Lição nº 41– O ciclo do Shabat e Festas – O Ano Novo Hebreu e a Páscoa

O Ano Novo Hebreu e a Páscoa

Na Torá, Êxodo, 12: 2 lemos: “Este mês é para você, o chefe dos meses, primeiro dos meses do ano.”
05
Êxodo, 12: 1:2 

א ויאמר יהוה אל משה ואל אהרן בארץ מצרים לאמר
ב החדש הזה לכם ראש חדשים  ראשון הוא לכם לחדשי השנה

1- E falou o Shehmaa a Mooshe e a Aharon na terra do Egito, dizendo:

2- Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.

A versão tradicional judaica da Torá diz que “Cabeça dos meses”, sem “O” mas a continuação do verso, “Primeiro dos Meses do Ano” não deixa dúvidas de que este é o Ano Novo Hebraico original, como é claro de Levítico capítulo 23 que a Páscoa é a primeira festa depois do sábado.

Vaikra Leviticos 23:4-5

ד אלה מועדי יהוה מקראי קדש אשר תקראו אתם במועדם
ה בחדש הראשון בארבעה עשר לחדש–בין הערבים  פסח ליהוה

4- Estas são as solenidades do Shehmaa, as santas convocações, que convocareis ao seu tempo determinado:

5- No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do Shehmaa.

Por isso, o mês da primavera é o primeiro mês do ano.

Um mandamento especial requer manter o Mês da primavera – Devarim (Deuteronômio) 16: 1 no momento certo.

Devarim(Deuteronomio) 16:1

א שמור את חדש האביב ועשית פסח ליהוה אלהיך  כי בחדש האביב הוציאך יהוה אלהיך ממצרים–לילה

1- Guarda o mês de Abibe, e celebra a páscoa ao Shehmaa teu Eloowwen; porque no mês de Abibe o Shehmaa teu Eloowwen te tirou do Egito, de noite.

A primavera é o primeiro talo verde de trigo ou cevada. Seu crescimento antes do crescimento dos frutos é o sinal do começo da estação da primavera.

O mandamento é manter o mês da primavera em sua data de vencimento, porque todas as festas do ano são festivais agrícolas.

Portanto, salvar o mês da primavera corresponde ao início do crescimento das plantas da primavera.

Nossos sábios planejaram o ano civil de acordo com as estações do ano.

Os primeiros quatorze dias do mês são os dias do mês da primavera, na terra de Israel.

Portanto, o ano é entrelaçado uma vez a cada três anos, em média, adicionando um mês inteiro ao calendário para coincidir com o ano solar até o ano lunar, para que a nova primavera seja sempre na primavera.

Na véspera do primeiro dia do mês da Primavera, os samaritanos israelitas se reúnem nas sinagogas do Monte Gerizim e Holon para uma oração especial com um hino central em louvor do Mês da Primavera, como uma introdução à festa da Páscoa e da Páscoa. celebração do sacrifício.

No final da oração, os adoradores recitam as bênçãos um do outro na bênção do Ano Novo: “Todo ano você é bem-estar”.

As crianças vêm à sinagoga com velas decoradas com flores.

Após o serviço, uma refeição festiva é realizada em cada casa.

Este é um sinal da abertura do evento principal do ano.

Todos os dias dos primeiros quatorze dias do primeiro mês do ano, rezamos na sinagoga à noite e de manhã.

A alegria está crescendo nas casas dos israelitas samaritanos, em direção ao clímax dos eventos – o sacrifício da Páscoa.

A questão é por que os judeus marcam o Ano Novo no início do sétimo mês do ano hebraico, e não como a lógica dita – no primeiro mês do ano?

A origem da mudança é o começo do primeiro milênio EC, quando a polêmica entre os judeus israelitas e os samaritanos israelitas atingiu seu ápice às vezes com derramamento de sangue.

Naquela época, o judaísmo criou uma tendência a fazer regulamentações para diferenciar os judeus dos samaritanos israelitas.

Desde então, o judaísmo marcou o primeiro dia do ano hebraico, ao contrário de toda a lógica, no início do sétimo mês, Tishrey em seu calendário.

Cerca de dois meses antes da Páscoa, guardamos a farinha especial para assar o pão sem fermento. No décimo dia do primeiro mês, os samaritanos israelitas partem para os rebanhos de ovelhas e cabras nas proximidades do monte Gerizim e escolhem uma ovelha ou bode para sacrifício no primeiro décimo quarto dia do primeiro mês.

Eles examinam as ovelhas ou cabras, que são machos com até um ano de idade, sem ferida, pesando em média 35 kg.

As crianças e os meninos são encarregados de vigiar as ovelhas e os bodes, alimentando-os e regando-os, e principalmente evitando que sejam feridos.

No pátio do sacrifício no Monte Gerizim, a Páscoa deveria ser sacrificada apenas no Lugar Escolhido de Shemaa e em nenhum outro lugar.

Os preparativos começam para o sacrifício da Páscoa no décimo quarto dia do primeiro mês do ano.

Empilhando os troncos das oliveiras, porque a queima da oliveira é mais lenta que outras árvores e produz muito calor.

Os adoradores também trazem arbustos secos especiais. Eles são acesos pela primeira vez para que o fogo se agarre aos troncos e o calor suba em cada um dos fornos do sacrifício.

Cerca de cinco a seis horas antes do sacrifício, a ação já é evidente na área do altar, os fogos são acesos nas covas redondas e profundas, com cerca de três metros de profundidade, cujas paredes são pedras completas dispostas uma ao lado da outra.

Do lado dos fornos, os arbustos e os troncos são aquecidos até as nove da noite.

Cerca de meia hora antes do pôr do sol, todos os samaritanos israelitas estão em pé ao redor do altar, cavados no chão, na forma de um longo canal feito de pedras inteiras.

No seu final há um poço circular no qual é colocada uma rede de ferro, debaixo de um forte fogo queimando, queimando todas as partes proibidas das ovelhas e o restante da refeição no final do evento depois da meia-noite.

Quando a oração do sacrifício começa, um número de mulheres e homens passa entre os adoradores com pratos trançados, cheios de pedaços de pão sem fermento e ervas amargas distribuídas a cada adorador. Cada família compra um ou dois cordeiros de acordo com o tamanho da família.

As ovelhas e cabras são levadas ao altar da oração de abertura do sacrifício, os sacrificadores aguardam o Sumo Sacerdote que anuncia a abertura do sacrifício lendo o primeiro parágrafo do capítulo 12. no livro de Êxodo:

“E você deve salvar o sacrifício até o décimo quarto dia deste mês: e toda a congregação de Israel deve matá-lo entre os pores do sol”.

Shemlot (Êxodo) 12:1-2

א ויאמר יהוה אל משה ואל אהרן בארץ מצרים לאמר
ב החדש הזה לכם ראש חדשים  ראשון הוא לכם לחדשי השנה

1- E falou o SShehmaar a Mooshe e a Aharon na terra do Egito, dizendo:
2- Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.

Quando o Sumo Sacerdote diz a palavra “abatido”, eles rapidamente matam as ovelhas, checam se a matança foi bem feita, e então removem as peles das ovelhas, removem as partes proibidas e as entregam às crianças que se apressam a colocá-las no queimando altar.Eles limpar as ovelhas do lado de fora e dentro com água.

Cada cordeiro foi colocado em uma vara de madeira com cerca de 3 metros de comprimento.

Todos os bastões são colocados perto das covas por duas horas até que o sangue das ovelhas seja absorvido pelo sal.

Cada cordeiro é coberto com uma malha fina de metal para manter as partes internas, fígado, pulmões e coração dentro do corpo de ovelha.

A perna dianteira direita de cada ovelha é amarrada a cada cordeiro.

Todo o processo é acompanhado por um grande canto dos capítulos 12 a 15 – a história do Êxodo do Egito.

Os gritos de “Declaramos e dizemos que não há outro El apenas um” são cantados continuamente até que as ovelhas sejam mordidas nos galhos.

Devarim (Deuteronomio) 4:35

לה אתה הראת לדעת כי יהוה הוא האלהים  אין עוד מלבדו
 
35- A ti te foi mostrado para que soubesses que o Shehmaa é Elowwen; nenhum outro há senão ele.

Às nove horas da noite, os matadouros se reúnem perto dos poços bem aquecidos.

Colocando cerca de dez ovelhas em cada cova.

As pontas dos paus estão fora da superfície dos poços. os adoradores colocam uma pesada malha de ferro em cada cova, segurando as extremidades dos bastões para colocá-los no forno.

Coloque rapidamente um tecido molhado de Yuta nas extremidades dos gravetos. Na tela coloca rapidamente uma mistura de água, sujeira e arbustos.

O calor enorme dos poços faz com que a mistura seja uma peça que bloqueia a boca do poço, sufoca o fogo e as ovelhas estão assando do calor das pedras do poço e queimando brasas dos troncos no fundo de cada poço.

Os adoradores continuam sentados no canteiro cantando canções até que as ovelhas sejam retiradas do interior das covas à meia-noite. Eles removem qualquer cordeiro assado do bastão em uma grande tigela de madeira com alças para levar o cordeiro assado até as casas onde eles comerão o sacrifício.

Eles cantam uma canção especial sobre o Êxodo com grande entusiasmo.

O Sumo Sacerdote abençoa os sacrifícios.

A maioria leva da carne para comer em suas casas.

Poucas pessoas permanecem para comer no pátio dos altares.

O sacrifício da Páscoa é a execução perfeita do primeiro sacrifício feito pelos israelitas quando eles deixaram o Egito.

Eles comem o sacrifício apressadamente, porque os israelitas apressadamente sairam do Egito.

Eles têm o cuidado de não quebrar ossos da ovelha ou do bode enquanto comem o sacrifício.

Tudo o que resta de comer o sacrifício é trazido para o altar para queimá-lo até o início da manhã após o evento por volta das 2 da manhã.

A festa da Páscoa está então completa.

Se o sacrifício acontecer na sexta-feira, a oração e o sacrifício começam ao meio-dia e todo o processo é concluído até o pôr do sol, antes do início do sábado.

A carne restante é mantida no fundo da sinagoga até a noite de sábado e depois queimada no altar onde o fogo é aceso quando o sábado termina. Milhares de visitantes vêm de todo o mundo para assistir ao sacrifício.

Muitos deles seguem o processo do sacrifício com grande entusiasmo. Para muitos deles, é claro que este é o sacrifício original da Páscoa, que reconstrói o Êxodo do Egito.

Dezenas de jornalistas e fotógrafos fotografam o processo de sacrifício sob todos os ângulos.

Logo suas impressões digitadas e fotografias chegam às páginas dos jornais em todo o mundo e nas páginas da web.Benyamim TsedakaFoto:

Ori Orhof – 2011

Lição nº 40 – O ciclo do Shabat e Festas – O SHABAT

O SHABAT

Shemáa nomeou Mooshe que a primeira festa é o Shabat, então a festa deve ser guardada como o Shabat, para a guardar como um dia santo.

Shemot (Exodo) 20:7-11

ז זכור את יום השבת לקדשו
ח ששת ימים תעבד ועשית כל מלאכתך
ט ויום השביעי–שבת ליהוה אלהיך  לא תעשה כל מלאכה אתה ובנך ובתך עבדך ואמתך ובהמתך וגרך אשר בשעריך
י כי ששת ימים עשה יהוה את השמים ואת הארץ את הים ואת כל אשר בם וינח ביום השביעי על כן ברך יהוה את יום השבת–ויקדשהו  {ס}
יא כבד את אביך ואת אמך–למען יארכון ימיך על האדמה אשר יהוה אלהיך נתן לך  {ס}

7- Não tomarás o nome do Shehmaa teu Eloowwen em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.

8- Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.

9- Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.

10- Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.

11- Porque em seis dias fez o Shehmaa os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Shehmaa o dia do Shabat, e o santificou.

Depois vem as sete festas da Torá Vaykrá(Levítico) 23.

Por isso, todas as Festas devem ser guardadas (mantidas) da mesma forma que os israelitas-samaritanos observam o Shabat.

No entanto, os sumos sacerdotes permitiam um procedimento ligeiramente diferente em uma festa, se não se aplicasse no Shabat.

O sábio glorioso Amram Dareh do terceiro século EC, um dos maiores sábios, escreveu sobre o Shabat em aramaico:

– “Do Shabat , não há uma festa como esta, que possua a santidade do seu mérito”. (Amram Dareh  – Século 3 da EC)

Por exemplo:

Se a peregrinação ao Monte Gerizim não se aplica no Shabat, é possível com toda a nossa vontade aproveitar todos os meios de transporte para realizar a peregrinação.

Alcançar o transporte só para a peregrinação e retornar imediatamente após a peregrinação às casas, a fim de manter a festa como observamos no Shabat

Os samaritanos israelitas são muito cuidadosos com a observância do Shabat.

O mandamento “Sente-se cada um e ninguém se afasta de seu lugar no Shabat”, interpretado por nossos antepassados, que a intenção deste mandamento é a área dos vivos onde vivem os israelitas samaritanos.

Nos primeiros dias, eles deixavam uma lâmpada de óleo queimando até que fosse extinta.

Desde a invenção da eletricidade, no entanto, a luz foi deixada no pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol do Shabat, porque é impossível passar o Shabat sem luz, também para não passar o mandamento de não dar obstáculo diante de um cego.

05Devarim (Deuteronomio) 27:18

יח ארור משגה עור בדרך ואמר כל העם אמן  {ס}

18- Maldito aquele que fizer que o cego erre de caminho. E todo o povo dirá: Amém. 

Caso contrário, no escuro, um caso de emergência poderia se transformar em desastre.

Sob a luz, lemos a porção do Shabat e comemos as refeições do sábado.

Os encontros sexuais no Shabat e nos feriados são proibidos de modo a não serem impuros e a permanecer puros durante todo o Shabat e a festa.

Com exceção da luz, todos os aparelhos elétricos são desligados no Shabat e nos feriados, então a mídia eletrônica é desligada.

Na véspera do Shabat nós comemos comida quente e durante o Shabat nós comemos uma rica seleção de saladas da cozinha israelita samaritana, uma tradição de cerca de 4000 anos.

Nós não dirigimos nenhum tipo de transporte no Shabat, não fumamos cigarros ou narguile.

O Shabat é um dia de descanso total.

Apenas em caso de emergência deve-se fazer tudo o que for necessário para salvar vidas.

No Shabat sete orações são recitadas,:

  • Seis orações são feitas na sinagoga
  • A sétima é a leitura da porção da Torá do sábado, que é realizada em pequenos grupos nas casas, a fim de permitir que cada pessoa leia sua parte na rodada de sentado no chão.

É assim que nós, os Israelitas Samaritanos, nos tornamos o povo do livro.

  • Na sexta-feira à noite, duas orações estão conectadas.
  • No sábado pela manhã duas orações, uma na sigoga e a segunda nas casas;
  • Ao meio-dia, há duas orações.
  • No sábado à noite, uma oração pela separação do Shabat.

No sábado e nos feriados, roupas especiais são usadas:

  • As homens usam vestes e roupas brancas.
  • As mulheres usam suas melhores roupas.

É assim que o caráter especial do sábado é preservado.

As orações são dedicadas à observância do Shabat .

Aqueles que se comportam como estrangeiros ao não guardar o Shabat são advertidos várias vezes porque a Torá exige a morte de quem transgride o Shabat.

Hoje, o Tribunal do Estado não permite isso.

Por isso, é levado o castigo de exclusão da comunidade.

Esses casos são muito poucos e não acrescentam tranquilidade à comunidade.

Resumindo, os samaritanos israelitas se afastados de seus trabalhos por 24 horas e se dedicam à guarda do Shabat.

Ao visitar lugares fora dos limites da comunidade, geralmente ficam em um hotel ou quarto dentro da casa de seus anfitriões, da noite de sexta até ao término do Shabat , na noite do sábado.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

Lição nº 14 – Os Israelitas samaritanos no primeiro período islâmico

Este capítulo trata da vida do povo samaritano na Terra de Israel sob as regras islâmicas criadas entre os anos 634 a 1099 da Era Comum – EC.

As crônicas samaritanas mencionaram que no início do Islã e a ascensão de seu profeta e líder Muhammad, uma delegação de três personalidades, um líder samaritano Zaahr Kabbassa.

Um líder judeu e um líder cristão foram para Muhammad e o Líder Samaritano obteve dele um documento de aliança que ele assinou e por sua mão protegeu os samaritanos de qualquer dano das mãos de qualquer inimigo e instruiu os muçulmanos a proteger os samaritanos.

Esta é a razão pela qual todas as fontes samaritanas mencionam Muhammad como uma personalidade muito positiva.

Mas a realidade histórica era diferente, como as mesmas fontes mencionam.

Perto da ocupação islâmica da Terra de Israel das mãos dos bizantinos, muitos samaritanos deixaram suas propriedades nas mãos e sob a autoridade do Sumo Sacerdote Elazar o Rabban e escaparam para o leste da Ásia do medo dos muçulmanos.

Mas os samaritanos no norte da terra receberam os novos governantes islâmicos e até alguns deles espionaram por eles contra os bizantinos.

Os samaritanos no sul do país lutaram com os bizantinos contra os muçulmanos e muitas dezenas de milhares morreram nas batalhas em torno das cidades Cesaria e Gaza e muitas aldeias no meio.

Finalmente, muitos samaritanos mataram durante as lutas entre diferentes governantes islâmicos sobre a terra.

Os governantes bizantinos mataram três quartos do povo samaritano como resultado de suas revoltas contra eles.

Um quarto da população que sobrou (estudiosos calculam que foram 300.000 samaritanos), a maioria deles morreu ou foi convertida a força a religião do Islã como resultado dos impostos mais elevados feitos aos não-muçulmanos.

Durante o período islâmico, o número dos samaritanos diminuiu de centenas de milhares para dezenas de milhares em todas as cidades e aldeias da terra.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

O CALENDÁRIO SAMARITANO

O CALENDÁRIO SAMARITANO 
 
O calendário samaritano é baseado em um sistema singular de cálculos chamado de “Hesbom Kashta”  que no Hebraico antigo significa o cálculo da verdade, calculo esse feito exclusivamente pela casta Sacerdotal, ou seja, apenas o Sumo Sacerdote!
O número ISBN para este livro é 3-16-145237-2.
O número ISBN para este livro é 3-16-145237-2.

Devido à diferença de cálculos entre os dias santos dos Samaritano e dos dias santos dos judeu, as festas mencionadas na Torá nem sempre coincidem com a data comemorada pelos judeus que não seguem o calendário biblico.

A diferença entre os dois calendários está na sua origem.

Os israelitas Samaritanos utilizam até os dias de hoje a maneira antiga de calendário como usado nos dias de Mooshe, enquanto os judeus utilizam um calendário que foi remodelado e adaptado por muitas vezes ao longo dos séculos.

Enquanto que o Calendário utilizado pelos judeus tem sua origem na Babilônia, quando foram levados como escravos durante o exílio, ali assimilaram a cultura Babilônia e a mantiveram até hoje.

Existem algumas diferenças entre os cálculos do calendário Babilônico utilizado pelos judeus e o calendário Samaritano:
 
Tanto o calendário Samaritano e como o calendário Babilônico usado pelos judeus utilizam dois ciclos:
 
O sistema de cálculo no calendário Samaritano, funciona em ciclos de 32 anos, 11 dos anos são anos bissextos, cada um constituído por 13 meses, porém o ciclo judaico é de 19 anos, e a cada sete temos um ano bissexto.
 
Os anos bissextos nas tradições judaicas e samaritanas não são paralelos, assim, aproximadamente a cada três anos os dias santos no calendário Samaritano podemos ter comemorações com até um mês de diferença em relação a contagem do calendário babilônico usado pelos judeus.
 

O ano civil no calendário Israelita Samaritano começa na data em que os israelitas entraram em Canaã, e que também coincide com a instituição da Pascoa.

Vejamos um exemplo deste ano:

  • Portanto de acordo com o calendário Bíblico Israelita Samaritano o ano é 3656 contados desde a entrada do povo hebreu na terra prometida.
Entretanto no calendário babilônico usado pelos judeus, por influência babilônica o inicio do ano civil começa seis meses depois da contagem do calendário Israelita Samaritano.
 
Israelitas Samaritanos seguem rigidamente as datas e não adiam a data dos dias santos que estão no seu tempo devido.
 
Entretanto no calendário Babilônico, os judeus tendem a adiantar ou postergar datas em várias ocasiões para que não ocorram as festas:
 
Judeus utilizando o calendário Babilônico mudam as datas das festas, vejamos cada uma destas mudanças:
  • Rosh Hashaná, Chanukah caiam nos domingos, terças,quartas e sábados.
  • Feriados comuns e Yom Kippur evitam que caiam nas quartas e sextas.
  • Pessach(páscoa) evitam que caiam nem nas terças, quintas-feiras.
  • Shavuot evitam que caiam no sábado.
  • 9 de Av evitam que caia no sábado, e justificam isso dizendo que é uma data para se entristecer e ao contrario do sábado que não pode ser dia de aflição e tristeza.
 
Além disso, os judeus têm determinado que Yom Kippur jamais cairá nas sextas-feiras ou nos domingos para evitar um estado de um dois dias de feriados seguidos.
 
Os samaritanos, porém, como já foi mencionado acima, não adiam ou precedem as datas de seus dias sagrados.
 
Enquanto o calendário Samaritano se mantém da mesma forma a quase quatro mil anos, o calendário judaico, pelo contrário, sofreu ao longo do tempo, influência do calendário Babilônico, persa, grego, romano e até mesmo do gregoriano.

O Mashiach

A Torá não fala a respeito da “vinda de um messias

A palavra “Messias” em hebraico é “Mashiach” e significa “ungido

Esta palavra é usada apenas para o Sumo Sacerdote que é um homem ungido com óleo para o oficio sagrado!

Vaikrá(Lev) 6:22

כב כל זכר בכהנים יאכל אתה קדש קדשים הוא

Também o sacerdote, que de entre seus filhos for ungido em seu lugar, fará o mesmo; por estatuto perpétuo será ela toda queimada ao Shehmaa.

A Torá não faz promessas de um homem ungido (messias) salvando a humanidade.

O livro de Daniel faz parte dos livros escritos no período do exílio babilônico!

Na Babilônia judeus foram influenciados por outras religiões e culturas…

Foi na babilônia que nasceu a doutrina do “messias“.

Eles queriam ser livres do exílio babilônico e escreveram “profecias messiânicas”.

Mas a Torá não fala de nenhum messias salvando a humanidade!

Muitos justificam a ideia de um messias com base nas palavras de Isaías , Jeremias, Ezequiel e outros…

Entretanto é preciso compreender sob outro angulo os supostosprofetas“!

Traremos a luz os fatos relacionados a Isaías, mas é preciso entender também que outros “profetas” como Jeremias, Ezequiel, Daniel… eles são  na verdade “profetas da babilônia“!

O homem chamado Isaías, viveu entre 765 AEC e 681 AEC, durante os reinados de Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias, sendo contemporâneo à destruição de Samaria pela Assíria e à resistência de Jerusalém ao cerco das tropas de Senaqueribe que sitiou a cidade com um exército de 185 mil assírios em 701 AEC.

O livro de Isaías:

Ao contrario do que as pessoas imaginam, o livro de Isaías tratam-se de vários supostos “oráculos proféticos” escritos em épocas diferentes!

A redação final de Isaías pode ter ocorrido aproximadamente em 400 AEC, ou até mesmo depois!

Quando saíram do exílio, judeus ainda liam suas palavras, crendo estar vivendo em um período por ele predito.

Quem escreveu o livro de Isaías ?

Este livro teve dois autores, ou seja, “dois Isaías” escreveram este livro.

O Proto-Isaías

Ele escreveu parte dos capítulos 1 a 39 do Livro de Isaías.

Ele admoestava Israel pelas convulsões sociais e pela sua política externa, pronunciou-se contra a ameaça dos Assírios e foi o primeiro a mencionar a espera de um Messias.

É importante comentar que os capítulos 24 a 27 e 33 a 39 no livro de Isaías foram posteriormente adicionados! 

Quem foi fato outro autor do livro de Isaías?

O Dêutero-Isaías

Chamamos de Dêutero-Isaías o primeiro autor que viveu por volta de 550-539 a.C. e suas palavras eram de consolo ao povo Judeu que era prisioneiro e vivia no Cativeiro Babilônico.

Ele também escreve sobre um homem… um “messias” que iria trazer o povo de regresso a Israel.

Os capítulos 55-66 do Livro de Isaías são acréscimos posteriores ao Dêutero-Isaías, e por volta do ano 1900, até mesmo se acreditou existir um terceiro Isaías, e realmente podem ter existido muitos “Isaías“.

Estes homens foram influenciados pelo desespero do exílio, enquanto eram escravos na babilônia… esses textos visavam motivar a todos a ter esperança para sair daquele lugar!

Por isso esses supostos profetas (Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel) exaltam Jerusalém!

Por isso citam David como o grande herói e só profetizam um “messias” semelhante a David!

Eles queriam um homem que os libertasse, que fosse o novo herói para o povo e que libertasse Jerusalém da opressão de outros povos!

Não, em Devarim (deut) 18:18 não fala sobre um “messias“, não fala sobre um homem “ungido”!

leia novamente o texto… onde está a palavra “messias” ?

Não temos a palavra messias no texto de Devarim(deut) 18:18!

O texto fala sobre um “PROFETA“!

Sabemos que trata-se do Taheb, o profeta que virá cumprir a profecia de Mooshe!

Devarim(deut) 18:18 não se refere a Jesus!

Devarim(deut) 18:18 não se refere a Muhammad!

Devarm (deut) 18:18 se refere ao Profeta, o Taheb, que ainda virá!

O Taheb será um profeta e não um rei sobre todas as nações!

Simplesmente teremos um ambiente de fato adequado para seguir a Torá e nada mais.

O Taheb, apenas um Profeta

Por que o Eterno nos enviará um profeta?

Acaso haverá profecias?

Sim, haverá!

O Eterno estará no Santo Monte Gerizim no Santo Tabernáculo e voltará a usar um profeta para falar com o povo!

Se reiniciará a Era da Benevolência Divina!

O Taheb, o profeta que será semelhante a Mooshe!

O Taheb não será mais um profeta…

Ele será “O Profeta”, que encontrará o Tabernáculo, e terá também autoridade para fazer os sinais e prodígios de Mooshe (as 10 pragas).

O Taheb irá reinaugurar a Era da Graça Divina, onde a Presença Divina voltará a se manifestar como foi outrora nos dias de Mooshe!

Vejamos alguns outros textos da literatura judaica relacionados a esse assunto.

Observem agora atentamente aos conceitos que foram ou adulterados ou abandonados…

Eles podem ser vistos nos textos do livro de Ezequiel, onde a afirmações da Torá são negligenciadas por motivos tribais ou políticos;

Ezequiel 37:19

יט דבר אלהם כה אמר אדני יהוה הנה אני לקח את עץ יוסף אשר ביד אפרים ושבטי ישראל חברו ונתתי אותם עליו את עץ יהודה ועשיתם לעץ אחד והיו אחד בידי

19- Tu lhes dirás: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu tomarei a vara de (José que esteve na mão de Efraim, e a das tribos de Israel, suas companheiras, e as ajuntarei à vara de Judá), e farei delas uma só vara, e elas se farão uma só na minha mão.

Façamos um paralelo com Bereshit(Gen) 49:10

Bereshit(Gen) 49:10

לא-יסור שבט מיהודה ומחקק מבין רגליו עד כי-יבא שילה ולו יקהת עמים:

10- O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos

Este texto literalmente significa:

Não se afastará o cetro de Yehudah, e nem o comandante dentre seus estandartes* até que venha tributo para ele (שי לו).

Vamos agora olhar as palavras de Oséias…

Oséias 1:10-11

10- Todavia o número dos filhos de Israel será como a areia do mar, que não pode medir-se nem contar-se; e acontecerá que no lugar onde se lhes dizia: Vós não sois meu povo, se lhes dirá: Vós sois filhos do Deus vivo.

11- E os filhos de Judá e os filhos de Israel juntos se congregarão, e constituirão sobre si uma só cabeça, e subirão da terra; porque grande será o dia de Jizreel.

Vejam, o texto acima está apenas na versão da bíblia cristã nesse capitulo…

Na versão hebraica do texto acima está em Oséias 2:1-2

א והיה מספר בני ישראל כחול הים אשר לא ימד ולא יספר והיה במקום אשר יאמר להם לא עמי אתם יאמר להם בני אל חי

ב ונקבצו בני יהודה ובני ישראל יחדו ושמו להם ראש אחד ועלו מן הארץ כי גדול יום יזרעאל

1- E o número dos filhos de Israel será como o mar azul que ensinou a não contar e no lugar onde se lhes dizia: Vós não sois meu povo, se lhes dirá: Vós sois filhos do Deus vivo.

2- E serão reunidos os filhos de Judá e os filhos de Israel, juntos e constituirão sobre si uma só cabeça, e subirão da terra; porque grande será o dia de Jizreel.

Historicamente vemos que até hoje o “comando” pertenceu a tribo de Judá, mas isso acontecerá até a manifestação de um homem que será “da tribo de Efraim ou Menashe“, ele virá das terras de Shiló, do Norte de Israel!

Fica mais evidente que o período do governo de Judá é temporário!

Ele acontecerá “Até que” chegue esse homem, que irá restaurar o poder.

O texto de limita o poder de Judá a um tempo que prescreve com a chegada do restaurador, um descendente da casa de José, filho de Jacob!

Veja:

Bereshit(Gen) 49:10

לא-יסור שבט מיהודה ומחקק מבין רגליו עד כי-יבא שילה ולו יקהת עמים:

10- O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos

O “governo ou domínio” (simbolizado pelo “cetro ou bastão” não sairá de judá até que venha Siló!

Bereshit(Gên) 48:15-19

טו ויברך את יוסף ויאמר האלהים אשר התהלכו אבתי לפניו אברהם ויצחק–האלהים הרעה אתי מעודי עד היום הזה
טז המלאך הגאל אתי מכל רע יברך את הנערים ויקרא בהם שמי ושם אבתי אברהם ויצחק וידגו לרב בקרב הארץ
יז וירא יוסף כי ישית אביו יד ימינו על ראש אפרים–וירע בעיניו ויתמך יד אביו להסיר אתה מעל ראש אפרים–על ראש מנשה
יח ויאמר יוסף אל אביו לא כן אבי כי זה הבכר שים ימינך על ראשו
יט וימאן אביו ויאמר ידעתי בני ידעתי–גם הוא יהיה לעם וגם הוא יגדל ואולם אחיו הקטן יגדל ממנו וזרעו יהיה מלא הגוים

15- E abençoou a José, e disse: O Elowweem, em cuja presença andaram os meus pais Abraão e Isaque, o Elowweem que me sustentou, desde que eu nasci até este dia;

16- O anjo que me livrou de todo o mal, abençoe estes rapazes, e seja chamado neles o meu nome, e o nome de meus pais Abraão e Isaque, e multipliquem-se como peixes, em multidão, no meio da terra.

17- Vendo, pois, José que seu pai punha a sua mão direita sobre a cabeça de Efraim, foi mau aos seus olhos; e tomou a mão de seu pai, para a transpor de sobre a cabeça de Efraim à cabeça de Manassés.

18- E José disse a seu pai: Não assim, meu pai, porque este é o primogênito; põe a tua mão direita sobre a sua cabeça.

19- Mas seu pai recusou, e disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; também ele será um povo, e também ele será grande; contudo o seu irmão menor será maior que ele, e a sua descendência será uma multidão de nações.

Atenção a esse texto da Torá:

Devarim(Deut) 33:17-19

יז בכור שורו הדר לו וקרני ראם קרניו–בהם עמים ינגח יחדו אפסי ארץ והם רבבות
אפרים והם אלפי מנשה {ס}
יח ולזבולן אמר שמח זבולן בצאתך ויששכר באהליך
יט עמים הר יקראו–שם יזבחו זבחי צדק כי שפע ימים יינקו ושפני טמוני חול {ס}

17- Ele tem a glória do primogênito do seu touro, e os seus chifres são chifres de boi selvagem; com eles rechaçará todos os povos até às extremidades da terra; estes pois são os dez milhares de Efraim, e estes são os milhares de Manassés.

18- E de Zebulom disse: Zebulom, alegra-te nas tuas saídas; e tu, Issacar, nas tuas tendas.

19- Eles chamarão os povos ao monte; ali apresentarão ofertas de justiça, porque chuparão a abundância dos mares e os tesouros escondidos da areia.

O verso 17 fala dos milhares de Manassés, lembrando a todos que Manassés fazia parte do reino do Norte.

Não podemos ignorar que os atuais Israelitas Samaritanos são oriundos das tribos de Efraim, Menashe e metade da casa sacerdotal!

O verso 19 fala do chamamento de todos os povos ao monte!

Devarim(Deut) 33:19

יט עמים הר יקראו–שם יזבחו זבחי צדק כי שפע ימים יינקו ושפני טמוני חול {ס}

19- Eles chamarão os povos ao monte; ali apresentarão ofertas de justiça, porque chuparão a abundância dos mares e os tesouros escondidos da areia.

A pergunta a ser feita:

Que Monte é esse e onde os povos da terra apresentarão ofertas de justiça ?

Quem Monte é esse onde haverá abundancia de alimentos e de tesouros ?

Esses versos significam sustento espiritual, alimento espiritual para todos os povos!

Certamente este é o único Monte na Torá que é chamado de Monte da benção!

O Monte Gerizim!

Um semi-deus?

Torá não promete um “semi-deus” eterno glorioso!

Não é isso!

O homem tem em sua alma a habilidade da profecia…

Entretanto cada ser humano tem graus diferentes dessa habilidade!

O Taheb terá essa habilidade semelhante a Mooshe e o Eterno fará uso dessa habilidade!

Ele será um ser humano comum… portanto morrerá como qualquer um de nós!

Não há qualquer razão para ser diferente disso!

O Criador não prometeu que o Taheb seria eterno!

Viverá 120 anos ?

Você deseja saber como nós sabemos que o Taheb viverá 120 anos…

Nossos sábios nos ensinaram a Torá…

E a Torá promete um profeta semelhante a Mooshe!

Veja as palavras proféticas de Mooshe quanto a isso!

Devarim(Deut) 18:15

טו נביא מקרבך מאחיך כמני יקים לך יהוה אלהיך אליו תשמעון

15- O Shehmaa, teu Elowweem, te suscitará dentre os teus irmãos um profeta como eu: é a ele que devereis ouvir.

Moshe teve como limite 120 anos de vida.

Devarim(Deut) 34:7

ז ומשה בן מאה ועשרים שנה–במתו לא כהתה עינו ולא נס לחה

7- Mooshe tinha cento e vinte anos no momento de sua morte: sua vista não se tinha enfraquecido, e o seu vigor não se tinha abalado.

E foram 120 anos de vida com atividade plena, sem que o seu vigor fosse abalado!

Hoje em dia vemos histórias de raríssimas pessoas que até se aproximam dessa quantidade de anos, entretanto, sem saúde, sendo carregado pelas pessoas a sua volta, sem visão, ou sem lucidez…

Mas não foi assim com Mooshe…

Devarim(Deut) 34:7

7- … “sua vista não se tinha enfraquecido, e o seu vigor não se tinha abalado”.

E o limite da vida humana está declarado na Torá:

Bereshit (Gên) 6:3

ג ויאמר יהוה לא ידון רוחי באדם לעלם בשגם הוא בשר והיו ימיו מאה ועשרים שנה

3- O Shehmaa então disse: “Meu espírito não permanecerá para sempre no homem, porque todo ele é carne, e a duração de sua vida será de cento e vinte anos.”

Com base nesse firme fundamento, sabemos que o Taheb será como Moo

she, um homem comum, com família, etc…

E viverá como Mooshe, 120 anos, que é o limite estabelecido por Shehmaa para ele.

Por que não o templo da visão de Ezequiel ?

Ezequiel teve uma visão semelhante a ideia da uma “cidade santa” oriunda da mitologia cristã, de onde imaginam uma cidade descendo dos céus, com ruas de ouro e cristal..

Um total devaneio… para que um espirito iria precisar de ruas de ouro ou cristal ?

Mas essa ideia maluca de uma cidade descer do céus foi inspirada em outra ideia igualmente maluca de Ezequiel que tem uma visão de outro templo nos céus…

Tanto João no apocalipse como Ezequiel na babilônia entraram em supostos “êxtases” e passaram a “ver coisas“!

Não cabe a nós desvendar os mistérios da mente humana, deixo isso para psicólogos e psiquiatras que dominam esta área em questão.

Tais devaneios também são fruto do momento de opressão vivenciados durante o periodo do exilio babilônico.

Esse ambiente também influenciou homens como Isaías, que tambem foram influenciados pela rica cultura babilônica que o cercava.

Não é de se estranhar que em meio ao sofrimento buscarem a figura de um “herói semelhante a David” para salva-los da opressão do exilio babilônico.

Hoje, entretanto,  não há judeus presos na babilônia (atual Iraque), portanto não se trata de uma profecia fiel ou verdadeira.

Um messias em cada geração

Existe uma a falsa doutrina que apregoa que exista um messias para cada geração!

Esta adoutrina defende a ideia de que em todas as gerações nasce um messias, nem sempre reconhecido, e que este suposto messias cumpre sua missão junto a humanidade, mas nós é que o ignoramos.

Uma grande falácia tal doutrina, pois a Torá (Pentateuco) nada fala a respeito de um messias em cada geração.

Na verdade a Torá apenas fala de Messias em referência direta ao Sumo Sacerdote, que eram homens ungidos, portanto são eles Cohanim haGadol Mashiach(Sumo

Portanto fora o Sumo Sacerdote ungido, não temos qualquer referência dentro da Torá que sustente a ideia de um homem como Mashiach(messias) salvador da humanidade.
E não só o judaísmo apregoa doutrinas “messiânicas”, mas o cristianismo também fala sobre messias!
Dessa forma há quem aponte que Mooshe, Jesus ou mesmo o rebe fossem “messias” para a redenção da humanidade!
Mas a Torá é autoridade, e ela não fala nada sobre messias redentores da humanidade!
Trata-se apenas de mais um raciocínio equivocado.

Pois Moisés não foi “ungido”!

Jesus não foi um “ungido”, pois nunca deitaram o azeite da “unção” sobre ele!

 

Menachem Mendel Schneersohn – O Rebe Lubavitch não foi um “ungido”, pois nunca deitaram o azeite da “unção” sobre ele!

Na foto em hebraico: – “Eis o nosso Elohim [Deus]; Ele é YHWH, o qual nós esperávamos: o Rebe de Lubavitch. Que ele viva uma vida longa. Amém”.

Mas a palavra Mashiach em hebraico significa “ungido” !E esse termo não se enquadra a nenhum destes três homens.

Afinal, nenhum deles foi ungido!

Basta um honesto questionamento para desfazer tal doutrina.

Pergunte a si mesmo:

– Onde na Torá está escrito a respeito de um Messias (Mashiach) redentor ?

 Isso simplesmente não existe!

Chanuká – mentiram a nossas filhos

O fantasioso fundamento de uma festa que tinha tudo para ser verdade…

Não fosse o fato histórico de que ela é realmente uma fábula, no melhor estilo, como um conto de fadas.

A TORÁ DESTRÓI MAIS UM MITO!

A Torá mostra que o milagre que Chanuka nunca aconteceu!

A fantasiosa historia do milagre de chanuka que afirma que o óleo usado no templo deveria durar um dia mas que fantasiosamente teria durado oito dias.

Afirmam que houve a necessidade deste milagre pois o azeite era “fabricado” pelo sumo sacerdote (ou levitas) que fabricavam este azeite…

Vamos agora deixar a “fantasia” de lado e vamos estudar a Torá da Verdade!

Vejamos o que a Torá tem para nos ensinar!

Devarim (Deut)12:17

17 Dentro das tuas portas não poderás comer o dízimo do teu grão, nem do teu mosto, nem do teu azeite, nem os primogênitos das tuas vacas, nem das tuas ovelhas; nem nenhum dos teus votos, que houveres prometido, nem as tuas ofertas voluntárias, nem a oferta alçada da tua mão.

יז ושמרתם את המצות כי בעצם היום הזה הוצאתי את צבאותיכם מארץ מצרים ושמרתם את היום הזה לדרתיכם–חקת עולם

Ou seja, o azeite era entregue pelo povo, “dizimo do teu azeite” é a expressão!

Afinal, nem os Levitas, Leviim, nem o Sumo Sacerdote, o Cohen haGadol não possuíam terras para plantio, pois a unica herança que possuíam era o próprio Shehmaa!

Todas as 12 tribos ganharam cada qual uma faixa territorial que os permitia o plantio e também atividades agrícolas!

Mas a tribo de Levi, não tinha herança material, portanto seria impossível para eles “fabricar azeite”!

VEJAM AGORA O ESTATUTO PERPETUO POR TODAS GERAÇÕES!

Sh’moth (Êx) 27:20-21

20 Tu pois ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para fazer arder as lâmpadas continuamente.

21 Na tenda da congregação, fora do véu que está diante do testemunho, Arão e seus filhos as porão em ordem, desde a tarde até a manhã, perante o Senhor; isto será um estatuto perpétuo para os filhos de Israel, pelas suas gerações.

20 כ ואתה תצוה את בני ישראל ויקחו אליך שמן זית זך כתית–למאור להעלת נר תמיד

21 כא באהל מועד מחוץ לפרכת אשר על העדת יערך אתו אהרן ובניו מערב עד בקר–לפני יהוה חקת עולם לדרתם מאת בני ישראל {ס}

Vemos agora que o azeite era fabricado pelo povo e ofertado!

Os “filhos de Israel” é que fabricavam o azeite puro e o ofertavam!

Essa é a verdadeira história do azeite!

AFIRMAR QUE O SUMO SACERDOTE FABRICAVA O AZEITE EM OITO DIAS É UMA MENTIRA!

O AZEITE ERA FEITO PELO POVO QUE O OFERTAVA NO TABERNÁCULO!

VEJAM O VÍDEO ABAIXO:

Clique aqui e assista o vídeo sobre a verdadeirá história de Chanucá

 

 

Colabore

Seja um colaborador, participe do seu Portal da Torá.

Turma presencial do curso de hebraico nível 1

Faça aqui sua doação.

Conta Doação

Conta para Depósito ou transferência.

Ou se preferir, utilize boleto Boleto Bancário, ou cartão, de forma segura pelo PagSeguro.





Que o Criador recompense a todos.

Abraços e Shalom.

A mentira da miscigenação

Quanto à ideia de que os samaritanos são de raça mista e não de Israel.

Muitos não param para pensar sobre a rivalidade que ocorreu entre as duas nações dos reinos de Israel e Judá.

A principal diferença entre as nações eram os dois lugares usados como centro  de adoração.

Como todos já sabem, o reino de Israel adora o Criador no Har (monte) Gerizim em vez de adorar em Jerusalém.

Mas existem  outras diferenças além do lugar de adoração que diferem entre as duas linhas religiosas e que devem ser explicadas.

Essa inimizade entre eles terminaria segundo os judeus, se o samaritano-israelita renunciasse ao Monte Gerizim e aceitasse a
Jerusalém e a ressurreição dos mortos.

Então os judeus os aceitariam como prosélitos (convertidos).

Naturalmente, o Samaritano-Israelita ainda adora no monte Gerizim hoje como seus ancestrais o fizeram desde quando entraram na terra prometida.

O local de adoração no Monte Gerizim foi o centro de adoração dos Israelitas por mais de trezentos e cinquenta anos desde a época da entrada de Israel na terra prometida e pelos judeus que era contra as tribos do norte motivo de incitamento e desafios.

Levantaram as questões mais absurdas, como alegar que Israelitas teriam um sacerdócio ilegítimo servindo a deuses falsos no reino do norte de Israel.

Algumas pessoas do reino do norte aceitaram Jerusalém, levando ali seus sacrifícios, como não havia mais sacrifícios sendo feitos em Siquém (Gerizim), exceto a Páscoa, após Israel ser dividido em duas dois reinos.

A inimizade entre os dois reinos foi uma questão importante que levou à guerra entre as tribos de Israel.

A agressão foi desenvolvida pelo reino de Judá que mantinha a disputa em relação ao povo.

[box type=”shadow”]
John W. Nutt escreve:

‘o nome de Kuthim foi maliciosamente fixado contra eles pelos judeus, a fim de roubar a sua verdadeira designação de israelitas.’

Os principais homens na Judeia tentaram contrariar quanto ao local de adoração e o sacerdócio no norte através de mentiras e muita falsidade.

Para piorar as coisas foi a interferência da deportação e importação do povo por Shalmaneser, rei da Assíria.

Houve uma transferência de apenas uma pequena quantidade de pessoas pelo rei da Assíria em 722, quando ele conquistou a terra.

Segundo os anais de Sargon lido em suas inscrições, havia 27.290 pessoas capturadas para o leste.

Entretanto naquela época menos de 60.000 pessoas permaneceram no reino do Norte.

Nos anos que se seguiram, a população era de mais de um milhão.

Depois disso, por causa de um pequeno grupo da população importada para a terra de Samaria, o reino da Judeia afirmou que todos os samaritanos eram “povos estrangeiros”, chamando-os de “Kuthim.”
[/box]

[box type=”shadow”]

Além disso, o erudito israelita-samaritano Israel Tsedaka falou no terceiro dia do quinto congresso, dos estudos samaritanos, em Helsínquia, na Finlândia, em agosto de 2000:

“Segundo II Reis podemos ler a destruição de Samaria quando o povo do reino de Israel foram enviados para o exílio e substituído por estrangeiros, o autor de II Crônicas capítulo 30 nos diz sobre os ‘enviados‘ pelo rei Ezequias, que tinha testemunhado a destruição de Samaria e consequente exílio.

Estes ‘enviados‘ de cidade em cidade na terra de Efraim e Manassés, em uma tentativa de convencer os israelitas em peregrinar à Jerusalém.

A frase ‘de cidade em cidade‘ nos diz que a maioria do povo permaneceu em Samaria.

Além disso, apesar de sua posição política difícil, sem um rei, eles rejeitaram o apelo de Ezequias, quando ele lhes diz:

‘Agora, não sejam duros como seus pais’.

‘Ele riu com desprezo e zombou deles’.

Aqui deve-se notar como Rabi Levison de Gershon (Ralbarg) interpreta a referência ao Exílio em II Reis 17:34.

Ele escreve:

‘Os restantes são Israel, uma vez que nem todos foram exilados, como se vê na história dos enviados de Ezequias enviados ao resto de Israel’.

Um outro ponto principal em II crônicas 30 é a humilhação dos israelitas que moram na parte norte do país, e sua chegada em Jerusalém.

Aqui vemos que os israelitas que se humilharam e vieram a Jerusalém são considerados judeus apropriados, enquanto que os israelitas que rejeitaram o apelo do rei Ezequias e permaneceram leais ao centro religioso mais antigo de Israel são chamados estrangeiros, cuthitas, nativos, etc.

E de fato, o texto no tratado talmúdico referente aos cuthita termina com decisão:

‘Quando se pode reconhecer os samaritanos como judeus? Uma vez que eles rejeitaram o Monte Gerizim’.

O Antigo Testamento escrito pelos judeus da Bíblia apresenta apenas um lado da história.

Escrever que o povo do norte não seguiu a Torá que foi dada por Mooshe é simplesmente inaceitável.

No entanto, os escritos samaritanos nos dizem algo muito diferente.

Se os fatos fossem realmente como foi escrito em II Reis, os Israelitas-Samaritanos não teriam uma Torah para viver hoje.

Este Ideia pode trazer à luz em Judah dos habitantes que foram colocados no Terra por Shalmaneser que comprou seus deuses estranhos com eles.

Mas para dar a uma região inteira esta reivindicação seria como dizer que toda a América é composta por estrangeiros italianos!

A América recebeu estrangeiros italianos, mas nem por isso podemos considerar que toda a América seja composta por italianos!

No segundo século R. Simon b. Gamaliel (cerca de 165), o pai de Juda ha-Nasi, editor da Mishna, disse:

‘Em todo mandamento que os samaritanos guardam, são mais escrupulosos ao cumprir (na sua observação) do que Israel.’

Nesta declaração, R. Simon b. Gamaliel está falando ‘Israel‘ para indicar ‘Judá‘.

Os Israelitas Samaritanos ainda hoje têm registros escritos de seus antepassados ​​confirmando que eles são dos filhos de Jacob.

Outra grande mentira é afirmar a falsa ideia de que os samaritanos não têm Sacerdotes dos filhos de Arão.

Israelitas Samaritanos não pretendem ter um Sumo Sacerdote dos filhos de Eleazar, mas somente Itamar, ambos filhos de Aharon, Sumo Sacerdote, e irmão de Mooshe.

[/box]

Vejamos agora às Provas Genéticas:

Quanta mentira tem sido propagada a respeito dos israelitas Samaritanos.

Acusam de serem um povo misturado, uma raça mista com os Assirios… mas recentes exames de DNA comprovaram exatamente o contrário!

Vejam as provas cientificas que testemunham que os Israelitas Samaritanos não são um povo misto, mas são os verdadeiros “Bnei Israel”, FILHOS DE ISRAEL.

[box type=”shadow”]
Estudos referentes ao DNA dos Israelitas Samaritanos disponíveis  através dos links abaixo:

[/box]

O abate clandestino

O abate de carneiros faz parte do judaísmo em todo mundo ?

Será que rabinos e judeus em todos lugares do mundo matam carneiros para celebrar a festa de Pessach(Pascoa)?

Essa desculpa tem sido utilizada por alguns.

Com esse argumento, famílias inteiras e pessoas desinformadas tem sido expostas ao grave perigo ao consumir um animal abatido de forma inapropriada, sem fiscalização e sem o amparo legal para tal prática.

Mas será que pelo menos eles tem o amparo “religioso”?

Será que a religião judaica determina que todo judeu mate um carneiro para celebrar a saída do povo hebreu do Egito?

Será que eles fazem sacrifícios de carneiros durante o Pessach(pascoa)?

A Torá ordena matar carneiros na pascoa aqui no Brasil?

Vamos olhar mais de perto, comparar e tentar compreender o que está acontecendo no Brasil.


Devarim (deut) 12:13

יג השמר לך פן תעלה עלתיך בכל מקום אשר תראה 

13- Guarda-te, que não ofereças os teus holocaustos em todo o lugar que vires;


A prática Judaica

Judeus são detidos por tentar sacrificar animais no Monte do Templo

Essa foi a noticia estampada no site Ynet News.

A notícia comprova que sacrifícios de Pessach “são proibidos” em Jerusalém:

Rafael Morris sendo preso após tentar abater carneiros em Jerusalém.

Faltando poucos dias para a Páscoa, sete ativistas judeus foram detidos em Jerusalém, acusados de planejar o sacrifício de um animal no Monte do Templo.

Todos os envolvidos estavam em casa, mas seu líder, Rafael Morris, estava em outro local, tendo sido capturado posteriormente.

O porta-voz da polícia detalhou haver provas de que os jovens, ligados ao movimento “Retorno ao Monte do Templo”, queriam fazer o que seria o primeiro sacrifício pascal no local desde a destruição do Segundo Templo, no ano 70.

Fonte: Roi Yanovsky | Publicado em 09/04/2017, 13:49 – Ynet News


A prática Israelita Samaritana.

Como os Israelitas Samaritanos festejam a Páscoa no Monte Gerizim próximo a Cisjordânia

Os membros da religião samaritana realizaram o tradicional sacrifício da Páscoa no monte Gerizim, como fazem todos os anos, próximo a cidade de Nablus, na Cisjordânia.

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

MIDEAST-NABLUS-MOUNT GERIZIM-SAMARITAN-PASSOVER

Nas fotos acima, Israelitas Samaritanos realizam o sacrifício da pascoa, ritual celebrado no Sagrado Monte Gerizim o mesmo monte usado quando os Israelitas entraram a terra prometida, vivenciando a mesma prática registrada no texto bíblico que relata o ato quando passaram o Jordão com Yehoshua Ben Num até os dias de hoje.


O que diz a Torá ?

  • Tal prática tem o aval da Torá?
  •  O que a Torá determina ?

A Torá não autoriza o sacrifício (abate) indiscriminado.

Ou seja, a religião Israelita não sustenta a ideia de se fazer sacrifícios em qualquer lugar.

Festa de Pessach (Pascoa), eis o fundamento:

[box type=”shadow”]

Devarim(Deut) 16:1-2

  א שמור את חדש האביב ועשית פסח ליהוה אלהיך כי בחדש האביב הוציאך יהוה אלהיך ממצרים–לילה

ב וזבחת פסח ליהוה אלהיך צאן ובקר במקום אשר יבחר יהוה לשכן שמו שם

1- Guarda o mês de Abibe, e celebra a páscoa ao Shehmaa teu Elowweem; porque no mês de Abibe o Shehmaa teu Elowweem te tirou do Egito, de noite.

2- Então sacrificarás a páscoa ao Senhor teu Deus, das ovelhas e das vacas, no lugar que o Shehmaa escolher para ali fazer habitar o seu nome.

[/box]

Muita atenção aos dois versos seguintes:

[box type=”shadow”]
Devarim(Deut) 16:5-6 

ה לא תוכל לזבח את הפסח באחד שעריך אשר יהוה אלהיך נתן לך

ו כי אם אל המקום אשר יבחר יהוה אלהיך לשכן שמו–שם תזבח את הפסח בערב כבוא השמש מועד צאתך ממצרים

5- Não poderás sacrificar a páscoa em nenhuma das tuas portas que te dá o Shehmaa teu Elowweem;

6- Senão no lugar que escolher o Shehmaa teu Elowweem, para fazer habitar o seu nome, ali sacrificarás a páscoa à tarde, ao pôr do sol, ao tempo determinado da tua saída do Egito.

[/box]

Os textos acima apresentados demonstram que  não se pode sacrificar em qualquer lugar.

O abate ou sacrifício só poderia ocorrer no lugar escolhido pelo Criador para ali habitar o Seu Nome.

A Torá aponta o local escolhido para habitar o seu Nome, o Monte Gerizim, conforme a descrito ao passar o rio Jordão, o mesmo local utilizado desde a época de Mooshe até os dias de hoje.

A tradição judaica com outros costumes, aponta para Jerusalém como sendo o local escolhido.

De qualquer maneira, as duas práticas Israelitas não determinam que o Brasil seja o local escolhido para habitar o Nome divino!

Portanto o sacrifício (abate) de carneiros para comemoração do Pessach (pascoa) é uma prática que vai contra os mandamentos da Torá determina!

A Torá nos alerta contra a pratica de sacrificar(abater) carneiros para festa de Pessach em qualquer local.

Vejam:
[box type=”shadow”]
Devarim(Deut) 16:5-6

ה לא תוכל לזבח את הפסח באחד שעריך אשר יהוה אלהיך נתן לך

5- Não poderás sacrificar a páscoa em nenhuma das tuas portas que te dá o Shehmaa teu Elowweem;
[/box]

Ninguém no Brasil tem autoridade para matar carneiros para a festa de Pessach (pascoa).

Quem pratica isso desonra o Nome do Sagrado, e escarnece os mandamentos da Torá!

Não encontramos no mundo inteiro nem um rabino ou verdadeiro judeu matando carneiros para o Pessach!

Esta  “modinha de brasileiros” demonstra irresponsabilidade, imperícia, desconhecimento, tanto da lei divina(Torá) como também da lei brasileira.


O CRIME DO ABATE CLANDESTINO DE CARNEIROS NO BRASIL

O sacrifício de animais exige muito mais do que “sangue frio”.

É preciso cumprir exigências legais.

Isso tudo para garantir que “aquele que abate o animal”, tenha sido treinado, habilitado e esteja autorizado pelas entidades competentes junto a vigilância sanitária.

Isso tudo para garantir que o animal tenha o um abate mais “humano”, com o menor sofrimento possível.

Exige-se também que as instalações estejam de acordo com os padrões exigidos de higiene, que o animal esteja saudável e apto para o abate, e que o animal possua o carimbo de Inspeção Federal ou seja, o carimbo do S.I.F. no animal que será abatido.

Esse carimbo garante que são respeitados os cuidados e o cumprimento das regras de saneamento para abate de animal que será utilizado para consumo humano!


S.I.F. ?

O Serviço de Inspeção Federal, também conhecido pela sigla S.I.F., é um sistema de controle do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil que avalia a qualidade na produção de alimentos de origem animal comestíveis ou não comestíveis.

Os fiscais verificam se o produto atende aos requisitos mínimos de qualidade para consumo, tais como a acidez no leite e a possibilidade de animais terem sido vendidos sem abate, ou seja, que já chegaram mortos ao abatedouro.

Os produtos aprovados recebem um selo de aprovação do S.I.F.


O S.I.F. fiscaliza

São sujeitas à fiscalização prevista em lei:

  • Os animais destinados à matança, seus produtos, subprodutos e matérias primas;
  • o pescado e seus derivados;
  • o leite e seus derivados;
  • o ovo e seus derivados;
  • o mel e cera de abelha e seus derivados.

O Serviço de Inspeção Federal – S.I.F. – atesta a qualidade sanitária dos produtos de origem animal oferecidos aos brasileiros e a milhares de consumidores em todo o mundo.

Matar carneiros para consumo humano sem a devida autorização sanitária é crime.

É necessário autorização legal para o abate junto ao governo brasileiro, selo de inspeção federal para então fazer uso do animal abatido no consumo humano, quem ignora estas leis comete crime contra a saúde publica.

É necessário um ambiente adequado

O abate não pode ser feito por pessoas destreinadas, matando um animal no meio de uma área que mais se parece com um quintal, aberto, sem as condições mínimas de higiene.

Também o seu preparo não pode ser feito na metade de um tambor de óleo usado e reaproveitado!

Manuseio e preparo insalubre.

 

Não bastasse o abate insalubre, seu preparo também realizado sem a higiene necessária, transformando seu consumo literalmente em um ato de fé, pois realmente é preciso muita coragem para consumi-lo.

Temos portanto um quadro onde:

  • O animal não tem o selo S.I.F.
  • Não há garantia de procedência do animal abatido
  • Não há fiscalização de sua origem, garantindo a saúde do animal
  • Não há treinamento apropriado para realização do abate.
  • O animal não tem portanto um abate humanizado com a redução máxima de seu sofrimento.
  • O local não é adequado para realização do ato do abate.
  • O local também não possui os apetrechos necessários para seu preparo visando o consumo humano.

Afirmar ser um “ato religioso” desobriga o cumprimento da lei brasileira que combate o abate clandestino ?

Certamente que não!


A Lei Brasileira

O abate clandestino é crime!

Decreto-Lei nº 28/84 de 20-01-1984

CAPÍTULO II – Dos crimes contra a economia e contra a saúde pública
SECÇÃO II – Dos crimes em especial
SUBSECÇÃO I – Crimes contra a saúde pública
———-

Artigo 22.º – (Abate clandestino)
    1 – Quem abater animais para consumo público:
a) Sem a competente inspecção sanitária;
b) Fora de matadouros licenciados ou recintos a esse efeito destinados pelas autoridades competentes; ou
c) De espécies não habitualmente usadas para alimentação humanas;

Será punido com prisão até 3 anos e multa não inferior a 100 dias.
2 – Com a mesma pena será punido quem adquirir, para consumo público, carne dos animais abatidos nos termos do número anterior ou produtos com ela fabricados.
3 – Havendo negligência, a pena será de prisão até 1 ano e multa não inferior a 50 dias.
4 – A condenação pelos crimes previstos neste artigo implica sempre a perda dos animais abatidos ou dos respectivos produtos.
5 – A sentença será publicada.

fonte http://bdjur.almedina.net/item.php?field=node_id&value=1311415

A Lei Federal

“Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa. Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal”

Animal doméstico: são aqueles animais que através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e melhoramento zootécnico tornaram-se domésticas, possuindo características biológicas e comportamentais em estreita dependência do homem, podendo inclusive apresentar aparência diferente da espécie silvestre que os originou.

  • Exemplos: gato, cachorro, cavalo, vaca, búfalo, carneiro, porco, galinha, pato, marreco, peru, avestruz, codorna-chinesa, perdiz-chucar, canário-belga, periquito-australiano, abelha-européia, escargot, manon, mandarim, agapornis, entre outros.

artigo 32 e 37 da Lei 9.605/1998.
“Não é crime o abate de animal, quando realizado em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família; para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente autorizado pela autoridade competente; por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão competente”.

A Delegacia do Meio Ambiente, esclarece que o quando autuados em flagrante delito pela prática de crime contra as relações de consumo, nos termos do artigo 7º, inciso IX, da Lei 8137/90, obtém uma pena de detenção de dois a cinco anos ou multa”.

Sendo crime inafiançável, os infratores quando presos, são encaminhados de imediato a carceragem, para posteriormente serem apresentados em audiência de custódia.


[box type=”shadow”]

Conclusão

Esta prática fere tanto a Torá enquanto código religioso, portanto deixamos aqui nosso ato de repudio.

O abate de carneiros para Pessach(pascoa) não é pratica religiosa judaica!

[/box]

Em caso de dúvidas o que fazer ?

Se você é judeu consulte…

[box type=”shadow”]

Nem a FISESP como também nenhuma de suas entidades filiadas realizam sacrifícios de carneiros no Pessach(Pascoa).

www.fisesp.org.br/

[/box]

[box type=”shadow”]

Confirmado:

Judeus não fazem sacrifícios no Brasil e em nenhum outro lugar no mundo.

www.conib.org.br/

[/box]

Karaitas – consultem o Decano, autorizado para ensinar karaitas na América Latina.

[box type=”shadow”]
Daniel ben Immanuel (haKoheleth)

Decano do Departamento Latino
decano.ujc@kjuonline.com

Karaitas não realizam abates rituais.

[/box]

Mais informações junto a UJK – A única universidade Karaita no mundo.

[box type=”shadow”]

UJKUniversidade Judaica Karaita

decano.ujc@kjuonline.com ou texiankaraite@gmail.com

Estudantes da UJK não fazem sacrifícios matando carneiros.

[/box]

Karaitas devem consultar gratuitamente o Beit Din (Tribunal karaita) em Israel

[box type=”shadow”]

THE UNIVERSAL KARAITE JUDAISM

p.o.box 101, RAMLA 72100, TEL :08-9249104

karaite@bezeqint.net

Judeus karaitas não fazem sacrifícios na festa do Pessach(Pascoa)

[/box]

O lugar escolhido…

O Monte Gerizim! 

[box type=”shadow”]

Devarim(deut.)11:29-32

כט והיה כי יביאך יהוה אלהיך אל הארץ אשר אתה בא שמה לרשתה–ונתתה את הברכה על הר גרזים ואת הקללה על הר עיבל
ל הלא המה בעבר הירדן אחרי דרך מבוא השמש בארץ הכנעני הישב בערבה–מול הגלגל אצל אלוני מרה
לא כי אתם עברים את הירדן לבא לרשת את הארץ אשר יהוה אלהיכם נתן לכם וירשתם אתה וישבתם בה
לב ושמרתם לעשות את כל החקים ואת המשפטים אשר אנכי נתן לפניכם היום

29- E será que, quando o Shehmaa teu Elowweem te introduzir na terra, a que vais para possuí-la, então pronunciarás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal.

30- Porventura não estão eles além do Jordão, junto ao caminho do pôr do sol, na terra dos cananeus, que habitam na campina defronte de Gilgal, junto aos carvalhais de Moré?

31- Porque passareis o Jordão para entrardes a possuir a terra, que vos dá o Shehmaa teu Elowweem; e a possuireis, e nela habitareis.

32- Tende, pois, cuidado em cumprir todos os estatutos e os juízos, que eu hoje vos proponho

[/box]

O lugar escolhido.

[box type=”shadow”]

Devarim (Deut) 27

א ויצו משה וזקני ישראל את העם לאמר שמר את כל המצוה אשר אנכי מצוה אתכם היום
ב והיה ביום אשר תעברו את הירדן אל הארץ אשר יהוה אלהיך נתן לך–והקמת לך אבנים גדלות ושדת אתם בשיד
ג וכתבת עליהן את כל דברי התורה הזאת–בעברך למען אשר תבא אל הארץ אשר יהוה אלהיך נתן לך ארץ זבת חלב ודבש כאשר דבר יהוה אלהי אבתיך לך
ד והיה בעברכם את הירדן תקימו את האבנים האלה אשר אנכי מצוה אתכם היום בהר עיבל ושדת אותם בשיד
ה ובנית שם מזבח ליהוה אלהיך מזבח אבנים לא תניף עליהם ברזל
ו אבנים שלמות תבנה את מזבח יהוה אלהיך והעלית עליו עולת ליהוה אלהיך
ז וזבחת שלמים ואכלת שם ושמחת לפני יהוה אלהיך
ח וכתבת על האבנים את כל דברי התורה הזאת–באר היטב {ס}
ט וידבר משה והכהנים הלוים אל כל ישראל לאמר הסכת ושמע ישראל היום הזה נהיית לעם ליהוה אלהיך
י ושמעת בקול יהוה אלהיך ועשית את מצותו ואת חקיו אשר אנכי מצוך היום {ס}

1- E deram ordem, Mooshe e os anciãos, ao povo de Israel, dizendo: Guardai todos estes mandamentos que hoje vos ordeno;

2- Será, pois, que, no dia em que passares o Jordão à terra que te der o Shehmaa teu Elowweem, levantar-te-ás umas pedras grandes, e as caiarás.

3- E, havendo-o passado, escreverás nelas todas as palavras desta lei, para entrares na terra que te der o Shehmaa teu Elowweem, terra que mana leite e mel, como te falou o Shehmaa Elowweem de teus pais.

4- Será, pois, que, quando houveres passado o Jordão, levantareis estas pedras, que hoje vos ordeno, no monte Gerizim, e as caiarás.

5- E ali edificarás um altar ao Shehmaa teu Elowweem, um altar de pedras; não alçarás instrumento de ferro sobre elas.

6- De pedras brutas edificarás o altar do Shehmaa teu Elowweem; e sobre ele oferecerás holocaustos ao Shehmaa teu Elowweem.

7- Também sacrificarás ofertas pacíficas, e ali comerás perante o Senhor teu Deus, e te alegrarás.

8- E naquelas pedras escreverás todas as palavras desta lei, exprimindo-as nitidamente.

9 Falou mais Mooshe, juntamente com os sacerdotes levitas, a todo o Israel, dizendo: Guarda silêncio e ouve, ó Israel! Hoje vieste a ser povo do Shehmaa teu Elowweem.

10- Portanto obedecerás à voz do Shehmaa teu Elowweem, e cumprirás os seus mandamentos e os seus estatutos que hoje te ordeno.

[/box]

KARAITAS NÃO MATAM CARNEIROS!

EM NENHUM LUGAR DO MUNDO, ABSOLUTAMENTE NENHUM GRUPO JUDAICO KARAITA VERDADEIRO REALIZA ABATE DE CARNEIROS PARA A FESTA DO PESSACH(Pascoa).

Verdadeiros Judeus e Karaitas tem algo em comum… NÃO ABATEM CARNEIROS PARA O PESSACH!

O abate clandestino fere as leis brasileiras, portanto, DENUNCIE!

[box type=”shadow”]

FUNDAMENTOXERRO

O grande erro desses brasileiros é não terem quem realmente lhes ensine a Torá!

E por desconhecer a Torá fazem as coisas “segundo seus próprios olhos“.

Devarim(Deut) 12:5-8

ה כי אם אל המקום אשר יבחר יהוה אלהיכם מכל שבטיכם לשום את שמו שם–לשכנו תדרשו ובאת שמה
ו והבאתם שמה עלתיכם וזבחיכם ואת מעשרתיכם ואת תרומת ידכם ונדריכם ונדבתיכם ובכרת בקרכם וצאנכם
ז ואכלתם שם לפני יהוה אלהיכם ושמחתם בכל משלח ידכם אתם ובתיכם–אשר ברכך יהוה אלהיך
ח לא תעשון–ככל אשר אנחנו עשים פה היום איש כל הישר בעיניו

5- Mas o lugar que o Shehmaa vosso Elowweem escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis.

6- E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e os vossos votos, e as vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das vossas ovelhas.

7- E ali comereis perante o Shehmaa vosso Elowweem, e vos alegrareis em tudo em que puserdes a vossa mão, vós e as vossas casas, no que abençoar o Shehmaa vosso Elowweem.

8- Não fareis conforme a tudo o que hoje fazemos aqui, cada qual tudo o que bem parece aos seus olhos.

O verso 8 revela exatamente a realidade dos que “desconhecem a Torá” e que querem fazer “cada qual tudo o que bem parece aos seus olhos“.

Mas o verso 5 revela que não se pode fazer isso em qualquer local

5- Mas o lugar que o Shehmaa vosso Elowweem escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis.
[/box]

[box type=”shadow”]

Quem participa:

  • Faz o animal sofrer.
  • Põe em risco sua saúde. 
  • Desrespeita o animal.
  • Comete crime contra a saúde pública.
  • Transgride contra a Torá.

DENUNCIE

DISQUE 190.

[/box]

Separação entre Samaritanos e Judeus ?

“Quando os samaritanos se separaram dos judeus durante o 5º – 4º século…”

Esta declaração pode ter sido escrita e lida em alguma literatura.

Outra frase por vezes usada:

– “Samaritano judeus”

Outra frase típica:

– ” A fé Samaritana e a dos judeus divergiram a mais de um milênio atrás.”

E não podemos nos esquecer das palavras mais usadas…

– “Cisma Samaritano”, que significa “separação ou dissidência”.

Mas… Existe alguma verdade em tais declarações?

  • Em primeiro lugar, samaritanos nunca disseram ser judeus, e nunca dirão que foram judeus.
  • Os judeus se originaram a partir do reino do sul conhecido como Judeia, e por isso, seria incorreto afirmar que Samaritanos tiveram sua origem entre os judeus.
    Desde os primórdios os Samaritanos se originaram Reino do Norte de Israel.
    No século 4 EC – depois da era comum – a maioria de todos em Israel pertencia ao Reino do Norte, exceto o território da Judeia.
    Ver: “The Survey of Western Palestine from the Palestine Exploration Fund 1881”.
  • Neste momento havia mais de 1.200.000 de pessoas do Reino do Norte.
  • A divisão do primeiro Israel aconteceu com Eli, esta é a questão mais importante na divisão de Israel.
    Israel foi dividido e a partir deste momento, mesmo sob as ordens de Shlomo havia aqueles que se opunham a ele e sabiam qual era o local original do Tabernáculo.

Portanto, pode ser dito, que o Reino do Norte permaneceu fiel ao local onde Ye’oosha Ben Num montou o Tabernáculo e construiu o Altar conforme lhe fora designado.

Mas, se este o local estava incorreto então, não informaria Deus ao Sumo Sacerdote?

Portanto, nós Israelitas Samaritanos podemos provar que somos do Reino do Norte, e portanto não ouve qualquer “Cisma Samaritano”, ou “separação” ou mesmo qualquer “dissidência por parte dos Samaritanos”.

A versão literária judaica em 2 Reis 17 afirma que os samaritanos se casaram com estrangeiros.

  • Havia apenas 27.290 pessoas que foram retiradas do Reino do Norte, uma pequena percentagem da grande população daquele território de Israel.
  • Vamos admitir que houve alguns pagãos que viveram na terra naquele período e até mesmo alguns judeus viveram também no norte de Israel.
  • Ainda hoje em dia, os Samaritanos não se casam com pessoas de fora de sua fé, com exceção ao tomar por esposas mulheres judias que evidentemente se convertem a sua fé.

A maioria das pessoas que estudam sobre os Samaritanos como também, muitos autores e estudiosos não investigam adequadamente antes de fazer declarações sobre os Samaritanos, e seria muito adequado que corrigissem suas declarações, declarações estas, feitas por falta de conhecimento ou mesmo por conta de velhos artigos mal informados sobre esse assunto.

fonte: https://shomron0 -  tradução e versão: Ariel Haddad Ben Abraahm