earth, and all their hosts were complete.

2. And Eloowwem has completed his work that he done in the sixth day of his work; And he dwelt in the seventh day, of all that he had done..

3. And Eloowwem blessed the seventh day, and sanctified it: for in him dwelt all his work, which Eloowwem did create.

O capítulo dois:

1. E os céus e a terra, e todos os seus exércitos estavam completos.

2. E Eloowwem completou seu trabalho que ele fez no sexto dia de sua obra; E habitou no sétimo dia, de tudo o que ele tinha feito .

3. E Eloowwem abençoou o sétimo dia, e o santificou; porque nele habitou toda a sua obra, que Eloowwem criou.

ד אֵלֶּה תוֹלְדת הַשָּׁמַיִם וְהָאָרֶץ, בְּהִבָּרְאָם: בְּיוֹם עֲשׂוֹת יְהוָה אֱלֹהִים שָׁמָיִם וארץ. ה וְכֹל שִׂיחַ הַשָּׂדֶה, טֶרֶם יִהְיֶה בָאָרֶץ, וְכָל-עֵשֶׂב הַשָּׂדֶה, טֶרֶם יִצְמָח: כִּי לֹא הִמְטִיר יְהוָה אֱלֹהִים, עַל-הָאָרֶץ, וְאָדָם אַיִן לַעֲבֹד אֶת-הָאֲדָמָה. ו וְאֵד יַעֲלֶה מִן-הָאָרֶץ, וְהִשְׁקָה אֶת-כָּל-פְּנֵי הָאֲדָמָה. ז וַיִּצר יְהוָה אֱלֹהִים אֶת-הָאָדָם עָפָר מִן-הָאֲדָמָה, וַיִּפַּח בְּאַפָּיו נִשְׁמַת חַיִּים; וַיְהִי הָאָדָם לְנֶפֶשׁ חַיָּה.

Illa tooldaat ashshaamen waares behbaaraaimma, abyom .’aashshot Shehmaa Eloowwem shaamem waares, ukal shee ashshaadee terem yehyyee baares, ukal esheb ashshaadee terem yaasmah’, kee laa aamter Shehmaa Eloowwem ‘al aares, waadam inn lehbbaad it aadaamaa. Wad yehllee man aares waashqaah it kal faanee aadaamaa.Uyaasaar Shehmaa Elowwem it aadaam ‘aafaar ‘aafaar man aadaamaa, uyabba babbo nashemat ‘ayyem

4. These are the history of the heavens and the earth, when they are created: In the day Eloowwem Heavens and earth.

5. And all the plants of the of the field never been yet and all the grass of the field never grew yet, and a man was not yet to serve the land.

6. And a steam went out of the land to water all the faces of the earth.

7. And Shehmaa created the man from the sand of the land, and with the breath of life was blown in his nose; And the man became a living soul.

4. Trata-se da história dos céus e da terra, quando eles são criados: No dia Eloowwem céus e da terra.

5. E todas as plantas da do campo nunca foi ainda e toda a erva do campo nunca cresceu ainda, e um homem ainda não era servir a terra.

6. E um vapor saiu da terra para a água todos os rostos da terra.

7. E Shehmaa criou o homem a partir da areia da terra, e com o sopro de vida foi soprado no seu nariz; E o homem foi feito alma vivente.

Attached: Ancient Hebrew Text
Em anexo: texto hebraico antigo

Tradução Livre Ariel Haddad

O Monte Gerizim BetEl e Jerusalém

O Monte Gerizim BetEl e Jerusalém

Israel Sedaka – Holon – Israel

Este discurso foi lido no terceiro dia do quinto congresso, dos estudos samaritanos, em Helsínquia, capital da Finlândia, nos dias 1 a 3 de Agosto de 2000.

Quando estou aqui perante vós, neste fórum científico internacional, considero-me como Reino de Israel até o século VIII aC, o “remanescente de Israel que escapou da mão dos reis Da Assíria “(II Crônicas 30: 6), e os israelitas modernos, mais conhecidos no mundo como samaritanos.

De acordo com II Reis lemos a destruição de Samaria quando o povo do reino de Israel fora enviado para Exílio e substituído por estrangeiros, o autor de II Crônicas capítulo 30 nos fala dos que foram enviados pelo rei Ezequias, que tinha testemunhado a destruição de Samaria e o consequente exílio.

Estes enviados foram de cidade em cidade na terra de Efraim e Manassés, numa tentativa de convencer os israelitas a fazerem a peregrinação a Jerusalém.

A frase “de cidade em cidade” nos indica  que a maioria das pessoas permaneceu Samaria.

Além disso, apesar de sua posição política difícil, sem um rei, eles rejeitaram o apelo de Ezequias, quando ele lhes disse:

Agora, não sejam duros como foram vossos pais“.

Eles tiram com escárnio e zombaram deles“.

Aqui deve-se notar como Rabi Levi filho de Gershon (Ralbarg) interpreta a referência ao exílio em II Reis 17:34.

Ele escreve:

Os restantes são Israel, uma vez que nem todos foram exilados, como se vê na história dos enviados de Ezequias enviado ao Remanescente de Israel“.

Um outro ponto principal em II Crônicas 30 é a humilhação dos israelitas que moravam na parte norte da país, em sua chegada a Jerusalém.

Aqui,  vemos que aqueles israelitas que se humilharam e Jerusalém são considerados judeus apropriados, enquanto aqueles israelitas que rejeitaram o apelo do rei Ezequias e permaneceram leais ao antigo centro religioso de Israel são chamados de estrangeiros, cuthitas, nativos, etc.

E, de fato, ao Cuthita determinam a decisão:

Quando se pode reconhecer os samaritanos como judeus? Uma vez que eles não rejeitaram o Monte Gerizim“.

O Monte Gerizim é a coluna de fogo, iluminando e lembrando a tudo onde é o centro religioso e espiritual de Israel.

O rei Davi abandonou o Monte Gerizim apenas por razões políticas e nunca teve autoridade para estabelecer uma lei tão importante como essa foi estabelecida nos tempos de Moisés.

Posteriormente, autores bíblicos, bem como estudiosos talmúdicos concluíram que, aquele que não crê em Jerusalém não deve ser considerado um membro Israelita.

Um dos principais temas do Deuteronômio é a centralização do culto em um único lugar, sendo usado por toda a terra e tribos israelitas.

A ideia de adoração centralizada é mencionada 24 vezes em Deuteronômio, enquanto o lugar escolhido pelo Senhor, mais do que o povo, seus sacerdotes ou até mesmo os líderes.

E isso, independentemente de diferentes frases, ou seja, se é  “o lugar que Ele escolheu” ou “o lugar escolhido” em ambas as referências é sempre Deus quem escolhe o local.

A autoridade para selecionar as três cidades de refúgio em Canaã, em a outra mão, é dada ao povo e seus líderes

– Deuteronômio 19:7
7- “Tu separarás três cidades para Ti “.

Mas não é assim que é dito a respeito ao centro espiritual, pois Moisés é “o meio usado” para transmitir o mandamento sobre o local onde o centro espiritual para o povo será, como ele tinha dado ao povo todos os mandamentos e leis.

O significado da diferença entre a versão judaica, que lê “o lugar que Ele escolherá” e a versão Samaritana, que lê  “o lugar que Ele escolheu” não se limita à interpretação bíblica.

Hoje, da perspectiva de cerca de três milênios e meio desde a colonização das tribos israelitas em Canaã, reflete fielmente a história do povo israelita desde os dias de Josué, embora o período de Juízes, o primeiro e segundo templo e até tempos modernos.

Os eventos tempestuosos na história do povo de Israel foram centralizados ao redor e afetados por esta controvérsia entre Israel e Judeia, ou samaritanos e judeus.

O cristianismo também foi influenciado por ele, uma vez que, como veremos mais adiante, é fortemente comprovada no encontro de jesus com a mulher samaritana ao pé de Monte Gerizim.

Estudos bíblicos manifestam as opiniões de estudiosos bíblicos sobre a multiplicidade de lugares de culto em Israel, nos dias de Josué e até o reinado do rei Davi.

Na versão judaica do Pentateuco esses lugares são referia:

– “O lugar que o Senhor escolheu” (Deuteronômio 12:14)

– “Para fazer habitar o seu nome lá” (Deuteronômio 12:11)

– “Para colocar ali o seu nome” (Deuteronômio 12: 5).

– “Em todos os lugares onde Eu“(Êxodo 20:21)

Com base nesses versículos, os estudiosos concluem que existiam vários lugares de culto em Israel antes do estabelecimento de Jerusalém pelo rei Davi.

Isto levanta várias questões:

Quem designou o rei Davi para estabelecer um novo centro para o povo de Israel?

Por que ele escolheu Jerusalém, que por 400 anos desde Josué havia sido uma cidade do povo Jebuseu?

A escolha não era política?

Por que o rei Davi evitou construir o próprio templo – foi porque o povo se opôs à sua cidade de escolha, Jerusalém?

O seu grito era:

– “Nós não temos parte em Davi não temos herança no filho de Yishay, cada um às suas tendas, oh Israel”.

Por que o templo que foi construído pelo rei Salomão, visando unir todas as tribos de Israel, trouxe a divisão de Israel e de Judeia, uma divisão causada por Jerusalém e que dura até hoje?

Como essa interpretação está de acordo com o texto 4 em Josué 22:16 – onde Diz-se que as tribos de Rúben, Gade e metade de Manassés simplesmente edificaram um altar no rio Jordão, sem sequer sacrificar sobre ele, e como resultado, toda a nação de Israel ficou indignada?

– Que transgressão é esta que você tem cometidos contra o Deus de Israel… construindo para vós um altar, para que hoje vos rebelais contra o aqui vemos a ideia de adoração centralizada “no lugar que Ele escolheu“, realizada em toda a sua glória, nos dias de Josué Ben Num.

É a ideia da crença em um único lugar, reconhecido por todo o povo de Israel.

É enraizado assim profundamente, que mesmo aqueles que erguem um altar sem nunca sacrificar sobre ele são considerados rebeldes.

Estes versos no livro de Josué refutam a interpretação daqueles que afirmam que o culto religioso havia sido difundido em todo Israel até o dias do rei Davi.

Ao contrário da referência comum, na versão judaica do Pentateuco, denotando o lugar escolhido no futuro, em uma instância esta versão refere-se ao lugar escolhido no passado.

– “Eis que eu envio um anjo diante de ti, para te guardar no caminho, e para te trazer ao lugar que eu preparei.”
(Êxodo 23:20).

Aqui, o texto não se refere a “O lugar que eu prepararei“, sendo um texto idêntico à versão samaritana do Pentateuco.

Voltemos às cidades de refúgio – Josué cumpre imediatamente o decreto divino e estabelece as três cidades de refugio na Trans-Jordânia.

Esta decisão imediata prova a necessidade dessas cidades, já que toda a terra não tem centros de adoração e altares, onde o assassino pode encontrar refúgio.

O centro existente pode estar distante, e assim as cidades de refugiados são escolhidas e estabelecidas imediatamente.

Na Torá de Moisés, onde todas as leis e mandamentos são dados ao povo de Israel, a santidade de Jerusalém nunca é referida.

Os israelitas, porém, são ordenados a abençoar o Monte Gerizim e construir um altar nele ( na versão judaica, é construída próximo ao Monte Ebal).

E, de fato, uma vez que os israelitas estão assentados na terra De Cannaan, Joshua convoca o povo a Siquém, com a Arca da Aliança, para a reunião no Monte Gerizim.

Ele não vai a Siló nem a Jerusalém.

Assim, deve-se perguntar, onde está o lugar que, na versão judaica, é “o Lugar que Ele deve escolher” ?

Rashi, em primeiro lugar e entre os exegetas da Bíblia, interpreta assim como Shiloh.

Jerusalém não é mencionada no livro de Josué, na lista de lugares dados aos levitas como sua herança.

Quando a herança da tribo de Efraim é descrita, a Bíblia diz explicitamente que os levitas estavam na cidade de Siquém e seus arrabaldes na região montanhosa de Efraim (Josué 21:21).

Os líderes do povo e seus sacerdotes Durante todo o período de assentamento e até os tempos de Eli, Joshua, filho de Nun, Caleb, os setenta anciãos, os sumos sacerdotes Elazar, Itamar, Pinhas e outros – estão todos sepultados nas proximidades da cidade de Siquém e do monte Gerizim, não próximos Shiloh.

De acordo com a tradição judaica, o primeiro a ter sepultado em Shiloh foi Eli.

É o que o professor Bebjamin Mazar disse, numa conferência de 1972 realizada em Samaria.

“Shechem sempre considerada como lugar de importância na consciência israelense, como um centro precoce do nacionalismo no país, e como o foco e ponto de todas as esperanças nacionais e religiosas para a unificação e unidade da nação.

O ‘Lugar de Siquém‘ (Gênesis 12:6) na cidade havia contido um templo do Senhor, com uma árvore sagrada:

– ‘o Tebinto de Morea‘ e um altar chamado El-elohe-Yisra’el (Gênesis 33:20)

– Um lugar de santidade antigo, que satura o tradicional dos pais da nação,  Abraão e Ya’aqov, e onde Josué tinha feito o pacto com o povo de Israel, e onde Jeroboão, filho de Nebat governou as tribos das partes central e norte da terra, uma vez que o reino unido da casa de David havia se dividido.

Uma breve revisão da história das tribos israelitas desde os dias de Josué Ben Num em diante, conforme o relato Samaritano, e uma comparação com as fontes judaicas, revelará que todos os pontos de controvérsia Monte Gerizim.

Josué cruza o rio Jordão e vai para conquistar o resto de Canaã.

Bem antes que ele tenha completado a conquista, convoca a nação em Siquém, no vale que separa o Monte Gerizim e Ebal, para dar as “bênçãos e maldições” de acordo com tudo o que está escrito no livro da lei.

Ocasião, a arca da aliança foi colocada no topo do monte Gerizim.

Foi aqui que os sumos sacerdotes da Casa de Pinhas, a quem o sumo sacerdócio foi dado, oficiou por 260 anos.

A lista do sacerdócio corresponde, em sua maior parte, à lista bíblica dos sumos sacerdotes da casa de Pinhas, citada em Crônicas.

De acordo com a narrativa Samaritana, estes foram os dias de graça, da Shekhina.

Quando Uzi Ben Buki, um dos filhos de Pinhas, é nomeado sumo sacerdote no Monte Gerizim, é na verdade Eli o sacerdote, um homem dominante, mais velho, que oficia como sumo sacerdote.

Eli, que se recusou a aceitar a autoridade do Uzi mais jovem, retirou-se do Monte Gerizim para Shiloh e ali fundou um novo centro religioso, onde uma parte do povo começou a adorar.

Esta severa divisão na nação foi usada como bom proveito pelos filisteus, que destruíram o templo de Shiloh, quarenta anos após sua fundação.

A Bíblia descreve o sacerdócio dos filhos de Itamar e as causas que levaram à compromisso.

As tradições judaicas associam a remoção do sacerdote da casa de Pinhas com o incidente da Filha de Jefté, ou o incidente da concubina em Gibeá, e suas duras e sangrentas consequências.

Historiador Josefo Flavius, no entanto, em seu livro, “As Antiguidades dos Judeus“, livro V: 318 escreve Joseph filho de Matityahu:

Após a morte de Sansão, os israelitas foram liderados pelo Sumo Sacerdote Eli“. Ibid 361

– “Eli foi o primeiro governante da casa de Itamar, a segunda casa dos filhos de Aharon, como primeiro o sacerdócio foi dado à casa de Elazar … este último a entregou a Pinhas, que entregou-a a seu filho Abiezer (Abisha), que a deu a seu filho Buki, cujo Filho Uzi recebeu dele, e depois o sacerdócio foi dado a Eli. “

Josephus Flavius ​​não faz nenhuma tentativa de Explicar as razões da remoção da família de Pinhas, nem mesmo o significado e a centralidade da remoção e sua consequências.

A história samaritana denota que o período de graça e shekhina, (em aramaico ‘Rehuta‘) durou 260 anos, a partir do dia em que a arca da aliança foi colocada no monte Gerizim, para a fundação do novo Mishkan em Shiloh, por Eli, quando, descrito nas palavras da Bíblia:

Deuteronômio 25:17
– “…e esconder-lhes-ei o meu rosto“.

Este ato de Eli levou à fundação de numerosos centros religiosos em toda a nação, e nas palavras do Livro de Juízes:

Todo homem fazia o que era reto aos seus próprios olhos” (Juízes 21:25).

É neste contexto político e Religioso que o rei David estabelece Jerusalém como centro.

Com a morte do rei Salomão, o Reino Unido é dividido em Israel e na Judéia.

Todas as tentativas dos reis davídicos para O reino unido falhou sobre a questão de Jerusalém, como vimos nas tentativas do rei Ezequias de convencer a os restantes israelitas em Samaria.

Além disso, em todas as profecias dos profetas na Judeia ou Samaria, que tinham ensinado ao povo e admoestou-os por seus erros, não somos condenados por qualquer admoestação ou qualquer castigo ao povo de Israel, porque não crer em Jerusalém.

O profeta Elias, ao fugir de Acabe Rei de Israel, foge para o monte Sinai, em vez de Jerusalém.

O estudioso judeu Shadal – rabino Shemuel Luzzato escreve, em sua exegese a Gênesis 12:10

A cidade de Shechem está no centro de Israel. Se Davi não tivesse escolhido Jerusalém … Siquém ou Shiloh teria sido as cidades do rei. Portanto, quando Abraão chegou (a Siquém), foi-lhe dito: ‘Darei esta terra à vossa semente‘. E talvez, se o trono real e o templo estivessem realmente ficado em Siquém ou em Siló, talvez as dez tribos não se rebelariam contra a casa de Davi”.

De acordo com as crônicas samaritanas, no primeiro período do segundo templo, o governador da Judeia Zerubbabel apelou aos líderes do samaritano, para construir juntos o templo em Jerusalém.

Os líderes do Samaritano – o alto Sacerdote ‘Abedel filho de’ Azarya ‘e o chefe da tribo Jossef’ Azzi filho de Shim’on, e Sanbalat o chefe da Levi tribo, que rejeitaram o apelo de Zorobabel.

Zorobabel, filho do rei Ezequias, seu sonho, o sonho da casa do rei Davi, para ter autoridade em todo Israel, e esta foi a sua maravilhosa oportunidade.

De acordo com o livro de Esdras, os estrangeiros, Cuthites apelaram a Zorobabel para participar pela construção do templo em Jerusalém, mas a eles pedido fora negado.

Estes não eram os samaritanos – os filhos do remanescente dos israelitas.

No período do Segundo Templo, judeus e samaritanos argumentaram, antes do rei Ptolomeu Phylomater, que é o escolhido Lugar monte Gerizim ou Jerusalém.

Josefo menciona esse argumento muito brevemente, em Antiguidades 13:9.

As Cronicas Samaritanas dão um relato mais detalhado do argumento, cujo ponto principal era:

Nosso senhor Moisés, doador do Torah, não poderia saber qual é o lugar escolhido.

Este lugar foi realmente conhecido por Moisés, que o cita no décimo mandamento, enquanto que segundo a versão judaica, nosso senhor Moisés não sabia qual era o Escolhido.

No entanto, tanto a nossa versão quanto a deles, contém o comando de sacrifício, como está escrito “Ano após ano no lugar”(Deuteronômio 15:20)

E se o lugar ainda não tivesse sido escolhido, onde eles sacrificaram?

…E Abraão, o patriarca, no dia em que foi testado pelo Senhor, disse “sobre um dos montes” na terra de Moriah, e no canto da travessia do Mar Vermelho Moisés disse:

No monte da tua herança, no Lugar, ó Senhor, que fizeste para habitar” e chama o seu nome de “Montanha antiga“, como se chama no bênção de Moisés à tribo de José, “para as principais coisas das montanhas antigas, e para as coisas preciosas da colina duradoura (não montes), e foi, portanto, dado por Jacó como uma herança para seu filho José”.

Os filhos de Efraim e Manassés argumentam a favor do fraseado “O lugar que ele escolheu“, dizendo que este lugar Foi escolhido na antiguidade para ser o lugar escolhido, escolhido de todas as tribos de Israel.

O Pentateuco está cheio de histórias descrevendo a atmosfera predominante no reino do norte, em particular a terra de Efraim.

O primeiro lugar Abraão chega ao chegar na terra de Canaã, a Siquém:

– “E Abrão atravessou a terra até a Lugar de Siquém até o terebinto de Mais“, (Gênesis 12:6).

É aqui, “o lugar” que ele constrói o primeiro altar para Yahweh.

E ao voltar do Egito, onde tinha ido durante a fome, ele vai “ao lugar do altar, que havia feito ali no princípio, e ali Abrão invocou o nome do Senhor” (Gênesis 13: 4).

Abraão é dito para sacrificar Isaac, ele é chamado a ir para a terra de Moriyya, não para o monte de Moriyya como é registrado no livro dos reis:

E chegaram no lugar que Deus lhe tinha dito, e Abraão construiu um altar ali.“(Gênesis 22: 9)

– e aqui novamente nós lemos “no lugar“.

E como ele fez quando retornou do Egito, Abraão foi para o lugar que ele conhecia a anos e constrói “o altar“, ou seja, restaura o altar que ele tinha erguido e conhecida anteriormente.

No Pentateuco, na versão samaritana dos Dez Mandamentos, o décimo mandamento reconhece a Santidade do Monte Gerizim e decreta que o altar seja construído lá.

Este décimo mandamento está faltando no Versão e, naturalmente, em todas as traduções baseadas na versão judaica, em vez da versão samaritana.

O principal Argumento é que os judeus acreditam em nove ao invés de dez mandamentos, como eles não consagram o monte Gerizim Como o lugar escolhido, e conta como o primeiro mandamento o versículo de abertura dos Dez Mandamentos:

Eu sou o Senhor teu Deus” – estas palavras realmente não formam um mandamento.

Esta frase de abertura é parte integrante do Primeiro mandamento, que o samaritano acredita é “Tu não terás outros deuses diante de mim“, enquanto que no Versão judaica este versículo é o segundo mandamento.

O mundo aceitou a versão judaica e seus nove Mandamentos em vez de dez mandamentos da versão samaritana.

Gostaria de concluir com o profundo significado do encontro entre Jesus e a mulher samaritana, ao pé do Monte Gerizim, como é dito no evangelho segundo São João, capítulo 4. Jesus pede-lhe um copo de água,

“Então lhe disseram as mulheres de Samaria:

Como é que tu, sendo judeu, pedes para beber de mim, que sou um Mulheres de Samaria?

Para os judeus não têm lidar com os samaritanos …

Nossos Pais adoraram neste monte, e vós dizeis que em Jerusalém está o lugar onde os homens devem adorar.

Jesus Disse-lhe: Mulheres, crede-me, vem a hora em que não havereis nem neste monte, nem em Jerusalém a Adorar o pai”.

Jesus um judeu e futuro pai do cristianismo, profecias que no culto futuro em Jerusalém Deve cessar, uma profecia bem de acordo com a crença samaritana, embora seja 2000 anos depois.

A questão Permanece sobre o futuro da crença samaritana no monte Gerizim.

Quanto a isso, o fato de que este estado judaico chamou Israel, ao invés da Judéia ou “o Estado judeu” Samaritano orgulho e alegria.

Os samaritanos cumprem seus deveres para com o Estado e a considerá-lo como seu estado e orar por seu bem-estar.

O estado de Israel reconhece os samaritanos como Israelenses, e em suas Identidades eles são registrados como judeus.

Os samaritanos celebram o dia da Independência de Israel como apenas festival adicional além dos 7 festivais do Pentateuco.

Mas, o samaritano, em suas orações diárias – manhã e Noite, todo sábado e feriado, jura e declara:

E Monte Gerizim Beth-El todos os dias de nossas vidas” – Isto é, a fé no Monte Gerizim é a própria essência da vida de um samaritano, sua própria razão para a existência.

E de fato, qualquer samaritano que se perdeu ou foi cortado do Monte Gerizim que estava perdido, que não esteja mais, esta oração diária personifica o segredo da existência samaritana – Monte Gerizim Beth-El todos os dias de nossas vidas.

Israel Tsedaka

A história de IIossi Sirrawi

Iossi Sirrawi é um homem idoso, vive na Comunidade Israelita Samaritana em Holon.

Ele necessita com urgência realizar um transplante de rim para salvar sua vida.

O procedimento cirúrgico entretanto é caro, envolve o valor de 680.000 shekels israelenses.

Todos podem ajudar a salvar sua vida.

Precisamos levantar fundos, mas até agora recolhemos apenas um décimo desse montante.

Como doar

1- Àqueles que doam de Israel e da Judeia e Samaria ou nas partes sob o controle da Autoridade Palestina, por favor, deposite em:

A caridade israelense para transplantadores de rim
Conta do Banco Leumi LeIsrael,
Ramo número 940
Conta número 7292736

2- Aos doadores que depositam doações de fora de Israel:

Por favor inscreva-se para salvar a vida de Yossi Sirrawi, transferindo sua doação para o:

A caridade israelense para transplantadores de rim
Conta do Banco Leumi LeIsrael,
Ramo número 940
Número de conta 7292736;
Swift: LUMILLIT940;
Código de encaminhamento: IL010940;
IBAN: il53 0109 4000 0000 7292 736

Na nota pessoal do depósito, por favor escreva: Para Yossi Sirrawi

Por favor, doe para salvar a vida de Yossi Sirrawi com a esperança de que em breve estabelecer uma família em Israel e na comunidade israelense Shomrey-Torah.

Obrigado

Benyamim Tsedaka

 

A história de Dhavi

O pequeno Dhavi Henrique Santiago de Aquino, 4 anos precisa de sua ajuda.

O garoto tem osteopetrose, doença que provoca o desenvolvimento de ossos muito densos e quebradiços.

“No caso dele, que nasceu com esse problema, somente o transplante de medula óssea pode curar”, frisa a mãe Laura Santiago de Oliveira, 32, que tem mais uma filha, Laysa, 15.

Ela lembra que os médicos tiveram dificuldade de chegar ao diagnóstico, ocorrido apenas em outubro do ano passado, atrasando a entrada do garoto na fila de espera pelo transplante.

Mais informações no site: Ameo – Associação da Medula Óssea

O pequeno Dhavi conta com sua ajuda.

Em razão disso, a doença, que dificulta o crescimento, fez Dhavi ficar com a visão de um dos olhos embaçada, perder os dentes e ter a audição prejudicada parcialmente.

“O problema pode causar ainda paralisia e falta de ar, porque os ossos vão comprimindo, e pode levar a morte por infecção. Vivemos um dia após o outro”, desabafa a mãe.

Para participar da campanha, você pode fazer doações em dinheiro.

Fizemos uma “vaquinha” para ajudar financeiramente o tratamento de Dhavi, cada um dá um “pouquinho”, com a ajuda de todos poderemos ajudar no tratamento de Dhavi.

Clique aqui e veja como é fácil ajudar ao Dhavi!

Você também pode doar sua medula, basta fazer seu cadastro no o Redome (Registro de doadores Voluntários de Medula Óssea), que reúne informações de pessoas dispostas a doar medula óssea.

Lá será coletada amostra de sangue para a tipagem de HLA  com as características genéticas importantes para a seleção de um doador.

Osteopetrose, literalmente “osso de pedra”, também conhecido como doença dos ossos de mármore e doença de Albers-Schonberg é uma desordem hereditária extremamente rara através do qual ocorre o endurecimento dos ossos, tornando-se mais densos, em contraste com condições mais prevalentes como a osteoporose, em que os ossos tornam-se menos densos e mais frágeis, ou a osteomalacia, em que os ossos enfraquecem. Tem uma incidência de 1 em 20.000 nascimentos e 1 em 200.000 adultos.

Jornal apresenta uma campanha de doação

Participe, colabore!

Hamsá, a idolatria disfarçada

O sincretismo judaico-islâmico.

Islamismo

Ela é um artefato místico, uma representação da mão de Fatima bint Muhammad, filha de Muhammad (Maomé) profeta islã.

Facilmente associada aos cinco mandamentos fundamentais que todo muçulmano precisa cumprir os chamados “cinco pilares do islã”:

  1. jejuar
  2. Observar as obrigações no mês do Ramadã
  3. Fazer a peregrinação a Meca
  4. Orar 5 vezes ao longo do dia diariamente
  5. Fazer caridade e professar e aceitar o credo.

Judaísmo

Também conhecida entre os judeus como “mão de Miriam”, Miriam fora a irmã de Moisés e Arão.

Seu uso como um amuleto de proteção é muito comum.

Seja pendurada no pescoço, ao lado da porta da casa, no automóvel como meio de prevenção contra acidentes, ou na carteira para servir contra o mau-olhado que possa afligir as finanças da pessoa, tal qual utilizam  também a estrela maguem david, a mezuza e o tefilim .

Budismo

É chamada de Abhaya Mudra e possui significado de dissipação do medo.

O destemor é uma das principais virtudes, é o fruto da perfeita auto-realização, significa o redescobrimento da não-dualidade.

Existem provas arqueológicas que mostram o símbolo da Hamsá utilizado como um escudo contra o mau-olhado já muito antes do surgimento do judaísmo ou do islã.

Atualmente os defensores da paz no Oriente Médio têm usado como símbolo para lembrar as raízes comuns do judaísmo e do islamismo buscando, nesse caso, um símbolo de paz e esperança

Uma Hamsá em forma de amuleto com um olho no meio.

A hamsá em árabe خمسة, chamsa – significa literalmente “cinco”, referindo-se aos cinco dedos da mão.

Este símbolo sinteticamente adotado pela fé judaica é também adotado pela fé islâmica, sendo um objeto com a aparência da palma da mão com cinco dedos estendidos, usado popularmente não só como um amuleto contra o mau olhado, mas também para afastar as energias negativas e trazer felicidade, sorte e fortuna.

 

 

Qual o significado da “Hamsa” para os judeus?

O Hamsa é um símbolo utilizado mais pela comunidade sefaradi, muito ligada com a parte mística e com “supostos sábios cabalistas“.

Devido ao forte misticismo ligado a ela, em sua representação com uma mão estilizada, seus cinco dedos representa os cinco níveis da alma, o órgão/canal através do qual uma pessoa abençoa outra, simbolizando portanto bênçãos e proteção.

Este também é o motivo pelo qual se vê muitas placas de automóveis escolhidos com os números “5”, onde presume-se que pertençam a sefaradim.

Ou seja, trata-se de uma “mandinga“,  uma “simpatia“.

Há também hamsás com forma de pombas semelhantes a uma mão.

Ela pode aparecer também como uma mão normal, com um polegar distinto do mindinho.

Frequentemente, possui o desenho de olhos, com pombos,peixes e estrelas de 6 pontas para fortalecer o seu simbolismo.

Em certas hamsás existem inscrições em hebraico, como a Shemá Israel.

A hamsá é usada como “amuleto” contra o mau-olhado.

É muito popular no Oriente Médio, especialmente no Egito.

A mão pode ser encontrada em diversas formas, desde joias até azulejos e chaveiros.

Pode ser encontrada em dois formatos:

Uma mão estilizada com um “dedão” de cada lado ou seguindo o formato de uma  normal.

A Hamsa traz um olho em seu centro, indicando proteção contra mau olhado.

O uso do olho no centro da mão é um amuleto antigo, mas ainda muito popular na proteção contra o mau olhado, na crendice de muitas religiões.

Combinando o olho que tudo vê grego e turco com a Hamsa árabe e judaica, é frequentemente encontrado na Índia e na região sul do Mediterrâneo.

Por serem grandes e frágeis, são usados como objetos de decoração, pendurados na parede para proteção, de preferência perto de uma porta ou do berço do bebê.

O olho na mão também aparece com conteúdo simbólico ambíguo entre os pequenos artefatos associados a culturas antigas que poderiam ou não acreditar em mau olhado, como as tribos do Mississípi, nos Estados Unidos.

Alguns arqueólogos especulam a possibilidade de a presença do olho na mão na América do Norte ser uma evidência de exploração pré-colombiana ou a colonização por marinheiros do Oriente Médio.

Outros acreditam que essa presença não passa de uma intrigante coincidência – e apenas isso

Embora o Alcorão vete o uso de amuletos, a hamsá é facilmente encontrada entre seguidores do Islã.

Os muçulmanos a associam aos cinco pilares do Islã, e também a chamam de mão de Fátima, sendo Fátima a filha preferida de Maomé.

Notadamente, a hamsá aparece, junto com outros símbolos islâmicos, o emblema da Algéria.

A hamsá também é popular entre os judeus, especialmente os sefarditas.

Os judeus inscrevem textos em hebraico, como a Shemá Israel, nas chamsás e também as chamam de mão de Miriam.

Miriam, no caso, foi a irmã de Moisés e Aarão.

O símbolo também é associado ao Torá, que é composto de cinco livros.

História

Existem evidências arqueológicas do uso da hamsá como um escudo contra o mau-olhado já antes do Judaísmo e do Islã.

Há indícios de que a hamsá seria um símbolo fenício, associado a Tanit, deusa-chefe de Cartago cuja mão ou vulva afastava o mal.

Posteriormente, o símbolo foi adotado pela cultura árabe, que o passou para os judeus.

A chamsa também aparece no Budismo; é chamada de Abhaya Mudra e possui conotação semelhante à descrita, significando a dissipação do medo.

Atualmente, defensores da paz no Oriente Médio têm usado a chamsá.

O símbolo lembraria as raízes comuns do judaísmo e do islamismo.

Nesse caso, não seria mais um talismã contra o mau-olhado, mas um símbolo de esperança de paz na conturbada região.

Hamsa… um amuleto idólatra.

O Hamsa ou Khamsa, cinco em árabe, é um amuleto de origem púnica, associada à deusa Tanit, que foi usado e ainda é usado no Norte da África e se espalhou pelo Mediterrâneo contra o mau-olhado, proteção contra doença e para afastar a má sorte.

Tanit (em fenício e púnico: ´TNT), Tinnit, Tennit ou Tannou era uma deusa púnica e fenícia e a principal divindade de Cartago juntamente com o seu consorte Baʿal Hammon.

O nome parece ser originário de Cartago, apesar de não aparecer nos nomes teóforos locais.

Era equivalente à deusa-lua Astarte e foi posteriormente venerada na Cartago romana na sua forma romanizada como Dea Caelestis, Juno Caelestis ou simplesmente Caelestis.

Na Tunísia atual é costume invocar “Oumek Tannou” (Mãe Tannou) nos anos de seca para trazer chuva; tal como se fala de agricultura “Baali” quando se trata de agricultura não irrigada, ou seja, que depende apenas do deus Baʿal Hammon e não da sua consorte.

Culto idólatra

Tanit foi adorada em contextos púnicos no Mediterrâneo Ocidental, de Malta a Gades (sul da península Ibérica), até ao período helenístico.

A partir do século V a.C., o culto de Tanit está associado ao de Baʿal Hammon.

É-lhe dado o epíteto de pene baal (“face de Baal“) e o título rabat, a forma feminina de rab (“chefe”).

No Norte de África, onde as inscrições e materiais são mais abundantes, ela era, além de consorte de Baal Hammon, uma deusa celestial da guerra, uma deusa-mãe virginal (não casada), enfermeira e, menos especificamente, um símbolo de fertilidade, como são a maior parte das formas femininas.

Várias deusas gregas importantes foram identificadas com Tanit pela sincrética interpretatio graeca, que reconhecia como divindades gregas em formas estrangeiras os deuses da maior parte das culturas não helênicas vizinhas.

O santuário de Tanit escavado em Sarepta, na Fenícia meridional, revelou uma inscrição que a identificou pela primeira vez na sua terra natal e a relacionou com segurança com a deusa fenícia Astarte (Ishtar).

Um dos locais onde Tanit foi descoberta foi Kerkuane, na península de cabo Bon, na Tunísia.

Sacrifícios de crianças

Moeda púnica cunhada em 215–205 aP.C. com a figura de Tanit
Moeda púnica cunhada em 215–205 aP.C. com a figura de Tanit

Estátua de Tanit com cabeça de leão; Museu Nacional do Bardo, Tunes
As origens de Tanit encontram-se no panteão de Ugarit, especialmente a deusa ugarítica Anat (Hvidberg-Hansen 1982), uma consumidora de sangue e carne. Há evidências significativas, embora disputadas, tanto arqueológicas como em certas fontes escritas, que apontam para sacrifícios de crianças como parte do culto de Tanit e Baal Hammon.

O sacrifício de crianças no culto de Tanit foi confirmado por achados arqueológicos no Tofete de Cartago e, segundo o cronista cristão norte-africano Tertuliano, ocorreu abertamente até ao reinado do imperador Tibério (r. 14–37 d.C.).[10][nt 4]

Outros usos

Tanit ainda continuou a ser venerada no Norte de África muito depois da queda de Cartago, sob o nome latino de Juno Caelestis, sendo identificada com a deusa romana Juno.[11]

Os antigos berberes do Norte de África também adotaram o culto púnico de Tanit.[12]

Em egípcio, o nome de Tanit significa “Terra de Neith” (Neith é uma deusa da guerra).

O seu símbolo, encontrado em muitos relevos em pedra, tem a aparência de um trapézio fechado por uma linha horizontal no topo e encimado no meio por um círculo: o braço horizontal é usualmente terminado por ganchos ou por duas linhas verticais curtas nos ângulos direitos.

Mais tarde, o trapézio é frequentemente substituído por um triângulo isósceles.

O símbolo é interpretado por Hvidberg-Hansen como uma mulher com as mãos erguidas.

Este académico dinamarquês de filologia semiótica nota que Tanit é por vezes representada com uma cabeça de leão, mostrando a sua qualidade guerreira.[13]

A hamsá, ou mão de Fátima, um talismã contra o mau-olhado comum no Norte de África e Médio Oriente, é tradicionalmente identificado como um símbolo de Tanit que foi assimilado pelo Islão tradicional como simbolizando a mão de Fátima, a filha dileta de Maomé.[14]

Essa identificação é, contudo, contestada por alguns académicos.[15]

Referências culturais

No romance histórico Salammbô, publicado em 1862 por Gustave Flaubert, a personagem que dá nome à obra é uma sacerdotisa de Tanit. Mâtho, a personagem masculina principal, um mercenário líbio rebelde em guerra com Cartago, entra no templo da deusa e rouba seu véu.[16]

Notas

Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Tanit», especificamente desta versão.

↑ «At Carthage the great goddess is called Tinnit (formerly read Tanit) […] It would seem that Tinnit is the specific Carthaginian form of Astarte, but strangely enough there are no theophorous names containing the element Tinnit, while there are a few with Astarte. The name seems to have originated in Carthage […]»
Tradução: “Em Cartago a grande deusa é chamada Tinnit (antes lida Tanit) […]

Seria de esperar que Tinnit fosse a forma cartaginesa específica de Astarte, mas estranhamente não há nomes teóforos que contenham o elemento Tinit, enquanto que há alguns com Astarte. O nome parece ter sido originado em Cartago […]”[4]

↑ «Ali, Juno Caelestis (ou simplesmente Caelestis, destinada a veneração considerável fora de África) é Tanit (Tinnit), a companheira feminina de Baal Hammon.»[5]

↑ Na inscrição lê-se TNT TTRT e pode identificar Tanit como um epíteto de Astarte em Sarepta, pois o elemento TNT não aparece em nomes tofóricos em contextos púnicos.[8]

↑ «Acima de tudo, a deusa lunar púnica Tanit não cessou de ser venerada na Cartago romana na sua forma romanizada como Dea Caelestis. O sacrifício de crianças associado a este culto foi levado a cabo ‘abertamente’, segundo o africano, cristão […]»[10]
Referências

↑ Miles 2012, p. 68.

↑ Hvidberg-Hansen 1982.

↑ Ahlström 1986.

↑ a b Bleeker & Widengren 1988, p. 209

↑ a b Momigliano 1987, p. 240.

↑ Markoe 2000, p. 130.

↑ Pritchard 1978.

↑ Ahlström 1986, p. 314.

↑ Markoe 2000, p. 136.

↑ a b Bowman, Champlin & Lintott 1996, p. 614

↑ Tate 2005, p. 137.

↑ Brett & Fentress 1997, p. 299

↑ Azize 2005, p. 177.

↑ Labyris, Ishara. «La Hamsa ou Main de Fatima» (em francês).
www.CelebrerLaDeesse.net. Consultado em 13 de maio de 2014

↑ Maçarico, Luís Filipe (2011). «”A mão que protege e a mão que chama:

orientalismo e efabulação, em torno de um objecto simbólico do Mediterrâneo” — tese de mestrado» (PDF). Sapientia, Repositório Institucional da Universidade do Algarve.

sapientia.ualg.pt. Consultado em 13 de maio de 2014

↑ Porter & Gray 2002, p. xxxi

Bibliografia

Ahlström, G. W. (outubro de 1986), Journal of Near Eastern Studies, 45 (4): 311–314

Azize, Joseph (2005), The Phoenician Solar Theology:

An Investigation Into the Phoenician Opinion of the Sun Found in Julian’s Hymn to King Helios, ISBN 9781593332105 (em inglês), Gorgias Press, consultado em 13 de maio de 2014
Bleeker, Claas Jouco;

Widengren, Geo (1988), Historia Religionum, Volume 1 Religions of the Past, ISBN 9789004089280 (em inglês), Brill, consultado em 13 de maio de 2014
Bowman, Alan K.;

Champlin, Edward;
Lintott, Andrew (1996), Boardman, John, ed., The Cambridge Ancient History, ISBN 9780521228046 (em inglês), 10, consultado em 13 de maio de 2014

Brett, Michael; Fentress, Elizabeth (1997), The Berbers, ISBN 9780631207672 (em inglês), Blackwell

Hvidberg-Hansen, F. O. (1982), La Déesse TNT: une étude sur la religion canaanéo-punique, ISBN 9788712900504 (em francês), 1, Copenhaga: Gad, consultado em 13 de maio de 2014

Markoe, Glenn (2000), Phoenicians, ISBN 9780520226142 (em inglês), University of California Press, OCLC 45096924

Miles, Richard (2012), Carthage Must Be Destroyed: The Rise and Fall of an Ancient Civilization, ISBN 9780143121299 (em inglês), Penguin Group

Momigliano, Arnaldo (1987), Ottavo contributo alla storia degli studi classici e del mondo antico, ISBN 9788887114201 (em inglês), Ed. di Storia e Letteratura, consultado em 13 de maio de 2014

Porter, Laurence M.; Gray, Eugene F. (2002), Gustave Flaubert’s Madame Bovary: A Reference Guide, ISBN 9780313319167 (em inglês), Greenwood Publishing Group, pp. Greenwood Publishing Group, consultado em 13 de maio de 2014

Pritchard, James B. (1978), Recovering Sarepta, a Phoenician City, ISBN 9780691002132 (em inglês), Princeton University Press

Tate, Karen (2005), Sacred Places of Goddess: 108 Destinations, ISBN 9781888729115 (em inglês), Consortium of Collective Consciousness

↑ Alan Silver (2008). Jews, Myth and History: A Critical Exploration of Contemporary Jewish Belief and Its Origins (em inglês). [S.l.]: Troubador Publishing Ltd. 201 páginas. ISBN 9781848760646

↑ Cherine Badawi (2004). Footprint Egypt (em inglês) Quarta edição ed. [S.l.]: Footprint Travel Guides. 510 páginas. ISBN 9781903471777

Bibliografia

Badawi, Cherine (2004). Footprint Egypt 4th, illustrated ed. [S.l.]: Footprint Travel Guides. ISBN 978-1-903471-77-7
Bernasek, Lisa; Peabody Museum of Archaeology and Ethnology; Burger, Hillel S. (2008). Artistry of the everyday: beauty and craftsmanship in Berber art Illustrated ed. [S.l.]: Peabody Museum Press, Harvard University. ISBN 0-87365-405-6, 9780873654050

Drazin, Israel (2009). Maimonides and the Biblical Prophets. [S.l.]: Gefen Publishing House Ltd. ISBN 965-229-430-6, 9789652294302

Evelyn A. Early (1993). Baladi women of Cairo: playing with an egg and a stone Illustrated ed. [S.l.]: Lynne Rienner Publishers. ISBN 1-55587-268-9, 9781555872687

Gomez, Aurelia (1996). Crafts of Many Cultures: 30 Authentic Craft Projects from Around the World. [S.l.]: Scholastic Inc. ISBN 0-590-49182-2, 9780590491822 Verifique |isbn= (ajuda)
Ham, Anthony; Bing, Alison (2007). Morocco 8th, illustrated ed. [S.l.]: Lonely Planet. ISBN 978-1-74059-974-0
M. Th. Houtsma (1993). M. Th. Houtsma, ed. E.J. Brill’s first encyclopedia of Islam, 1913–1936 Reprint ed. [S.l.]: BRILL. ISBN 90-04-09790-2, 9789004097902

Lent, J. M.; Bearman, Peri J.; Qureshi, Hakeem-Uddeen (1997). The encyclopaedia of Islam, new edition 2nd ed. [S.l.]: Brill. ISBN 978-90-04-10795-3
Lynch, Patricia Ann; Roberts, Jeremy (2010). African Mythology A to Z 2nd, revised ed. [S.l.]: Infobase Publishing. ISBN 1-60413-415-1, 9781604134155

McGuinness, Justin (2002). Footprint Tunisia Handbook 3rd, illustrated ed. [S.l.]: Footprint Travel Guides. ISBN 978-1-903471-28-9
Nocke, Alexandra (2009). The place of the Mediterranean in modern Israeli identity Illustrated ed. [S.l.]: BRILL. ISBN 90-04-17324-2, 978

Perennial Books (1970). Studies in comparative religion, Volumes 4–5. [S.l.]: University of California
Rajab, Jehan S. (1989). Palestinian costume Illustrated ed. [S.l.]: Kegan Paul. ISBN 978-0-7103-0283-0
Schimmel, Annemarie (1994). Deciphering the signs of God: a phenomenological approach to Islam. [S.l.]: SUNY Press. ISBN 0-7914-1982-7, 9780791419823

Shadur, Joseph; Shadur, Yehudit (2002). Traditional Jewish papercuts: an inner world of art and symbol Illustrated ed. [S.l.]: UPNE. ISBN 1-58465-165-2, 9781584651659

Shinar, Pessah (2004). Modern Islam in the Maghrib. [S.l.]: JSAI. ISBN 965-7258-02-2, 9789657258026

Silver, Alan (2008). Jews, Myth and History: A Critical Exploration of Contemporary Jewish Belief and Its Origins. [S.l.]: Troubador Publishing Ltd. ISBN 978-1-84876-064-6
Sonbol, Amira El Azhary (2005). Beyond the exotic: women’s histories in Islamic societies. [S.l.]: Syracuse University Press. ISBN 0-8156-3055-7, 9780815630555

Trumbull, Henry Clay (1896). The threshold covenant: or, The beginning of religious rites 2nd ed. [S.l.]: C. Scribner’s

World Institute for Advanced Phenomenological Research and Learning (Belmont, Estados Unidos) (1991). Anna-Teresa Tymieniecka, ed. Roman Ingarden’s aesthetics in a new key and the independent approaches of others: the performing arts, the fine arts, and literature, Volume 3. [S.l.]: Springer. ISBN 0-7923-1014-4, 9780792310143

Steinmetz, Sol (2005). Dictionary of Jewish usage: a guide to the use of Jewish terms. [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 0-7425-4387-0, 9780742543874 Verifique |isbn= (ajuda)
Zenner, Walter P. (1988). Persistence and flexibility: anthropological perspectives on the American Jewish experience Illustrated ed. [S.l.]: SUNY Press. ISBN 0-88706-748-4, 9780887067488

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hamsá
Hand of Fatima Meaning – Necklace of Hand of Miriam Handcrafted Jewelry (em inglês)
The Hamsa Hand (em inglês) Artigo no The ‘Lucky W’ Amulet Archive, com imagens

Mito de Osíris
Genocídio em Bangladesh em 1971
Jevdet Bei

A guarda do Shabat

A OBSERVÂNCIA DO SHABAT NA TRADIÇÃO ISRAELITA SAMARITANA

O Sétimo Dia é o Dia Santo

O sétimo dia da semana é o Shabat, o Dia Santo.

O Shabat começa na sexta-feira à noite no pôr do sol, e dura até o anoitecer na noite de sábado.

Na vida israelita Samaritana o sábado é diferente dos outros dias da semana.

As preparações são feitas para distinguir o sábado dos outros dias.

Os dias de Festa são observados como o sábado, seguindo a tradição estabelecida na Toráh.

Há duas diferenças:

Primeira diferença:
– Se um festival de peregrinação (Pessach, Shavuot ou Sucot) cai num dia de semana, então os adoradores pode ser levados ao local de peregrinação em um veículo conduzido por alguém que não seja membro da Comunidade Samaritana.

Isso permite que todo Samaritano Israelita cumpra seu desejo de visitar o lugar onde Shehmaa escolheu habitar o seu Nome.

Segunda diferença:
– Somos instruídos à salvar a vida, escolher a vida sobre a morte, para o bem ou para o mal.

Se um festival cai num dia de semana, em seguida, em uma situação de risco de vida ou morte, por exemplo, o parto ou doença grave, fazemos tudo para prestar primeiros socorros, mesmo que seja necessário transportar veículos (normalmente proibido no Shabat).

Samaritanos Israelitas consagram o Shabat e o observam a todo custo.

Na sexta-feira à tarde a comunidade e cada família se prepara para o Shabat.

Todos os membros da família contribuem para os preparativos para o receber o Shabat.

Os homens removem suas roupas do dia da semana e usam um roupão de corpo inteiro, que os cobrem desde os ombros até os pés.

Na primavera e verão usamos um que é feito com um tecido fino branco; no outono e inverno o vestuário é feito de lã.

Os botões fecham até o pescoço, onde existe um laço em torno da gola.

Há uma faixa na cintura feita a partir do mesmo tecido.

Cada um dos lados da peça de vestuário tem uma grande bolso, usado para a guarda de chaves de casa, e um lenço para uso no outono e inverno.

Na frente do manto um pequeno bolso, medindo 10 x 10 cm no máximo, usado para manter um relógio de bolso.

Portanto, o relógio de pulso substituiu o relógio de bolso, mesmo assim o bolso permanece.

PREPARANDO-SE PARA O SHABAT

A mãe e filhas da casa fazer os preparativos finais para o sábado.

Quando um casal não tem filhos, ou se os filhos são muito jovens, o marido ajuda sua esposa com os preparativos.

Se ela estiver sob as leis de pureza familiar que proibi ela de participar nos preparativos, então ele faz todos os preparativos para o Shabat.

Garrafas térmicas grandes são cheias com água quente.

Apenas nos sábados, serve-se em pratos dedicados que são mantidos na cozinha e na sala principal da casa onde as refeições são tomadas e a porção semanal da Toráh é lida.

A lâmpada permanece acesa principalmente para prevenir e tratar emergências, observando o mandamento:

“Não bloqueie o caminho de uma pessoa cega, porque na escuridão total toda pessoa é cega”.

Antes do sábado deve-se desligar todos os aparelhos eléctricos da casa e desligar o rádio, televisão, computador e telefone.

Dedicamos vinte e quatro horas para a reunião familiar no sábado.

Nós não cozinhamos, fumamos ou dirigimos no sábado.

A roupa especial de Shabat se restringe aos membros da comunidade para em sua própria vizinhança.

Nós também desligamos o refrigerador.

Os blocos congelados manter o frio da geladeira até o fim do sábado.

É proibido a utilização de um temporizador ou operar ferramentas eléctricas durante o sábado.

Isso violaria o mandamento:

“Não farás fogo em sua residência no dia de sábado”.

Há uma diferença de opinião na comunidade a eventual autorização da operação de condicionadores de ar no sábado, para alívio durante dias muito quentes de verão.

A maioria da comunidade no monte Garizim e Holon não os liga.

Os Sumos-Sacerdotes ainda não decidiram sobre esta questão, e continuam a procurar maneiras de aliviar o desconforto dos adoradores.

Um dos sacerdotes decidiu que em tempos de calor excessivo, o culto da manhã de sábado será juntado com a oração da tarde.

A decisão fica portanto a critério do Cantor que dirige as orações.

As mulheres, ainda vestidas com roupas de segunda a sexta, preparam as refeições dos sábados com antecedência(antes do sábado).

ALIMENTOS POPULARES – O MENU DO SÁBADO

  1. Frango recheado com arroz e feijão temperado, vagens verdes ou amarelas; arroz com legumes verdes cozidos e frango, polvilhado com limão e sal.
  2. Folhas de uva ou beterraba verdes, recheado com arroz e pequenos pedaços de miúdos de frango, com molho de tomate fresco.
  3. Fatias de batata cozida cozidos com frango e especiarias, conhecido como Tashtush.

Além disso, servimos pratos paralelos:

  • Saladas, vagens verde ou amarela. Vegetais verdes.
  • Arroz cozido com frango, polvilhado com sal de limão e azeite.
  • Salada de tomates verdes finamente picados, pepinos, rabanetes e alface, com um azeite de oliva, suco de limão fresco, sal e molho de ervas.

Quando os pratos quentes estão prontos, o cobri-los com um cobertor para reter o calor até voltarmos da Sinagoga.

Quando começa o sábado as senhoras vestem as suas melhores roupas em honra do sábado.

As mulheres só usam calças durante a semana, não no sábado.

O SERVIÇO DO SHABAT

Cerca de uma hora antes do pôr do chefe da família e seus filhos, os meninos vestem seus robes de shabat, e vão à sinagoga.

Na entrada para a sinagoga nós removemos o nossos sapatos, deixando meias em nossos pés no inverno, ou vamos com os pés descalços no verão.

Sapatos são colocados nas prateleiras fornecidas, ou no chão do pequeno hall de entrada da Sinagoga.

O piso quadrado do salão Sinagoga deve estar coberto com um tapete grosso de ponta a ponta.

É confortável se sentar com as pernas cruzadas ou em pé na posição vertical para orações.

Os muito idosos e enfermos podem se sentar em pequenas, banquetas leves.

Bancos ou prateleiras em torno das paredes que mantem a Torá e livros de rezas.

Na parte da frente da sinagoga fica o altar, dividido em duas partes.

Na traseira sentar o Hazam (Cantor) e o patriarca mais velho da comunidade.

Na frente, separados por uma cortina, fica a arca onde os rolos da Torá são mantidos em caixas de metal cilíndrica.

Os pergaminhos são erguidos ao alto durante a manhã e ao meio-dia nas orações do sábado, para abençoar a congregação.

Os adoradores sentar-se mais ou menos nos mesmos lugares na sinagoga.

Todos devem estar presentes.

Só a doença isenta os membros da comunidade de participar, e eles vão rezar em casa.

Cada adorador sabe o seu lugar.

Os hóspedes de fora da comunidade se sentam sempre na parte de trás da Sinagoga.

Aqueles que estão impuros no shabat (através de relações sexuais na noite anterior, ou acidentalmente tocar impureza, por exemplo), também podem orar.

Eles se sentam ao lado da parede traseira da sinagoga.

Não há constrangimento algum nisso, porque pode acontecer a qualquer um.

As mulheres não participam em todas as orações.

Elas frequentam a sinagoga em Yom Kippur(Dia da Expiação), sentas no fundo da sala.

No Shabat e dias festivos, frequentam a sinagoga por um curto período de tempo durante as orações matinais.

Elas recebem a bênção do sacerdote, em seguida, voltam para casa.

Claro que, quando estão em um estado impuro, as mulheres não estão autorizadas a participar na Sinagoga, ou tomar parte no sacrifício e peregrinações Páscoa.

SETE ORAÇÕES DE SHABAT

Adoradores recitam as sete orações no Shabat:

  • Duas consecutivas na véspera do Shabat;
  • Duas consecutivas na manhã do Shabat;
  • Duas consecutivas ao meio-dia e uma no final do sábado.
  • Todas as orações são realizadas sem sapatos, e com a cabeça coberta.

A ORAÇÃO DA VÉSPERA DO SHABAT NA SEXTA-FEIRA À NOITE

Benção do Shabat
Benção do Shabat

Durante a primeira oração, lemos todas as passagens da Torá que se relacionam com o sábado.

A segunda oração compreende poemas litúrgicos e orações.

As duas orações consecutivas começam a cerca de uma hora antes do pôr do sol, terminando quando o sol se põe.

Devemos nos sentar ou ficar de acordo com o contexto da oração, que é liderada pelo Hazam(Cantor).

A maioria das orações são recitadas de memória.

As crianças leem a partir de livros de oração até que eles também saibam as orações de cór.

Ao curvar-se, e se ajoelhar no chão, a cabeça toca o tapete e descansa as mãos abertas, que são colocadas lado a lado no tapete.

Há também uma posição de curvar-se durante orações onde é suficiente para inclinar a parte superior do corpo para a frente, a partir da cintura para cima, durante alguns segundos.

A maioria das orações são recitadas e cantadas em voz alta por todos os fiéis.

O Cantor tem apenas uma pequena parte na liturgia.

O final da oração do Cantor lembra-nos que é o Shabat .

Os adoradores respondem várias vezes, dizendo “Amém”.

Em seguida, se ajoelham e se prostam, para terminar a oração.

Então, todos nós nos cumprimentamos.

A benção de despedida do Cantor é “Shabbikon Taaben Yesi” (“Os teus sábados são bons”)

SHABBIKON TAABEN YESI
SHABBIKON TAABEN YESI

 

Os adoradores respondem:

“Shabbikon Taaben Yesi”  (“Os teus sábados são bons”)

Todos nós saímos pela mesma porta.

Cada um recoloca seu sapatos, e retorna rapidamente para casa onde sua família o espera.

Não existe visão mais emocionante do que adoradores deixando a sinagoga em suas vestes, reunindo-se rapidamente em casa em todas as direções.

Nós nos sentamos à mesa do Shabat , e cantamos canções de Shabat e recitamos a bênção sobre o vinho

“Maa shehna abyoomikimma kallaakimma yesi”  (“Que você viva cem anos”)

e  “Kal shehna watimma shaaloomem”   (“Que você tenha paz a cada ano”).

As senhoras da casa removem o cobertor que cobriu as panelas, e servem a comida.

Todos nós agora podemos comer tranquilamente.

O Shabat é uma oportunidade para toda a família se reunir, pais, filhos e netos.

Eles chegam após a refeição e sentam-se juntos por um tempo.

Chá e bolos que foram preparados para o Shabat são servidos.

Cada assunto do dia é discutido.

Duas horas antes da meia-noite, os membros da família vão se deitar, para acordar a tempo para a oração da manhã.

ORAÇÕES SHABAT MANHÃ

Para orações da manhã na sinagoga, adoradores usar um talit branco (xale de oração), feitos a partir de tecido de algodão simples, em forma de um robe.

O tallit cobre desde os ombros até os pés.

Ele possui fendas nas laterais esquerda e direita, permitindo o acesso aos bolsos da roupa.

No ombro direito há vinte e dois botões feitos do mesmo material que o talit de oração, e no ombro esquerdo há vinte e dois casas correspondentes aos botões.

O número simboliza o número de letras no alfabeto hebraico antigo a partir do qual a Toráh está escrita.

Como nos tempos antigos, o alfabeto hebraico não tem letras finais adicionais.

Na tradição Israelita Samaritana os botões e casas são o equivalente a tzitziot (franjas de oração).

Nem na vida diária, nem no Shabat, Samaritanos Israelitas usam Tefillin(filactérios), como são usados na tradição judaica rabínica.

Israelias Samaritanos consideram a palavra tefillin como uma metáfora para lembrar.

Interpretamos não como uma pequena caixa física que contém um texto bíblico, mas como sinônimo de “lembre-se”.

Desta forma, eles obedecem aos mandamentos:

“E eles vão ser um sinal em seu braço e um lembrete entre os seus olhos”

e também

“Você vai lembrar de todos os mandamentos de Shehmaa”.

O Cantor carrega o rolo da Torá e a apresenta diante dos adoradores.

Usa um xale de oração branco de seda em azul e branco ou em verde e branco, com borlas.

Ele só o usa durante o curto período de tempo que ele está carregando o rolo da Toráh coberta.

Quando ele retorna o rolo da Torá para a arca, ele dobra o xale de oração de seda, e coloca-o na arca.

Nós usamos o nosso talit de oração sobre o nosso manto para ir à sinagoga.

A oração começa três horas e meia da manhã e termina às seis da manhã.

A oração inclui versos da Torá e poemas litúrgicos.

Assim, a primeira sessão de oração é concluído.

A segunda oração da manhã é a leitura da porção semanal da Toráh.

Nós deixamos a sinagoga, dividida em pequenos grupos de 10-15 pessoas de acordo com parentesco, e vamos para a casa do membro mais velho do grupo.

Nós ficamos sentados sobre o tapete ao longo da parede da sala maior da casa, e começam a cantar a porção semanal da Toráh.

Homens e mulheres, meninos e meninas de todas as idades podem participar na leitura.

A porção é dividida em passagens.

Cada participante canta uma passagem em um ritmo lento.

Se houver mais passagens do que os participantes, uma segunda rodada é feita, cada um, em seguida, pode ler em um ritmo mais rápido.

No final da leitura a dona da casa com as meninas servir xícaras de chá, bolos e doces.

Fazemos uma conversa animada e às vezes barulhenta, e então cada um retorna para casa para comer o pequeno almoço.

As primeiras horas da manhã do Shabat são dedicadas para descansar e dormir até chegar ao momento das orações do meio-dia.

O pequeno-almoço inclui diversas e gostosas saladas o que é muito gratificante.

Recomenda-se a prepara-las de acordo com o livro:

“As Maravilhas da cozinha Israelita Samaritana”, escrito pelas irmãs Batia Tsedaka e Zippora Sassoni, editado por: Benyamim Tsedaka; Publicado por A. B. – Instituto de Estudos Samaritano Press, Holon, 2011.

Os ingredientes da salada foram colocados na geladeira desligada desde sexta-feira à tarde.

Especiarias, limão, tahini e azeite são adicionados.

Nós bebemos refrigerantes e alguns desfrutam de vinho com moderação.

Comendo a salada normalmente satisfaz o apetite por todo o dia até o fim do sábado.

Tomando o café da manhã preparado, as senhoras usam vestidos finos, camisas e ternos que complementam a sua beleza, e saem para visitar vizinhos ou receber amigos e parentes em suas casas.

A ORAÇÃO DO MEIO DIA DO SHABAT

Ao meio-dia, ou as 13:00hs no horário de verão, nos reunimos na sinagoga para as duas orações do meio-dia.

A primeira oração inclui versos do Torá e poemas litúrgicos.

A segunda oração inclui liturgia e uma leitura calma da porção semanal da Torá em um ritmo mais rápido do que na parte da manhã.

Leitura alterna entre aqueles que se sentam nos lados esquerdo e direito da sinagoga.

Aqueles que se sentam à direita começar a ler o primeiro verso, e quando chegar a meio, os da esquerda começa a ler o segundo verso.

E assim por diante, alternadamente, até chegar ao fim da porção de Tora.

Concluímos com um poema curto litúrgico, e voltamos para nossas casas vestindo o robe talit branco.
O Cantor despede-se dos adoradores com a bênção:

“Shabbikon Taaben Yesi”.

Os adoradores respondem com as mesmas palavras.

Nós tiramos o nosso Talit de oração.

Uma refeição ligeira nos espera em casa.

Durante o inverno, comemos alguma iguaria fria e no verão, queijo branco caseiro com pedaços de melancia.

APÓS O MEIO DIA DO SHABAT – A TARDE

Nós passamos a tarde e início da noite do sábado visitando a amigos e parentes.

Se alguém foi hospitalizado e ficou em casa no Shabat , todos o visitam e perguntam como ele ou ela está se sentindo.

Ficamos alegres por visitar os parentes.

A tarde é também uma oportunidade para as crianças e adolescentes se reunir e ler as porções da Torá, incluindo a porção da Toráh para a semana seguinte.

Isto é para ensinarmos os jovens a ler a Toráh corretamente.

Eles aprendem os cantos e a liturgias com os sábios, para que eles possam continuar a tradição na Sinagoga aos sábados e festivais futuros.

O FIM DA ORAÇÃO DO SHABAT

O fim das orações do Shabat começam meia hora antes do pôr do sol, e terminam quando o sol se põe.

As orações são realizadas usando mantos, sem o talit de oração, a menos que a oração para um novo mês caia no final do sábado: neste caso, usar o talit de oração.

Um elemento central da oração é uma liturgia antiga para o final do sábado.

Concluímos com uma oração final.
O patriarca despede os adoradores com a bênção:

“Ashshehlaam ‘aleekimma” (“Shalom a todos” – “A paz esteja convosco”).

E eles respondem:

“Alek Ashshehlaam”  (“E a paz esteja com você”).

Nós voltamos para nossas casas depois das orações, e juntos cantamos o louvor a Moshe:

“Ashshehlaam ‘al Mooshe”  (“Elogio a Moses”).

A dona da casa serve café em copos pequenos.

Este é o início de uma nova semana.

Tiramos nossas vestes, a dobramos, colocamos no guarda-roupa, e vestimos em nossas roupas de segunda a sexta.

Se o Shabat cai no início, ou durante um festival, a oração da manhã é especialmente longa.

Começa às 02:00hs e termina em torno de 09:00hs.

Nesse caso não há nenhuma sessão de oração do meio-dia, e a porção semanal da Toráh não é lida.

A sessão de oração no Yom Kippur(Dia do Perdão) dura cerca de 25 horas, desde a tarde até à noite, sem uma pausa.

Se um Brit Milá(circuncisão) tem lugar no Shabat, nós interrompemos as orações durante a cerimônia, e depois voltar para a sinagoga para continuar as orações.

Texto: Beyamim Tsedaka.
 Tradução e revisão livre - Ariel Haddad Ben Abraahm

 

Colabore

Seja um colaborador, participe do seu Portal da Torá.

Turma presencial do curso de hebraico nível 1

Faça aqui sua doação.

Conta Doação

Conta para Depósito ou transferência.

Ou se preferir, utilize boleto Boleto Bancário, ou cartão, de forma segura pelo PagSeguro.





Que o Criador recompense a todos.

Abraços e Shalom.

Dibbuk – Reencarnação

NAS RELIGIÕES DA SUMÉRIA, BABILÔNIA E ACADIANAS.

A Mesopotâmia é a denominação de um planalto de origem vulcânica localizado no Oriente Médio, delimitado entre os vales dos rios Tigre e Eufrates, ocupado pelo atual território do Iraque e terras próximas.

O Chacal - Egipcio
O Chacal Egípcio (me-su) 

Civilizações que datam de 6.000 a 4.000 a. C, já ensinavam como algo muito natural, a ideia da reencarnação, na Suméria e na Babilônia ela era generalizada, assim como a prática da mediunidade.

A perspectiva desta ideia no Egito antigo porém, teve um outro desenvolvimento, no livro dos mortos há as etapas de passagem de uma alma após a morte para a sua vida subsequente, mas não implicitamente sobre a retomada de um novo corpo, tendo em vista todos os preparos funerários pela mumificação.

Mas como em todos os povos e religiões encontramos as dissidências, alguns apontamentos contrários encontram evidências na figura do Chacal, seu nome era Me-su, que significa “Nascer”!

Os egípcios usavam totens de animais como símbolos para os fenômenos naturais, e a figura do Chacal estava relacionada ao processo da morte e do nascimento.

Dessa forma, a simbologia de três peles de chacais consecutivas representaria múltiplas reencarnações ou renascimentos, segundo sugere um estudo publicado na obra (FROM LIGHT INTO DARKNESS, DE STEPHEN S. MEHLER — ADVENTURES UNLIMITED PRESS: KEMPTON, IL, 2005— P. 109, 146.)

Ba
Ba

Os conceitos de Ba e Ka também sugerem a reencarnação na crença egípcia.

O termo Ba aparenta implicar em um fenômeno como a transcendência da alma (Espírito), descrita no mesmo livro citado anteriormente.

O conceito de Ka aparenta ser uma abstração do conceito de Ba, como uma espécie de ligação entre a alma e o corpo, como na encarnação (seria o perispírito?).

Ankh
Ankh

Por fim, o conceito de Ankh, tem sido interpretado de forma a significar a imortalidade da alma.

Como podemos ver, a reencarnação também estava presente na cultura suméria, babilônia e egípcia.

Ka
Ka

Hieróglifo é um termo originário de duas palavras gregas: ἱερός (hierós) “sagrado”, e γλύφειν (glýphein) “escrita”.

Apenas os sacerdotes, membros da realeza, altos cargos, e escribas conheciam a arte de ler e escrever esses sinais “sagrados”.

NO HINDUÍSMO

Terceiro dos três períodos da religião indiana, caracterizado por um extremo pluralismo de cultos, deuses e seitas; neobramanismo, neo-hinduísmo [Estendendo-se do sVI a.C. aos dias atuais, o hinduísmo sofre o impacto de religiões estrangeiras (cristianismo, islamismo), religiões indianas heterodoxas (budismo, jainismo, siquismo), escolas filosóficas e místicas (dársanas e sufismo); na mistura de monoteísmo, politeísmo e panteísmo, intensifica-se o caráter pluralista e sincrético que está na origem da própria religião indiana.].

Em seu corpo de ensino o hinduísmo deixa claro que a alma sobrevive a morte do corpo, e o indivíduo, passa um tempo mais ou menos longo em outras esferas, para então retomar um novo corpo.

Este corpo poderá ser do sexo oposto ao da última encarnação, e em certos casos a alma pode tomar o corpo de um animal.

Ele introduz o conceito de Karma, ou seja, a ideia de que as condições em que se nasce varia de acordo com a conduta adotada nas suas existências pretéritas.

A vida na terra é considerada de modo geral como indesejada e punitiva, pela natureza material e moralmente inferior.

A alma deve passar por muitas encarnações neste globo, até que se purifique e tome características cada vez menos individuais até integrar-se em no todo, ou por outra, integrar-se ao Espírito Infinito, Grande Espírito ou, como queiramos chamar Deus, através do ápice da pureza, denominada Nirvana.

Em interessante descrição, encontramos um trecho no Bhagavad Gita, diálogo entre o Krishna e Arjuna, no campo de batalha.

…Os sábios não lamentam nem os vivos nem os mortos. Nunca houve nenhum tempo em que Eu fosse inexistente, nem você, e nem haverá futuro em que não existiremos. Como a alma que se encarna passa sucessivamente, no mesmo corpo, da infância à juventude e à velhice, o mesmo se dá pela transmigração de um corpo a outro. E os sábios não se perturbam com isso. Oh, Arjuna, somente pela interação dos sentidos existe frio, calor, prazer e dor. Essas coisas são temporárias, surgindo e desaparecendo.

Então tente tolerar isso.

Ó valoroso entre os homens, saiba que quem mantém um sábio julgamento na tristeza ou na alegria, e em ambas se mantém imperturbável, é digno da liberação (Nirvana).

Os sabedores da Verdade concluíram, estudando a natureza dos dois: no irreal não há duração, e no real não há cessação.

Aquilo que pelo corpo se espalha é de natureza eterna.

Ninguém pode destruir a nossa alma imperecível.

Só o corpo material certamente morrerá, mas a alma é eterna em existência, indestrutível e infinita. (…)

Quem pensa que a alma (ayam) pode matar ou morrer não entende a realidade, mas quem tem conhecimento sabe que a alma não mata e não pode ser morta.

Nem nascimento nem morte pode acontecer a alma. Ela existe eternamente, e nunca é destruída quando o corpo perece.

Oh, Arjuna, como pode alguém que sabe que a alma é eterna, não-nascida e indestrutível e imperecível causar a morte de alguma pessoa?

E a quem ele mata?

Como quem muda de roupa e abandona as roupas velhas, a alma aceita um novo corpo descartando o corpo inútil.

Ninguém pode ferir a alma com nenhuma espécie de arma; não há fogo que a queime; a água não pode molhá-la nem pode o vento secá-la.

Nossa alma individual sendo imóvel e imutável, insolúvel, inquebrável e primordial.

Sabendo, pois, que a alma é imperceptível, inconcebível e imutável, é impróprio pra você se lamentar.

(Bhagavad Gita cap. 2; 11-25)

O hinduísmo também possui vertentes, cada vertente procura explicar os detalhes pelo qual se processam estes estágios da alma até o nirvana, variam em suas formas e detalhes porém preservam no fundo os mesmos ensinos primordiais.

BUDISMO

(páli/sânscrito: बौद्ध धर्म Buddha Dharma) é uma filosofia ou religião não teísta que abrange diversas tradições, crenças e práticas geralmente baseadas nos ensinamentos de Buda.

Engloba escolas como o Teravada, Zen,Terra Pura e o budismo tibetano, se espalhou mais pelo Tibete, China e Japão.

Várias fontes colocam o número de budistas no mundo entre 230 milhões e 500 milhões, sendo assim a quinta maior religião do mundo.

Compartilha alguns conceitos do Hinduísmo, mas possui consideráveis diferenças, também entre suas vertentes.

O budismo Theravada largamente encontrado no sudoeste da Ásia, ensina que nenhuma personalidade individual persiste após a morte do corpo, como a chama de uma vela quase extinta pode ser utilizada para alimentar uma nova chama.

Após a morte, esta “chama” ficaria em estado latente no mundo espiritual, até ser reutilizada para ingressar novamente no terreno material. Como no hinduísmo o Karma é que determinará a nova natureza da existência que esta nova existência irá habitar.

E o conceito de reencarnação é antes substituído pelo termo renascimento.

Nesta vertente do budismo a lei do Karma é vista como natural, ou seja, como as leis da Física, embora as circunstâncias deste novo renascimento não sejam vistas como compensações ou castigos controlados por um Deus, mas simplesmente uma consequência das boas ou más ações no campo terrestre.

Também, o ciclo de renascimentos objetiva a purificação do ser, poder-se-á realizar em uma inumerável diversidade de corpos humanos ou não, na terra ou em outros planos do universo.

Implica inevitavelmente na experiência através do sofrimento até o alcance da purificação, estágio também exprimido por nirvana.

GRÉCIA ANTIGA

Termo geralmente usado para descrever o mundo antigo grego e áreas próximas (tais como Chipre, Anatólia, sul da Itália, da França e costa do mar Egeu, além de assentamentos gregos no litoral de outros países, como o Egito)

Berço dos maiores desenvolvimentos sobre a ideia da reencarnação, os gregos, profundos filósofos e conhecedores do assunto, o desenvolveram ao ponto torná-lo um corpo de ensino, hoje classificado como uma doutrina completa.

Os primeiros registros são do legendário Orpheus apontado como sendo somente um conto da mitologia, porém foi com Pitágoras que a ideia tornou-se um ensino escrito, em seguida Sócrates, pelo desenvolvimento, seguido por seu leal apóstolo, Platão, que por sua vez foi seguido por Aristóteles o pai da metafísica, e sucedido por Theophrastus.

Os gregos deram a esta ideia, forma, características e analogias que podiam ser compreendidas e assimiladas facilmente, pela lógica e pela razão, tão fortemente invocadas quando tratamos sobre as revelações dadas pelos espíritos através da prática mediúnica.

MULÇUMANOS XIITAS

Os xiitas (em árabe: شيعة , Shīʿah, abreviatura de شيعة علي, Shīʻatu ʻAlī, “partido de Ali”) são o segundo maior ramo de crentes do Islã, constituindo 16% do total dos muçulmanos (o maior ramo é o dos muçulmanos sunitas, que são 84% da totalidade dos muçulmanos).

Um número de grupos desta vertente religiosa, encontrada abundantemente no oeste da Ásia, baseia-se na teoria da reencarnação, com algumas ressalvas.

Os Drusos no Líbano e na Síria, e os Alevis na Turquia, preservam o ensino da reencarnação sem o conceito de Karma, como no Hinduísmo e no Budismo.

Ao invés, eles acreditam que quem determina a natureza da existência futura é Deus, quando Ele envia as almas para o inferno ou o céu de acordo com as qualidades morais que cultivem durante as existências terrenas.

Os Drusos em especial acreditam que a reencarnação se dá imediatamente após a morte corporal e em em famílias distintas, mas dentro do seu povo, portanto não havendo qualquer tempo para se porem em relação no mundo espiritual.

Os Alevis por sua vez, acreditam que a reencarnação pode ocorrer também em corpos não humanos, os Drusos não, para estes últimos a reencarnação só se dará entre seu próprio povo.

Nenhum deles porém, acredita ser possível reencarnar aleatoriamente com corpos masculinos ou femininos.

JUDAÍSMO

Em hebraico: יהדות, Yahadút é uma das três principais religiões abraâmicas, definida como “religião, filosofia e modo de vida” do povo judeu.

Originário da Torá Escrita e da Bíblia Hebraica (também conhecida como Tanakh) e explorado em textos posteriores, como o Talmud, é considerado pelos judeus religiosos como a expressão do relacionamento e da aliança desenvolvida entre Deus com os Filhos de Israel.

Embora a reencarnação não seja caraterística das principais vertentes do Judaísmo e do Cristianismo, ela é encontrada em diversos grupos dissidentes.

No Judaísmo a Kabalah e seu corpo de ensino é baseado em uma interpretação esotérica das escrituras dos hebreus, inclui a reencarnação como explicação para Justiça Divina.

No Judaísmo Hassídico, também encontramos em seu corpo de ensino a reencarnação, embora com algumas ressalvas.

Usando a Kabalah, tentam esclarecer temas como a criação do mundo, caminhos e modos da ação divina no mundo material, influências dos mundos espirituais sobre o mesmo, bem como outras questões espirituais em geral e temas relacionados à transmigração da alma (reencarnação), sobre a qual há grande divergência no modo de pensar judaico especialmente entre aqueles que aderem à ciência kabalística.

Sua segunda divisão, reprovada por muitos rabinos, mesmo tratando-se dos que aderem aos estudos kabalísticos, chamada “kabalá ma’assit” – inclui sistemas de ações semelhantes às utilizadas nos antigos povos do Oriente, como os de Aram Soba, que criam que por meio de ações humanas conseguiam mover a seu favor a “vontade e a energia cósmica”, ou seja, similar à conhecida magia (branca e negra).

Aos que desejam iniciar-se nos conhecimentos cabalísticos, aconselha-se que façam-no através dos livros de Rabi Mochê Haiim Luzzatto, começando com o livro intitulado “Derekh Ha-Shem” (O caminho de Deus), após o qual segue-se uma série de escritos do mesmo autor, como “Adir ba-Marom” (“O Poderoso no Alto”), “Os Cento e Trinta e Oito Portais da Sabedoria”, “O Conhecimento das Compreensões, “Os Novos Carmas”, “Os segredos Ocultos e “Os Setenta Carmas”, “Portais de Rabi M. H. Luzzatto”, “Segredos de R. M. H. Luzzato” e o “Livro das Regras” – e só depois adentrar os escritos de Rabi Mochê Cordovero e Isaac Luria, bem como o Zôhar e demais obras desta classe.

 

CRISTIANISMO

(do grego Xριστός, “Christós”, messias) é uma religião abraâmica monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento.

A fé cristã acredita essencialmente em Jesus como o Cristo, Filho de Deus, Salvador e Senhor.

No Cristianismo alguns grupos, como os Gnósticos, acreditam na reencarnação.

É possível, que os cristãos dos tempos das catacumbas, onde viviam as escondidas da ira romana, também baseavam-se na reencarnação como a exemplificação prática da Justiça Divina sobre as sociedades, tal como a prática da mediunidade curativa.

No Sudeste da Europa, os cristãos mantinham o ensino da reencarnação até o conselho de Constantinopla ocorrida em 553 a.C.

Alguns cristãos alegavam encontrar este ensinamento na passagem do Novo Testamento no livro de Mateus quando Jesus afirma que João Batista, era o próprio profeta Elias, renascido.

Há muitas outras referências sobre a reencarnação nos Evangelhos de Jesus, porém muitos foram escritos muitos anos após seu ensino público.

Porém, mesmo após muitas revisões “oficiais” da Igreja, pelas versões em Aramaico, Grego e Latim, os textos continuam com os mesmos apontamentos. Apesar da tentativa de suprimi-los em detrimento de interesses nem sempre nobres.

Para o desenvolvimento deste cenário apresentado, recomendamos um artigo de J. Herculano Pires, profundo conhecedor do assunto, intitulado Visão Espírita da Bíblia.

Onde apresenta passagens da bíblia à luz dos ensinos espíritas, com a chave que a Doutrina dá para o entendimento desta obra.

ENTRE ALGUNS POVOS

TAOÍSMO – na cultura chinesa, doutrina mística e filosófica formulada no s. VI a.C. por Lao Tsé e desenvolvida a partir de então por inúmeros epígonos, que enfatiza a integração do ser humano à realidade cósmica primordial, o tau, por meio de uma existência natural, espontânea e serena [Seu caráter contemplativo, na vida religiosa chinesa, é o principal rival do racionalismo pragmático que caracteriza o confucianismo. ].

Antigos textos chineses não falam muito a respeito, embora o I Ching de aproximadamente 2500 a. C. refere-se aos eternos ciclos de vida e desenvolvimento multidimensional que poderia envolver muitas existências.

Aproximadamente 200 anos depois de Buda, os conceitos do budismo como apresentados anteriormente neste artigo, foram incorporados no Taoismo chinês.

Muitos acadêmicos referem-se aos Teutões, Celtas e Gauleses como povos que aceitavam a realidade da reencarnação.

Outras referências históricas incluem as sagas dos homens do norte da Bretanha, também os Druidas, os Eskimós, os Sioux, Zunis e os Incas, além das lendas dos povos do Pacífico, Havaí, Austrália e dos mares ao Sul. No oriente, incluindo o Japão e a Rússia oriental, e tais histórias são detalhadas e persuasivas. Entre os nativos sul-americanos temos os Incas, os Maias e os Aztecas.

NO ESPIRITUALISMO MODERNO

Após os episódios em Hydesville, e pouco tempo depois em Rochester na América do Norte, o mundo teve contato de forma ostensiva com a fenomenologia mediúnica que rapidamente se verificou em várias partes do mundo, o que antes era restrito a círculos restritos de seitas e doutrinas secretas. Os Espíritos, ou antes, a alma dos homens que viveram sobre a terra, vieram nos ensinar sobre a realidade espiritual, exprimindo-se de acordo com seu maior ou menor conhecimento e experiência, no estado de Espíritos libertos da matéria.

Nestes ensinos, muitas revelações foram feitas, cada uma com suas particularidades inerentes a elevação maior ou menor dos espíritos que se comunicavam. Nesta série de ensinos, porém, muitas informações foram reveladas de forma universal, ou seja, em vários lugares do mundo, recebidas por médiuns desconhecidos entre si, e que obtinham tais revelações como ideias estranhas as suas próprias, mas todas concordantes pelo fundo.

O Espiritualismo Moderno, movimento diferente do Espiritualismo Antigo ou apenas Espiritualismo que baseava-se mais em uma série de ritos e cultos aos mortos através da necromancia, o que não se verificava neste novo movimento, separou-se em diversas escolas, que pretendiam expor a predominância das ideias de cada uma sobre a outra, mas que como já dissemos, eram unânimes no fundo.

Tem se a errônea ideia de que todas as escolas do Espiritualismo Moderno, negavam a ideia da reencarnação. Isto não está correto, e lançando os olhos sobre muitos livros e artigos de diversos Jornais e Revistas sobre ao tema Espiritualismo Moderno, publicados na América do Norte na Europa e na Ásia, descobrimos que eles evidenciam o contrário. É correto afirmar que a maioria das escolas americanas e inglesas, não aceitava tal teoria, embora não à ignorassem, consideravam como uma influência de Espíritos mistificadores e ignorantes, de culturas atrasadas do oriente. De modo que evitavam tratar do tema, e demonstravam preciosismo ao defender que eram ridículas as evidências levantadas pelas demais escolas, como a francesa de Allan Kardec por exemplo.

A teoria da reencarnação é um remédio amargo, bem o sabemos, e a simples ideia de ter que retornar para este mundo de misérias e sofrimentos, causa certo desconforto e embaraço a qualquer um. Mas o que quereríamos que fosse nem sempre corresponde ao que verificamos nas leis da natureza, e estas nem sempre estão à mercê de nossos anseios e expectativas particulares.

Em meados 1890, as escolas do Espiritualismo Moderno, começaram a ceder à ideia da reencarnação, o Espiritismo e seu método de aferição universal, começa a arrastar torrencialmente os homens pela razão e pela lógica, e influenciou muito estas escolas do Espiritualismo inglês e americano. Já em 1900, estas escolas começam a incorporar largamente os ensinos da reencarnação dada pelos Espíritos, e podemos concluir que o Espiritismo teve grande colaboração nesta transformação, ainda assim, o ensino não se generalizou.

NO ESPIRITISMO

Em 1857, Hypolite Leon Denisard Rivail ou seja, Allan Kardec, pseudônimo adotado para a publicação das obras que compõe a codificação espírita, fundava na França, mas para o resto do mundo, a Doutrina Espírita, movimento considerado pelo Espiritualismo Moderno.

A Doutrina Espírita, fundada nas bases de uma ciência de observação e uma filosofia de consequências morais, desde o seu alvorecer, edificou-se sobre a Pluralidade das Existências, indo a fundo na confirmação deste ensino através de seu método de aferição (C.U.E.E. – Controle Universal de Ensino dos Espíritos), tema sensível que nenhuma outra escola inglesa ou americana abordou de forma tão detalhada.

Demonstrando com clareza meridiana, e exemplos práticos, ou por outra; em linguagem e analogias acessíveis para as pessoas em qualquer grau de instrução, a reencarnação tornou-se pilastra fundamental deste corpo de ensino; consequentemente apresenta a Justiça Divina, em toda a sua glória e perfeição.

A mensagem que ecoa através dos tempos, e que se funda no ensino dos Espíritos, não somente pelo Espiritismo e Espiritualismo Moderno, mas por todas as vertentes de ensino sobre a vida futura, vida e morte, pode ser simplificada pelos seguintes pontos:

  • O Homem é dotado de um elemento espiritual, ou, Espírito. Este Espírito é imortal, e continua a viver após a morte do corpo, como também preexiste antes de nascer.
  • Uma vez que conquiste sua individualidade, jamais a perde, e o que teve inicio nas mãos do Criador Absoluto, não terá fim.
  • O céu e o inferno, são estados temporários da mente, que variam de acordo com a natureza da vida que o homem teve enquanto na terra ou em outros mundos. Poderá no entanto sair de um e de outro, de acordo com o êxito das provas que escolher cumprir. Jamais poderá entretanto, retroceder.
  • Deus é a Suprema Inteligência do Universo, e jamais abandona qualquer de suas criaturas ao sofrimento eterno, dá a eles a chance de se arrependerem e de retomarem o caminho do bem. Tantas quantas vezes forem necessárias até que retorne ao caminho do progresso. Pode estacionar-se temporariamente, mas cedo ou tarde, deverá progredir.
  • Todos são criados simples e ignorantes com igual aptidão para progredir por seus esforços. As dores e sofrimentos são antes, consequências de sua má conduta do que uma fatalidade.
  • Existem muitas esferas e moradas celestiais no universo, e o Espírito livre do corpo, habitará uma que esteja de acordo com a sua elevação moral. E poderá galgar lugares mais elevados de acordo com o progresso que realizar em si. Até a purificação absoluta, onde não mais sofrerá provas ou expiações, e tomará seu lugar na obra da criação, fazendo cumprir os desejos do Criador, recebidos diretamente Dele.

ISRAELITAS SAMARITANOS

Não há qualquer forma de crença em uma possível reencarnação.

Israelitas samaritanos não possuem tal crença!

Acreditam que o homem ao morrer, vai para o mundo das almas, onde aguarda o dia do juízo final, onde todos seres humanos serão julgados por seus atos diante do Criador.

CONCLUSÃO

Procuramos demonstrar que na história da humanidade a ideia da reencarnação e suas implicações no destino do ser, sempre existiram, que não é uma moda da nova era, nem um ensinamento novo.

Também não procuramos concluir sua veracidade, nos limitando a expor um histórico razoável, porém super simplificado sobre esse ponto sensível; desejamos que o estudante ou o pesquisador possa encaminhar o assunto para suas próprias conclusões.

REFERENCIAS:

[ The Enigma of the Hereafter, Paul Siwek – PDF online]

[ Reincarnation: The Hope of the World, Irving S. Cooper – Google Docs]

[ http://www.deathreference.com/Py-Se/Reincarnation.html ]

[ https://falhasespiritismo.org/tag/ian-stevenson/ ]

[ Reincarnation History – The Experiment ]

Harvey, Peter. An Introduction to Buddhism: Teachings, History and Practices. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

Stevenson, Ian. Children Who Remember Previous Lives: A Question of Reincarnation, revised edition. Jefferson, NC: McFarland and Company, 2001.
Mills, Antonia, and Richard Slobodin, eds. Amerindian Rebirth: Reincarnation Belief among North American Indians and Inuit. Toronto: University of Toronto Press, 1994.