Lição nº 40 – O ciclo do Shabat e Festas – O SHABAT

O SHABAT

Shemáa nomeou Mooshe que a primeira festa é o Shabat, então a festa deve ser guardada como o Shabat, para a guardar como um dia santo.

Shemot (Exodo) 20:7-11

ז זכור את יום השבת לקדשו
ח ששת ימים תעבד ועשית כל מלאכתך
ט ויום השביעי–שבת ליהוה אלהיך  לא תעשה כל מלאכה אתה ובנך ובתך עבדך ואמתך ובהמתך וגרך אשר בשעריך
י כי ששת ימים עשה יהוה את השמים ואת הארץ את הים ואת כל אשר בם וינח ביום השביעי על כן ברך יהוה את יום השבת–ויקדשהו  {ס}
יא כבד את אביך ואת אמך–למען יארכון ימיך על האדמה אשר יהוה אלהיך נתן לך  {ס}

7- Não tomarás o nome do Shehmaa teu Eloowwen em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.

8- Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.

9- Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.

10- Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.

11- Porque em seis dias fez o Shehmaa os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Shehmaa o dia do Shabat, e o santificou.

Depois vem as sete festas da Torá Vaykrá(Levítico) 23.

Por isso, todas as Festas devem ser guardadas (mantidas) da mesma forma que os israelitas-samaritanos observam o Shabat.

No entanto, os sumos sacerdotes permitiam um procedimento ligeiramente diferente em uma festa, se não se aplicasse no Shabat.

O sábio glorioso Amram Dareh do terceiro século EC, um dos maiores sábios, escreveu sobre o Shabat em aramaico:

– “Do Shabat , não há uma festa como esta, que possua a santidade do seu mérito”. (Amram Dareh  – Século 3 da EC)

Por exemplo:

Se a peregrinação ao Monte Gerizim não se aplica no Shabat, é possível com toda a nossa vontade aproveitar todos os meios de transporte para realizar a peregrinação.

Alcançar o transporte só para a peregrinação e retornar imediatamente após a peregrinação às casas, a fim de manter a festa como observamos no Shabat

Os samaritanos israelitas são muito cuidadosos com a observância do Shabat.

O mandamento “Sente-se cada um e ninguém se afasta de seu lugar no Shabat”, interpretado por nossos antepassados, que a intenção deste mandamento é a área dos vivos onde vivem os israelitas samaritanos.

Nos primeiros dias, eles deixavam uma lâmpada de óleo queimando até que fosse extinta.

Desde a invenção da eletricidade, no entanto, a luz foi deixada no pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol do Shabat, porque é impossível passar o Shabat sem luz, também para não passar o mandamento de não dar obstáculo diante de um cego.

05Devarim (Deuteronomio) 27:18

יח ארור משגה עור בדרך ואמר כל העם אמן  {ס}

18- Maldito aquele que fizer que o cego erre de caminho. E todo o povo dirá: Amém. 

Caso contrário, no escuro, um caso de emergência poderia se transformar em desastre.

Sob a luz, lemos a porção do Shabat e comemos as refeições do sábado.

Os encontros sexuais no Shabat e nos feriados são proibidos de modo a não serem impuros e a permanecer puros durante todo o Shabat e a festa.

Com exceção da luz, todos os aparelhos elétricos são desligados no Shabat e nos feriados, então a mídia eletrônica é desligada.

Na véspera do Shabat nós comemos comida quente e durante o Shabat nós comemos uma rica seleção de saladas da cozinha israelita samaritana, uma tradição de cerca de 4000 anos.

Nós não dirigimos nenhum tipo de transporte no Shabat, não fumamos cigarros ou narguile.

O Shabat é um dia de descanso total.

Apenas em caso de emergência deve-se fazer tudo o que for necessário para salvar vidas.

No Shabat sete orações são recitadas,:

  • Seis orações são feitas na sinagoga
  • A sétima é a leitura da porção da Torá do sábado, que é realizada em pequenos grupos nas casas, a fim de permitir que cada pessoa leia sua parte na rodada de sentado no chão.

É assim que nós, os Israelitas Samaritanos, nos tornamos o povo do livro.

  • Na sexta-feira à noite, duas orações estão conectadas.
  • No sábado pela manhã duas orações, uma na sigoga e a segunda nas casas;
  • Ao meio-dia, há duas orações.
  • No sábado à noite, uma oração pela separação do Shabat.

No sábado e nos feriados, roupas especiais são usadas:

  • As homens usam vestes e roupas brancas.
  • As mulheres usam suas melhores roupas.

É assim que o caráter especial do sábado é preservado.

As orações são dedicadas à observância do Shabat .

Aqueles que se comportam como estrangeiros ao não guardar o Shabat são advertidos várias vezes porque a Torá exige a morte de quem transgride o Shabat.

Hoje, o Tribunal do Estado não permite isso.

Por isso, é levado o castigo de exclusão da comunidade.

Esses casos são muito poucos e não acrescentam tranquilidade à comunidade.

Resumindo, os samaritanos israelitas se afastados de seus trabalhos por 24 horas e se dedicam à guarda do Shabat.

Ao visitar lugares fora dos limites da comunidade, geralmente ficam em um hotel ou quarto dentro da casa de seus anfitriões, da noite de sexta até ao término do Shabat , na noite do sábado.

Benyamim Tsedaka

Tradução livre
Ariel Haddad Ben Abraahm

O tempo do shabat

Muitos não-israelitas questionam…

– Porque o Shabat não começa a meia noite?

– Onde está o fundamento nas escrituras  para que fundamentam a prática dos horários do Shabat?

Onde está escrito que o Shabat deve se iniciar no escurecer da sexta-feira e só terminar no escurecer do sábado?

A qstão do tempo de duração do Shabat é na verdade muito simples…

A Torá fala explicitamente sobre o Shabat.

Leviticos 23:3

3- Seis dias obra se fará, mas ao sétimo dia será o Shabat do descanso, Santa convocação; nenhuma obra fareis; Shabat de Shehmaa é em todas as vossas habitações. 

O capítulo inteiro de Leviticos 23 apresenta todas as Festas Solenes de Shehmaa, o Criador!

É importante também dizer que toda festa solene é também um Shabat… ou seja, as mesmas regras do Shabat servem para todas as festas.

A palavra Shabat significa “descanso“.

Sim…  qualquer uma destas festas é um Shabat…  ou seja, um momento de parada, um momento de descanso.

Do passuk 26 ao 32 vemos a explicação do Yom haKipurim de forma detalhada!

Mas o passuk 32 descreve claramente que o Shabat é do entardecer de um dia ao entardecer de outro dia, não deixando nenhuma possibilidade para um “Shabat puramente diurno”.

Vamos ao texto.

Leviticos 23:32

32- Shabat de descanso vos será; então afligireis as vossas almas: aos nove do mês a tarde, de um entardecer ao outro entardecer, celebrareis o vosso Shabat.

Não sobram portanto dúvidas…

O Shabat é do entardecer de um dia ao entardecer do outro dia.

Qualquer outra interpretação que façam dizendo ser apenas um Shabat diurno é na verdade uma interpretação errada.

Sigam a Torá!

A guarda do Shabat

A OBSERVÂNCIA DO SHABAT NA TRADIÇÃO ISRAELITA SAMARITANA

O Sétimo Dia é o Dia Santo

O sétimo dia da semana é o Shabat, o Dia Santo.

O Shabat começa na sexta-feira à noite no pôr do sol, e dura até o anoitecer na noite de sábado.

Na vida israelita Samaritana o sábado é diferente dos outros dias da semana.

As preparações são feitas para distinguir o sábado dos outros dias.

Os dias de Festa são observados como o sábado, seguindo a tradição estabelecida na Toráh.

Há duas diferenças:

Primeira diferença:
– Se um festival de peregrinação (Pessach, Shavuot ou Sucot) cai num dia de semana, então os adoradores pode ser levados ao local de peregrinação em um veículo conduzido por alguém que não seja membro da Comunidade Samaritana.

Isso permite que todo Samaritano Israelita cumpra seu desejo de visitar o lugar onde Shehmaa escolheu habitar o seu Nome.

Segunda diferença:
– Somos instruídos à salvar a vida, escolher a vida sobre a morte, para o bem ou para o mal.

Se um festival cai num dia de semana, em seguida, em uma situação de risco de vida ou morte, por exemplo, o parto ou doença grave, fazemos tudo para prestar primeiros socorros, mesmo que seja necessário transportar veículos (normalmente proibido no Shabat).

Samaritanos Israelitas consagram o Shabat e o observam a todo custo.

Na sexta-feira à tarde a comunidade e cada família se prepara para o Shabat.

Todos os membros da família contribuem para os preparativos para o receber o Shabat.

Os homens removem suas roupas do dia da semana e usam um roupão de corpo inteiro, que os cobrem desde os ombros até os pés.

Na primavera e verão usamos um que é feito com um tecido fino branco; no outono e inverno o vestuário é feito de lã.

Os botões fecham até o pescoço, onde existe um laço em torno da gola.

Há uma faixa na cintura feita a partir do mesmo tecido.

Cada um dos lados da peça de vestuário tem uma grande bolso, usado para a guarda de chaves de casa, e um lenço para uso no outono e inverno.

Na frente do manto um pequeno bolso, medindo 10 x 10 cm no máximo, usado para manter um relógio de bolso.

Portanto, o relógio de pulso substituiu o relógio de bolso, mesmo assim o bolso permanece.

PREPARANDO-SE PARA O SHABAT

A mãe e filhas da casa fazer os preparativos finais para o sábado.

Quando um casal não tem filhos, ou se os filhos são muito jovens, o marido ajuda sua esposa com os preparativos.

Se ela estiver sob as leis de pureza familiar que proibi ela de participar nos preparativos, então ele faz todos os preparativos para o Shabat.

Garrafas térmicas grandes são cheias com água quente.

Apenas nos sábados, serve-se em pratos dedicados que são mantidos na cozinha e na sala principal da casa onde as refeições são tomadas e a porção semanal da Toráh é lida.

A lâmpada permanece acesa principalmente para prevenir e tratar emergências, observando o mandamento:

“Não bloqueie o caminho de uma pessoa cega, porque na escuridão total toda pessoa é cega”.

Antes do sábado deve-se desligar todos os aparelhos eléctricos da casa e desligar o rádio, televisão, computador e telefone.

Dedicamos vinte e quatro horas para a reunião familiar no sábado.

Nós não cozinhamos, fumamos ou dirigimos no sábado.

A roupa especial de Shabat se restringe aos membros da comunidade para em sua própria vizinhança.

Nós também desligamos o refrigerador.

Os blocos congelados manter o frio da geladeira até o fim do sábado.

É proibido a utilização de um temporizador ou operar ferramentas eléctricas durante o sábado.

Isso violaria o mandamento:

“Não farás fogo em sua residência no dia de sábado”.

Há uma diferença de opinião na comunidade a eventual autorização da operação de condicionadores de ar no sábado, para alívio durante dias muito quentes de verão.

A maioria da comunidade no monte Garizim e Holon não os liga.

Os Sumos-Sacerdotes ainda não decidiram sobre esta questão, e continuam a procurar maneiras de aliviar o desconforto dos adoradores.

Um dos sacerdotes decidiu que em tempos de calor excessivo, o culto da manhã de sábado será juntado com a oração da tarde.

A decisão fica portanto a critério do Cantor que dirige as orações.

As mulheres, ainda vestidas com roupas de segunda a sexta, preparam as refeições dos sábados com antecedência(antes do sábado).

ALIMENTOS POPULARES – O MENU DO SÁBADO

  1. Frango recheado com arroz e feijão temperado, vagens verdes ou amarelas; arroz com legumes verdes cozidos e frango, polvilhado com limão e sal.
  2. Folhas de uva ou beterraba verdes, recheado com arroz e pequenos pedaços de miúdos de frango, com molho de tomate fresco.
  3. Fatias de batata cozida cozidos com frango e especiarias, conhecido como Tashtush.

Além disso, servimos pratos paralelos:

  • Saladas, vagens verde ou amarela. Vegetais verdes.
  • Arroz cozido com frango, polvilhado com sal de limão e azeite.
  • Salada de tomates verdes finamente picados, pepinos, rabanetes e alface, com um azeite de oliva, suco de limão fresco, sal e molho de ervas.

Quando os pratos quentes estão prontos, o cobri-los com um cobertor para reter o calor até voltarmos da Sinagoga.

Quando começa o sábado as senhoras vestem as suas melhores roupas em honra do sábado.

As mulheres só usam calças durante a semana, não no sábado.

O SERVIÇO DO SHABAT

Cerca de uma hora antes do pôr do chefe da família e seus filhos, os meninos vestem seus robes de shabat, e vão à sinagoga.

Na entrada para a sinagoga nós removemos o nossos sapatos, deixando meias em nossos pés no inverno, ou vamos com os pés descalços no verão.

Sapatos são colocados nas prateleiras fornecidas, ou no chão do pequeno hall de entrada da Sinagoga.

O piso quadrado do salão Sinagoga deve estar coberto com um tapete grosso de ponta a ponta.

É confortável se sentar com as pernas cruzadas ou em pé na posição vertical para orações.

Os muito idosos e enfermos podem se sentar em pequenas, banquetas leves.

Bancos ou prateleiras em torno das paredes que mantem a Torá e livros de rezas.

Na parte da frente da sinagoga fica o altar, dividido em duas partes.

Na traseira sentar o Hazam (Cantor) e o patriarca mais velho da comunidade.

Na frente, separados por uma cortina, fica a arca onde os rolos da Torá são mantidos em caixas de metal cilíndrica.

Os pergaminhos são erguidos ao alto durante a manhã e ao meio-dia nas orações do sábado, para abençoar a congregação.

Os adoradores sentar-se mais ou menos nos mesmos lugares na sinagoga.

Todos devem estar presentes.

Só a doença isenta os membros da comunidade de participar, e eles vão rezar em casa.

Cada adorador sabe o seu lugar.

Os hóspedes de fora da comunidade se sentam sempre na parte de trás da Sinagoga.

Aqueles que estão impuros no shabat (através de relações sexuais na noite anterior, ou acidentalmente tocar impureza, por exemplo), também podem orar.

Eles se sentam ao lado da parede traseira da sinagoga.

Não há constrangimento algum nisso, porque pode acontecer a qualquer um.

As mulheres não participam em todas as orações.

Elas frequentam a sinagoga em Yom Kippur(Dia da Expiação), sentas no fundo da sala.

No Shabat e dias festivos, frequentam a sinagoga por um curto período de tempo durante as orações matinais.

Elas recebem a bênção do sacerdote, em seguida, voltam para casa.

Claro que, quando estão em um estado impuro, as mulheres não estão autorizadas a participar na Sinagoga, ou tomar parte no sacrifício e peregrinações Páscoa.

SETE ORAÇÕES DE SHABAT

Adoradores recitam as sete orações no Shabat:

  • Duas consecutivas na véspera do Shabat;
  • Duas consecutivas na manhã do Shabat;
  • Duas consecutivas ao meio-dia e uma no final do sábado.
  • Todas as orações são realizadas sem sapatos, e com a cabeça coberta.

A ORAÇÃO DA VÉSPERA DO SHABAT NA SEXTA-FEIRA À NOITE

Benção do Shabat
Benção do Shabat

Durante a primeira oração, lemos todas as passagens da Torá que se relacionam com o sábado.

A segunda oração compreende poemas litúrgicos e orações.

As duas orações consecutivas começam a cerca de uma hora antes do pôr do sol, terminando quando o sol se põe.

Devemos nos sentar ou ficar de acordo com o contexto da oração, que é liderada pelo Hazam(Cantor).

A maioria das orações são recitadas de memória.

As crianças leem a partir de livros de oração até que eles também saibam as orações de cór.

Ao curvar-se, e se ajoelhar no chão, a cabeça toca o tapete e descansa as mãos abertas, que são colocadas lado a lado no tapete.

Há também uma posição de curvar-se durante orações onde é suficiente para inclinar a parte superior do corpo para a frente, a partir da cintura para cima, durante alguns segundos.

A maioria das orações são recitadas e cantadas em voz alta por todos os fiéis.

O Cantor tem apenas uma pequena parte na liturgia.

O final da oração do Cantor lembra-nos que é o Shabat .

Os adoradores respondem várias vezes, dizendo “Amém”.

Em seguida, se ajoelham e se prostam, para terminar a oração.

Então, todos nós nos cumprimentamos.

A benção de despedida do Cantor é “Shabbikon Taaben Yesi” (“Os teus sábados são bons”)

SHABBIKON TAABEN YESI
SHABBIKON TAABEN YESI

 

Os adoradores respondem:

“Shabbikon Taaben Yesi”  (“Os teus sábados são bons”)

Todos nós saímos pela mesma porta.

Cada um recoloca seu sapatos, e retorna rapidamente para casa onde sua família o espera.

Não existe visão mais emocionante do que adoradores deixando a sinagoga em suas vestes, reunindo-se rapidamente em casa em todas as direções.

Nós nos sentamos à mesa do Shabat , e cantamos canções de Shabat e recitamos a bênção sobre o vinho

“Maa shehna abyoomikimma kallaakimma yesi”  (“Que você viva cem anos”)

e  “Kal shehna watimma shaaloomem”   (“Que você tenha paz a cada ano”).

As senhoras da casa removem o cobertor que cobriu as panelas, e servem a comida.

Todos nós agora podemos comer tranquilamente.

O Shabat é uma oportunidade para toda a família se reunir, pais, filhos e netos.

Eles chegam após a refeição e sentam-se juntos por um tempo.

Chá e bolos que foram preparados para o Shabat são servidos.

Cada assunto do dia é discutido.

Duas horas antes da meia-noite, os membros da família vão se deitar, para acordar a tempo para a oração da manhã.

ORAÇÕES SHABAT MANHÃ

Para orações da manhã na sinagoga, adoradores usar um talit branco (xale de oração), feitos a partir de tecido de algodão simples, em forma de um robe.

O tallit cobre desde os ombros até os pés.

Ele possui fendas nas laterais esquerda e direita, permitindo o acesso aos bolsos da roupa.

No ombro direito há vinte e dois botões feitos do mesmo material que o talit de oração, e no ombro esquerdo há vinte e dois casas correspondentes aos botões.

O número simboliza o número de letras no alfabeto hebraico antigo a partir do qual a Toráh está escrita.

Como nos tempos antigos, o alfabeto hebraico não tem letras finais adicionais.

Na tradição Israelita Samaritana os botões e casas são o equivalente a tzitziot (franjas de oração).

Nem na vida diária, nem no Shabat, Samaritanos Israelitas usam Tefillin(filactérios), como são usados na tradição judaica rabínica.

Israelias Samaritanos consideram a palavra tefillin como uma metáfora para lembrar.

Interpretamos não como uma pequena caixa física que contém um texto bíblico, mas como sinônimo de “lembre-se”.

Desta forma, eles obedecem aos mandamentos:

“E eles vão ser um sinal em seu braço e um lembrete entre os seus olhos”

e também

“Você vai lembrar de todos os mandamentos de Shehmaa”.

O Cantor carrega o rolo da Torá e a apresenta diante dos adoradores.

Usa um xale de oração branco de seda em azul e branco ou em verde e branco, com borlas.

Ele só o usa durante o curto período de tempo que ele está carregando o rolo da Toráh coberta.

Quando ele retorna o rolo da Torá para a arca, ele dobra o xale de oração de seda, e coloca-o na arca.

Nós usamos o nosso talit de oração sobre o nosso manto para ir à sinagoga.

A oração começa três horas e meia da manhã e termina às seis da manhã.

A oração inclui versos da Torá e poemas litúrgicos.

Assim, a primeira sessão de oração é concluído.

A segunda oração da manhã é a leitura da porção semanal da Toráh.

Nós deixamos a sinagoga, dividida em pequenos grupos de 10-15 pessoas de acordo com parentesco, e vamos para a casa do membro mais velho do grupo.

Nós ficamos sentados sobre o tapete ao longo da parede da sala maior da casa, e começam a cantar a porção semanal da Toráh.

Homens e mulheres, meninos e meninas de todas as idades podem participar na leitura.

A porção é dividida em passagens.

Cada participante canta uma passagem em um ritmo lento.

Se houver mais passagens do que os participantes, uma segunda rodada é feita, cada um, em seguida, pode ler em um ritmo mais rápido.

No final da leitura a dona da casa com as meninas servir xícaras de chá, bolos e doces.

Fazemos uma conversa animada e às vezes barulhenta, e então cada um retorna para casa para comer o pequeno almoço.

As primeiras horas da manhã do Shabat são dedicadas para descansar e dormir até chegar ao momento das orações do meio-dia.

O pequeno-almoço inclui diversas e gostosas saladas o que é muito gratificante.

Recomenda-se a prepara-las de acordo com o livro:

“As Maravilhas da cozinha Israelita Samaritana”, escrito pelas irmãs Batia Tsedaka e Zippora Sassoni, editado por: Benyamim Tsedaka; Publicado por A. B. – Instituto de Estudos Samaritano Press, Holon, 2011.

Os ingredientes da salada foram colocados na geladeira desligada desde sexta-feira à tarde.

Especiarias, limão, tahini e azeite são adicionados.

Nós bebemos refrigerantes e alguns desfrutam de vinho com moderação.

Comendo a salada normalmente satisfaz o apetite por todo o dia até o fim do sábado.

Tomando o café da manhã preparado, as senhoras usam vestidos finos, camisas e ternos que complementam a sua beleza, e saem para visitar vizinhos ou receber amigos e parentes em suas casas.

A ORAÇÃO DO MEIO DIA DO SHABAT

Ao meio-dia, ou as 13:00hs no horário de verão, nos reunimos na sinagoga para as duas orações do meio-dia.

A primeira oração inclui versos do Torá e poemas litúrgicos.

A segunda oração inclui liturgia e uma leitura calma da porção semanal da Torá em um ritmo mais rápido do que na parte da manhã.

Leitura alterna entre aqueles que se sentam nos lados esquerdo e direito da sinagoga.

Aqueles que se sentam à direita começar a ler o primeiro verso, e quando chegar a meio, os da esquerda começa a ler o segundo verso.

E assim por diante, alternadamente, até chegar ao fim da porção de Tora.

Concluímos com um poema curto litúrgico, e voltamos para nossas casas vestindo o robe talit branco.
O Cantor despede-se dos adoradores com a bênção:

“Shabbikon Taaben Yesi”.

Os adoradores respondem com as mesmas palavras.

Nós tiramos o nosso Talit de oração.

Uma refeição ligeira nos espera em casa.

Durante o inverno, comemos alguma iguaria fria e no verão, queijo branco caseiro com pedaços de melancia.

APÓS O MEIO DIA DO SHABAT – A TARDE

Nós passamos a tarde e início da noite do sábado visitando a amigos e parentes.

Se alguém foi hospitalizado e ficou em casa no Shabat , todos o visitam e perguntam como ele ou ela está se sentindo.

Ficamos alegres por visitar os parentes.

A tarde é também uma oportunidade para as crianças e adolescentes se reunir e ler as porções da Torá, incluindo a porção da Toráh para a semana seguinte.

Isto é para ensinarmos os jovens a ler a Toráh corretamente.

Eles aprendem os cantos e a liturgias com os sábios, para que eles possam continuar a tradição na Sinagoga aos sábados e festivais futuros.

O FIM DA ORAÇÃO DO SHABAT

O fim das orações do Shabat começam meia hora antes do pôr do sol, e terminam quando o sol se põe.

As orações são realizadas usando mantos, sem o talit de oração, a menos que a oração para um novo mês caia no final do sábado: neste caso, usar o talit de oração.

Um elemento central da oração é uma liturgia antiga para o final do sábado.

Concluímos com uma oração final.
O patriarca despede os adoradores com a bênção:

“Ashshehlaam ‘aleekimma” (“Shalom a todos” – “A paz esteja convosco”).

E eles respondem:

“Alek Ashshehlaam”  (“E a paz esteja com você”).

Nós voltamos para nossas casas depois das orações, e juntos cantamos o louvor a Moshe:

“Ashshehlaam ‘al Mooshe”  (“Elogio a Moses”).

A dona da casa serve café em copos pequenos.

Este é o início de uma nova semana.

Tiramos nossas vestes, a dobramos, colocamos no guarda-roupa, e vestimos em nossas roupas de segunda a sexta.

Se o Shabat cai no início, ou durante um festival, a oração da manhã é especialmente longa.

Começa às 02:00hs e termina em torno de 09:00hs.

Nesse caso não há nenhuma sessão de oração do meio-dia, e a porção semanal da Toráh não é lida.

A sessão de oração no Yom Kippur(Dia do Perdão) dura cerca de 25 horas, desde a tarde até à noite, sem uma pausa.

Se um Brit Milá(circuncisão) tem lugar no Shabat, nós interrompemos as orações durante a cerimônia, e depois voltar para a sinagoga para continuar as orações.

Texto: Beyamim Tsedaka.
 Tradução e revisão livre - Ariel Haddad Ben Abraahm